Métodos e Diagnósticos de Medicina Biológico-Naturista

Apresentação do Programa

O Programa de Métodos e Diagnósticos de Medicina Biológico-Naturista compreende tratamentos que podem ajudar em várias doenças proporcionando terapias complementares à medicina ocidental.

Descreve-se o Método Kousmine, a Hidroterapia do Cólon, a Homotoxicologia, a Homeopatia, a Sofrologia, os Florais de Bach, a Spagyria, a Eletroacupuntura de Voll, o Bioeletromagnetismo e Biorressonância, a Medicina Ortomolecular, os Oligoelementos, a Neuralterapia e a Neurofocalidade Dentária.

Já fazendo parte da medicina atual, é do interesse dos médicos conhecerem estas técnicas a fim de satisfazer as demandas dos seus pacientes.

A quem é dirigido

O programa de Métodos e Diagnósticos de Medicina Biológico-Naturista é destinado a graduados em medicina que:

  • Estejam interessados em aprofundar-se na prevenção de doenças;
  • Queiram aplicar a medicina biológica e ou naturista no tratamento de doenças.

Titulação

O aluno receberá, ao finalizar o programa, um Diploma emitido pela Universidade de León e/ou pela Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER).

Estrutura do Programa

Com relação à distribuição do tempo se estabelece que:

  • Por ser um curso a distância e não estar sujeito a aulas presenciais, não se estabelece uma data específica de início, razão pela qual o aluno pode formalizar a matrícula em qualquer momento, desde que haja vagas disponíveis;
  • Por motivos acadêmicos e de aprendizagem, dispõe-se de uma duração mínima para o programa de três meses, contabilizados a partir da data de entrega dos dois primeiros volumes até a data de finalização;
  • O tempo máximo do qual se dispõe para concluiro programa é de oito meses. Neste período de tempo, o aluno deverá entregar todas as avaliações correspondentes.

A estrutura de créditos do programa de Métodos e Diagnósticos de Medicina Biológico-Naturista é apresentado na seguinte tabela:

  CRÉDITOSa DURAÇÃOb HORAS
1ª parte: Tratamentos Biológicos Naturistas I 15 4 150
2ª parte: Tratamentos Biológicos Naturistas II 15 4 150
TOTAL 30 8 300

a. A equivalência em créditos pode variar de acordo com a universidade que titula 
b. Duração em meses

Objetivos

  • Proporcionar aos graduados em medicina os conhecimentos necessários para a compreensão das principais orientações que regem a medicina biológica e naturista
  • Conhecer e aprender a utilizar as terapias mais solicitadas pela população.
  • Proporcionar, através das novas tecnologias da informação e da comunicação, mediante um processo de ensino-aprendizagem autorizada, a atualização das últimas novidades relacionadas à área.

Saídas Profissionais

Algumas das saídas profissionais do Programa de Métodos e Diagnósticos de Medicina Biológico-Naturista:

  • Aplicações médicas.
  • Docência

Plano de estudos

O programa de formação está dividido em 2 partes principais:

  • 1ª PARTE: TRATAMENTOS BIOLÓGICO-NATURISTAS I (150 HORAS)

As disciplinas e as horas correspondentes que compõem a primeira parte são apresentadas na tabela absixo:

  DISCIPLINAS HORAS
1 Método Kousmine 17,5
2 Hidroterapia do Cólon 20
3 Hidrologia, Águas Minero-medicinais e Balneoterapia 17,5
4 Tipos Constitucionais em Medicina em Acupuntura, Homeopatia e Naturismo 20
5 Homotoxicologia e Homeopatia 20
6 Sofrologia 20
7 Florais de Bach 17,5
8 Spagyria 17,5
  TOTAL 150
  • 2ª PARTE: TRATAMENTOS BIOLÓGICO-NATURISTAS II (150 HORAS)

A nutrição na prevenção e no tratamento de doenças tem um papel fundamental. É importante estabelecer algumas bases de conhecimento para continuar com o estudo dos fatores relacionados à nutrição e à alimentação.

As disciplinas e as horas correspondentes que compõem a segunda parte são apresentadas na tabela abaixo:

Descrições dos Cursos

1ª PARTE: TRATAMENTOS BIOLÓGICO-NATURISTAS I

  1. MÉTODO KOUSMINE

    Pretende-se conhecer a metodologia utilizada pela Dra. Kousmine para tratar doenças e seus 5 pilares de sustentação.

    O MÉTODO KOUSMINE
    Princípios nos quais se baseia o Método Kousmine.
    PRIMEIRO PILAR: ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL
    Erros alimentares atuais. Mais erros da alimentação atual. Principais conclusões sobre a alimentação atual. Programa terapêutico Kousmine.
    SEGUNDO PILAR: HIGIENE INTESTINAL
    Matéria fecal normal. Flora microbiana. Causas dos transtornos na flora intestinal. Consequências da disbiose. Encarrilhamento da simbiose intestinal.
    TERCEIRO PILAR: LUTA CONTRA A ACIDIFICAÇÃO. CONTROLE PH URINÁRIO
    Noção de terreno.
    QUARTO PILAR: SUPLEMENTOS NUTRITIVOS
    Medicina ortomolecular (Linus Pauling – 1968).
    QUINTO PILAR: IMUNOMODULAÇÃO
    Método. Implicações psicológicas. História clínica Kousmine.
  2. HIDROTERAPIA DE CÓLON

    Estudo do mecanismo e método da hidroterapia do cólon, sua utilização através dos anos e os conceitos fisiológicos de sua aplicação.

    GENERALIDADES DA HIDROTERAPIA DO CÓLON
    Higiene intestinal – a chave para estar em forma. História da hidroterapia de cólon. Os laxantes e os enemas. Método da hidroterapia de cólon.
    ANATOMIA DESCRITIVA E FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO
    Boca e esôfago. O Estômago. O intestino delgado. O Fígado. Vesícula Biliar. Pâncreas. Intestino grosso (cólon).
    EXPLORAÇÃO FÍSICA DO SISTEMA DIGESTIVO
    Entrevista médica. Exame de abdômen. Chaves práticas para hidroterapia de cólon.
    ESTUDOS DIAGNÓSTICOS BÁSICOS DAS AFECÇÕES DO CÓLON
    Endoscopia digestiva. Laparoscopia. Estudos zadiológicos. Ecografia. Tomografia computadorizada. Ressonância magnética. Análise de fezes. Hidroterapia de cólon.
    O SISTEMA IMUNOLÓGICO DAS MUCOSAS. MICROFLORA INTESTINAL. PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS
    Generalidades do sistema imunológico das mucosas. Ecologia intestinal. Funções da Microflora Intestinal. Probióticos. Prebióticos.
    ALTERAÇÕES FUNCIONAIS DO INTESTINO
    Alterações do intestino e sistema nervoso entérico. Síndrome do intestino irritável.
    DIARREIA E CONSTIPAÇÃO
    Diarreia. Constipação.
    DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. DOENÇA DIVERTICULAR DO CÓLON
    Doença Inflamatória Intestinal. Doença Diverticular do Cólon.
    PÓLIPOS E CARCINOMA COLORRETAL
    Pólipos. Câncer colorretal. Hidroterapia de cólon.
    TOXEMIA INTESTINAL
    Toxemia intestinal.
  3. HIDROLOGIA, ÁGUAS MINEROMEDICINAIS E BALNEOTERAPIA

    Pretende-se conhecer um dos métodos mais utilizados da antiguidade para prevenir e tratar doenças, através do estudo de sua história, a ação terapêutica, a água, as técnicas de balneação, o termalismo e as águas mineromedicinais.

    HIDROTERAPIA
    História. Hidroterapia e hidrologia médica. Classificação das técnicas hidroterapêuticas. Ação terapêutica e preventiva. Indicações e contraindicações.
    A ÁGUA
    Estrutura da água. Propriedades físico-químicas da água. Classificação das águas. Efeitos fisiológicos sobre o organismo.
    TÉCNICAS DO BALNEAÇÃO I
    Banhos totais e parciais. Envoltórios, compressas e fomentos. Lavagens ou abluções e afusões. Duchas e jatos com pressão
    TÉCNICAS DO BALNEAÇÃO II
    Aplicações especiais. Crioterapia. Termoterapia.
    TERMALISMO E ÁGUAS MINEROMEDICINAIS
    Termalismo. Conceito e história. Cura hidrotermal. Água mineromedicinais e termais. Conceito. Classificação das águas mineromedicinais. Indicações e efeitos.
  4. TIPOS CONSTITUCIONAIS EM ACUPUNTURA, HOMEOPATIA E NATURISMO

    Estudo dos tipos constitucionais na medicina convencional, na acupuntura, na homeopatia e na medicina naturista.

    OS TIPOS CONSTITUCIONAIS NA MEDICINA
    Introdução e história. Definições. Constituição e herança. Tipos constitucionais segundo Kretschmer.
    OS TIPOS CONSTITUCIONAIS NA ACUPUNTURA
    As constituições chinesas. As duas constituições elementares na acupuntura. As cinco constituições simples na acupuntura. As seis constituições compostas na acupuntura. As quatro constituições da escola coreana.
    OS TIPOS CONSTITUCIONAIS NA HOMEOPATIA
    introdução e história. Descrição dos tipos constitucionais na homeopatia. Outros métodos de classificação tipológica descritos na homeopatia.
    OS TIPOS CONSTITUCIONAIS NA MEDICINA NATURISTA
    Naturismo neo - hipocrático. Oligoterapia. Medicina ayurvédica.
  5. HOMEOPATIA E HOMOTOXICOLOGIA

    Pretende-se estudar a homeopatia através de sua história para entender seus princípios, definir a saúde e o indivíduo saudável, classificar os tipos de energia, analisar o valor dos sintomas para estabelecer um diagnóstico, elaborar a receita, dar as regras de administração do medicamento, tratar doenças crônicas e conhecer a ação biológica das toxinas no organismo.

    INTRODUÇÃO À HOMEOPATIA
    História da homeopatia. História da similitude na medicina. Princípios fundamentais da homeopatia e a teoria miasmática. Relação da homeopatia com as ciências. Concepções errôneas frequentes.
    DOUTRINA E MATÉRIA MÉDICA
    Introdução. História da doutrina e da matéria médica. Conceitos de saúde e de indivíduo saudável. Concepções errôneas frequentes.
    ENERGIA OU FORÇA VITAL: O VITALISMO
    Conceitos. Classificação das Energias. Concepções errôneas frequentes.
    DOENÇAS E SINTOMAS
    Definição de doença. Conceitos. Fases das doenças. Os sintomas na homeopatia. Conceitos. Classificação dos sintomas. Exercício prático. Concepções errôneas frequentes.
    HISTÓRIA CLÍNICA E DIAGNÓSTICO NA HOMEOPATIA
    A história clínica: exame do doente. O diagnóstico na homeopatia. Hierarquização dos sintomas. Concepções errôneas frequentes.
    A RECEITA EM HOMEOPATIA
    Introdução. Remédio. Potência do medicamento. Escala de diluição. Formas de preparação. Formas de administração. Concepções errôneas frequentes.
    PRESCRIÇÃO E PROGNÓSTICO
    A primeira prescrição. O prognóstico homeopático e clínico. A segunda prescrição. Indicações, campo de ação, limitações e erros da homeopatia. Concepções errôneas frequentes.
    AS DOENÇAS CRÔNICAS
    Introdução. Tratamento das doenças crônicas. Conceito de miasma: Psoríase, Sicose e Sífilis. Relação da teoria miasmática com outras teorias. Principais remédios homeopáticos e suas diáteses. Exercício prático. Concepções errôneas frequentes.
    HOMOTOXICOLOGIA
    Introdução. Definição de homotoxicologia. Conceito homotoxicológico de doença. Fases da doença. Lei de Arnld e Schultz. Medicamentos anti-homotóxicos.
  6. SOFROLOGIA

    Estudo da sofrologia e suas aplicações, através do estudo de seus objetivos e princípios, a fenomenologia, a consciência e o terpnos logos.

    SOFROLOGIA
    Definição. História. Princípios da sofrologia caycediana. Método Caycedo. A sofrologia não é.
    SOFROLOGIA E FENOMENOLOGIA
    Que é a fenomenologia? Fenomenologia transcendental. Método fenomenológico.
    SOFROLOGIA E CONSCIÊNCIA
    Que é a consciência? Estados e níveis da consciência em sofrologia.
    TERPNOS LOGOS
    De onde vem o terpnos logos? Teoria caycediana dos cinco sistemas vivenciais do ser.
    APLICAÇÕES DA SOFROLOGIA
    Indicações da sofrologia. Tratamento individual. Orientação terapêutica.
    APLICAÇÕES MÉDICAS DA SOFROLOGIA
    Sofrologia clínica.
    OUTRAS APLICAÇÕES MÉDICAS DA SOFROLOGIA
    Ciências da saúde.
    APLICAÇÕES NÃO MÉDICAS DA SOFROLOGIA
    Ciências humanas.
  7. FLORAIS DE BACH

    Pretende-se conhecer as terapias florais, sua história e seu mecanismo de ação, assim como a terapia do Dr. Edward Bach.

    AS TERAPIAS FLORAIS
    Como funcionam as terapias florais?
    O DR. EDWARD BACH
    Conferências e textos do Edward Bach.
    A TERAPIA FLORAL DO DR. EDWARD BACH
    Preparação das essências. Cor e calendário de florações dos florais do Bach. Classificação do sistema floral de Bach. Descrição dos remédios. Teste de Personalidade para a Escolha dos Florais de Bach.
  8. SPAGYRIA

    Estudo da medicina espagírica, seus princípios, origem, evolução, preparação de medicamentos e metodologia.

    MEDICINA ESPAGÍRICA
    Medicina Espagírica. Hipócrates. Método dos semelhantes. Paracelso: Pai da Espagíria. Alquimia e Espagíria. Origem e evolução.
    PRINCÍPIOS DA ESPAGÍRIA
    Princípios da Espagíria. Sistema Holístico. Princípio da similitude. Princípio da Dualidade: aspecto dinâmico da dupla força cósmica. Princípio Ternário: enxofre, mercúrio e sal. Natureza Tripartida do Homem. Os quatro elementos. Quatro temperamentos. Os sete ciclos vitais. Os 12 climas biológicos.
    FARMACOPEIA
    Farmacopeia. Preparação dos medicamentos Espagíricos. Matéria Médica.
    METODOLOGIA I
    Anamnese na Espagíria.
    METODOLOGIA II
    Anamnese na Espagíria. Drenagem na Espagíria.

2ª PARTE: TRATAMENTOS BIOLÓGICO-NATURISTAS II

  1. ELETROACUPUNTURA DE VOLL E BIORRESSONÂNCIA

    Estudo da Eletroacupuntura de Voll em comparação com a Acupuntura chinesa, conhecer o que é a Biorressonância, suas aplicações e usos.

    ELETROACUPUNTURA DE VOLL
    Introdução. A medição EAV. O diagnóstico na eletroacupuntura. Possibilidades terapêuticas. Os meridianos.
    BIORRESSONÂNCIA
    Introdução. Conceito. História. Bases científicas. O aparelho de MORA. Terapias. Tratamento. Usos. Indicações clínicas. Aplicações. Doença alérgica e Biorressonância. Geopatias - geobiologia e biorressonância. Segurança. Eficácia.
  2. MEDICINA ORTOMOLECULAR E OLIGOELEMENTOS

    Pretende-se fazer uma revisão dos oligoelementos e dar uma visão global e prática da medicina ortomolecular para sua aplicação correta.

    OLIGOELEMENTOS
    Introdução. Um pouco de história. Definição. Princípios fundamentais dos oligoelementos. Formas de um oligoelemento. Aproximação terapêutica. Classificação dos oligoelementos. Variação sobre a flutuação dos oligoelementos. Forma terapêutica e administração. Diáteses de menetrier (oligoterapia catalítica). Metabolismo dos oligoelementos. Papel biológico e modo de ação dos oligoelementos. Interação entre os oligoelementos. Diagnóstico em laboratório dos oligoelementos. Possibilidades terapêuticas dos oligoelementos. Estudo pormenorizado de alguns oligoelementos.
    MEDICINA ORTOMOLECULAR
    Introdução. Conceito. Quanta suplementação é necessária. Princípios de identificação ou espírito da medicina ortomolecular. Necessidade de nutrientes ou suplementos? Fatores que aumentam a necessidade de nutrientes no organismo. História clínica. Protocolos médicos. Nutrição intravenosa. Diversidade analítica. Estudo pormenorizado de algumas vitaminas. Aminoácidos. Coenzimas.
  3. NEURALTERAPIA E NEUROFOCALIDADE

    Estudo de Terapia Neural e Neurofocalidade, conhecer sua história e entender como funciona o sistema vegetativo e sua importância para estas práticas médicas.

    INTRODUÇÃO À NEURALTERAPIA E NEUROFOCALIDADE
    Introdução. Bases históricas. Terminologia utilizada em terapia neural e neurofocal. Sistema nervoso vegetativo ou autônomo.
    MODO DE AÇÃO DA TERAPIA NEURAL
    Anestésicos locais. Fenômenos da terapia neural. Resistência corporal na terapia neural.
    TERAPIA NEURAL E PRÁTICA CLÍNICA
    Introdução. Aplicação prática da terapia neural.
    NEUROFOCALIDADE
    Introdução. Focos dentógenos. Técnicas de neurofocalidade.

Nota: O conteúdo do programa acadêmico pode ser submetido a ligeiras modificações, em função das atualizações ou das melhorias efetuadas.

Direção

Direção

  • Dr. Santiago de la Rosa Iglesias. Presidente da Comissão de Medicina Naturista do Ilustre Colegio de Médicos de Madrid (ICOMEM).
  • Dr. Jorge López Recinos Professor da Universidade de San Carlos, Guatemala.

Coordenação

  • Dra. Carmen Pérez Morales.. Professora Titular da Universidade de León.
  • Sra. Irma Domínguez Azpíroz. Graduada em Nutrição Humana e Dietética. Universidade de Navarra.

Professores e Autores

  • Dr. Santiago de la Rosa. Presidente da Comissão de Medicina Naturista do Ilustre Colegio de Médicos de Madrid (ICOMEM).
  • Dra. Irina Matveikova. Licenciada em Medicina especializada em Medicina Preventiva, Geral, Nutrição e Fitomedicina.
  • Sra. Susanna N. Punchades Santos. Licenciada em Ciências Biológicas: Especialidade Botânica. Universidade de Barcelona.
  • Dr. Roberto M. Vimbert. Licenciado em Medicina e Cirurgia pela Universidade Juárez Autónoma de Tabasco e Pós-graduação em Saúde Pública e Métodos de pesquisa Biomédica da Universidade Autônoma de Barcelona.
  • Dr. Luis Rekarte de Silva. Licenciado em medicina. Especialista Universitário em Homeopatia pela Faculdade de Medicina de Valladolid. Presidente da Associação de Médicos Homeopatas de Astúrias. Diretor do programa informático ADAMAS de repertorização.
  • Dr. Francisco Fernández-Guisasola Muñiz. Mestre em Acupuntura (Universidade de Zaragoza). Especialista em Homeopatia (Universidade de Valladolid). Professor Convidado na Escola de Enfermaria da Universidade de Oviedo. Professor convidado no Mestrado de Acupuntura da Universidade de Zaragoza. Presidente da Seção Colegial de Médicos Acupuntores, Homeopatas e Naturistas do ICOM de Astúrias.
  • Dr. Horacio Kinast Feliú. Sociedade Científica do Chile. Academia Iberoamericana de Medicina Biológica e Odontoestomatologia.

Bolsa de Trabalho

A Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) destina periodicamente um valor econômico de caráter extraordinário para Bolsas de estudo em Formação FUNIBER.

Para solicitá-la, preencha o formulário de solicitação de informação que aparece no portal FUNIBER ou entre em contato diretamente com a sede da fundação em seu país para saber se é necessário proporcionar alguma informação adicional.

Uma vez que tenhamos recebido a documentação, o Comitê Avaliador examinará a idoneidade de sua candidatura para a concessão de um incentivo econômico na forma de Bolsa de estudo em Formação FUNIBER.