Gestão de Projetos de Arquitetura e Urbanismo

Apresentação do Programa

A arquitetura e o urbanismo são áreas profissionais que se encontram estreitamente relacionadas, ambas intervêm em diferentes escalas no espaço público e, por esta razão, justamente interagem com diversos agentes da gestão pública e privada e com a sociedade toda.

Para a formação e o desenvolvimento do programa, foram selecionados conhecimentos teóricos indispensáveis, derivados da experiência na prática profissional para fazer uma gestão adequada deste tipo de intervenção, considerando não só a relação evidente entre Arquitetura, Urbanismo e Ambiente, mas também os pontos de relação da gestão com o Estado/Governo até a construção da Imagem da Cidade.

A especialização em Gestão de Projetos de Arquitetura e Urbanismo propõe um modelo formativo focalizado a partir de dois espaços, um estritamente vinculado à área de Arquitetura e Urbanismo e o segundo com enfoque na Gestão de projetos, isto acontece porque as equipes interdisciplinares que integram projetos destas características formam-se não só por conhecedores de temas Urbano Arquitetônicos, mas também por especialistas em desenvolvimento, gestão e direção de projetos.

A formação nestas duas visões complementares não só prepara ao aluno em sua vida profissional futura para integrar equipes interdisciplinares, esta especialização também admite a estudantes de todas as disciplinas interessados em fazer parte de equipes de gestão de projetos vinculados com a intervenção urbana da cidade.

O desenvolvimento do programa acontece a partir dos conceitos básicos de gestão de projetos, que se enunciam nos padrões de competências em conhecimentos estabelecidos pelas principais instituições internacionais (Associação de Gestão de Projetos, AGPA, membro do IPMA), para desta maneira introduzir os interessados no mundo globalizado dos projetos.

A quem é dirigido

O programa de Gestão de Projetos de Arquitetura e Urbanismo está dirigido para todos os interessados em fazer parte de equipes interdisciplinares de gestão de projetos que intervêm morfologicamente na cidade.

Estas equipes são integradas por profissionais de três setores, Universidade, Governo e Iniciativa privada, e foi pensando em todos estes é que se desenvolveu a presente especialização.

A partir da composição da estrutura acadêmica dos conteúdos, considerou-se a incorporação de estudantes de todas a áreas, de maneira que houve o especial cuidado para desenvolver textos de leitura e estudo que não demandem formação especializada prévia no tema.

O presente programa está dirigido a estudantes com ou sem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, mas, ao invés disso, com interesse na gestão de projetos com estas características, para aplicá-los responsavelmente no campo da docência e da pesquisa em projetos urbano-arquitetônicos e/ou no âmbito profissional.

Titulação

A conclusão com sucesso do Programa permitirá que você obtenha a titulação do Gestão de Projetos de Arquitetura e Urbanismo.

Após a conclusão com êxito do Programa, o aluno receberá o diploma emitido pela Universidade em que se matriculou.

Estrutura do Programa

A duração estimada para a realização do programa de Gestão de Projetos de Arquitetura e Urbanismo é de 350 horas (35 créditos)1.

Sobre a distribuição do tempo, fica estabelecido que:

  • Por ser um programa a distância e não estar sujeito a aulas presenciais, não se estabelece uma data específica de início, desta maneira, o aluno pode formalizar a matrícula em qualquer momento, sempre que houver vagas disponíveis.
  • Por motivos acadêmicos e de aprendizagem, o programa dispõe de uma duração mínima de seis meses.
  • O tempo máximo para concluir o programa é de um ano. Neste período de tempo, o aluno deve entregar todas as avaliações correspondentes às disciplinas e o Estudo e Resolução de Caso, no caso da Especialização, o Trabalho Final.

A estrutura de créditos do Programa de Gestão de Projetos de Arquitetura e Urbanismo é apresentada tabela abaixo:

  CRÉDITOSa DURAÇÃOb HORAS
1ª Parte:Disciplinas 25 9 250
2ª Parte: Trabalho Final de Curso 10 3 100
TOTAL 35 12 350

a. O número de créditos pode variar de acordo com a Universidade que emite o título. Um (1) crédito ECTS (European Credit Transfer System) equivale a 10 + 15 horas.{/1} Se o aluno cursa o programa matriculado em uma universidade não pertencente ao Espaço Europeu do Ensino Superior (EEES), a relação entre créditos e horário pode variar. 
b. Duração em meses

Objetivos

Objetivos geral:

  • Formar especialistas em gestão de projetos de intervenção urbana, considerando que o produto arquitetônico resultante da gestão tem um impacto direto na vida das pessoas, o que acentua o conceito de responsabilidade social.

Objetivos específicos:

  • Determinar os principais agentes/áreas que intervém na gestão do espaço público e suas relações, de um enfoque urbano arquitetônico.
  • Estabelecer os conhecimentos básicos para a elaboração e gestão de projetos.
  • Fornecer as ferramentas conceituais definidas a partir do exercício profissional, para todos os participantes de todas as profissões, na gestão de projetos urbanos arquitetônicos.
  • Abordar novos conceitos que influem na intervenção urbana, destacando o papel do Estado, e todas as disciplinas que devem interagir na gestão de projetos.
  • Formar especialistas responsáveis com o meio ambiente e toda a sociedade.

Saídas Profissionais

Algumas das saídas profissionais do Programa em Gestão de Projetos de Arquitetura e Urbanismo são:

  • Integrando departamentos de gestão e gerenciamento de projetos.
  • Integrando setores de arquitetura e urbanismo pertencentes a governos.
  • Como consultores de intervenção no espaço público.
  • Em equipes interdisciplinares de projeto urbano arquitetônico.
  • Em estudos de arquitetura e urbanismo.
  • Como pesquisadores no campo da concepção arquitetônica.
  • Como pesquisadores de impacto urbano.

Plano de estudos

O programa de Gestão de Projetos de Arquitetura e Urbanismo é composto de 9 disciplinas, e, no caso da Especialização, de um Trabalho Final de Curso

As disciplinas permitem a compreensão e o conhecimento geral do processo de gestão de projetos urbano-arquitetônicos.

É importante destacar que as 9 disciplinas que integram o programa foram desenvolvidas a partir dois enfoques, a gestão de projetos e a arquitetura enquanto elemento principal da intervenção Urbana, para não só formar a interessados em desenho, mas, também, para todos aqueles que desejam fazer parte de equipes de trabalho na gestão de projetos.

As disciplinas e as horas correspondentes à primeira parte do curso são apresentadas na tabela abaixo:

  • 2ª Parte: Trabajo Final

No caso da Especialização, a última fase do programa destina-se à elaboração do Trabalho Final de Especialização.

DISCIPLINAS HORAS
Trabajo Final 100

Descrições dos Cursos

As disciplinas que compõem o Programa de Estudos, são independentes e, ao mesmo tempo, estão estruturadas seguindo uma ordem pedagógica coerente. Cada uma se divide em unidades temáticas básicas ou capítulos, cujo conteúdo inclui material impresso que deve ser estudados para responder satisfatoriamente as diversas atividades de avaliação.

1ª PARTE: DISCIPLINAS

  1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PROJETOS

    A gestão/gerência de projetos é a administração de todos os recursos necessários para o desenvolvimento do mesmo. Esta disciplina introduz o tema de forma geral, abrangendo, entre outros, os seguintes temas: conceitos gerais da gestão de projetos e de tipologias de projetos, fases do projeto e ciclo de vida do projeto

    GESTÃO E GERÊNCIA DE PROJETOS
    INTRODUÇÃO GERAL E TEÓRICA
    CONCEITOS GERAIS DA GESTÃO DE PROJETOS E TIPOLOGIAS DE PROJETOS
    FASES E O CICLO DE VIDA DO PROJETO
  2. INTER-RELAÇÕES ENTRE URBANISMO E ARQUITETURA

    A disciplina ocupa-se com a análise dos diferentes enfoques que surgem das escalas de análise e intervenção disciplinar da arquitetura, o desenho urbano e o urbanismo; analisa as particularidades de cada uma delas, suas diferenças, seus pontos em comum e seus pontos complementares, orientando para a necessidade de sua integração para a ação profissional no espaço urbano, contribuindo a uma melhor qualidade de vida da população.

    ENFOQUES DO URBANISMO, O DESENHO URBANO E A ARQUITETURA
    ESCALA DE INTERVENÇÃO URBANÍSTICA
    ESCALA DE INTERVENÇÃO DO DESENHO URBANO
    ESCALA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICA
    O PERFIL PROFISSIONAL NAS DIFERENTES ESCALA DE INTERVENÇÃO
    A GRAVITAÇÃO DOS COMPONENTES TERRITORIAIS, SOCIAIS, ECONÔMICOS E POLÍTICOS
  3. TEORIA DO PROJETO URBANO-ARQUITETÔNICO

    A disciplina introduz o conceito de "projeto" na atuação profissional da arquitetura, do desenho urbano e do urbanismo, associando-o e diferenciando-o dos processos de pesquisa e desenho. Inclusão das dimensões social, ambiental, econômica e política no projeto urbano e arquitetônico. Introdução à formulação, gestão e direção de projetos urbanos e arquitetônicos. Conceitos gerais sobre Sistemas e Teoria Geral de Sistemas, com o objetivo de proporcionar uma ferramenta para analisar os problemas, conflitos e projetos urbanos e arquitetônicos com uma visão sistêmica orientada à compreensão da diversidade e complexidade da cidade atual.

    O CONCEITO DE "PROJETO" NA ARQUITETURA, O DESENHO URBANO E O URBANISMO
    RELAÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DESENHO E PROJETO
    ARTICULAÇÃO ENTRE PESQUISA, PROCESSO PROJETIVO E INTERVENÇÃO URBANA
    FORMULAÇÃO, GESTÃO E DIREÇÃO DE PROJETOS URBANOS E ARQUITETÔNICOS
    A SOCIEDADE, O AMBIENTE, A ECONOMIA E A POLÍTICA NO PROJETO URBANO E ARQUITETÔNICO
    TEORIA GERAL DE SISTEMAS
    VISÃO SISTÊMICA DA CIDADE E DOS PROJETOS URBANOS E ARQUITETÔNICOS
    O ENFOQUE TERRITORIAL E O ENFOQUE SISTÊMICO NA INTERVENÇÃO URBANA
  4. O MEIO AMBIENTE EM PROJETOS URBANOS E ARQUITETÔNICOS

    A partir da definição de uma série de conceitos ambientais e socioeconômicos básicos, envolvidos no conceito de desenvolvimento sustentável, aprofunda-se nos antecedentes e na problemática ocasionada pelos impactos ambientais das atividades humanas, de uma escala global até a intervenção urbana e arquitetônica, proporcionando uma série de princípios que orienta a ação.

    CONCEITOS AMBIENTAIS BÁSICOS
    O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
    PROBLEMÁTICA AMBIENTAL GLOBAL
    RELAÇÕES COM OS PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO. POR UM CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE
    O AMBIENTE COMO POTENCIAL PRODUTIVO
    DESAFIOS ATUAIS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
    CRITÉRIOS ORIENTADORES DE UM NOVO DESENVOLVIMENTO
  5. IMPACTO DE LA TECNOLOGÍA EN PROYECTOS URBANO ARQUITECTÓNICOS

    Estudar as relações entre novas tecnologias, cidade e desenho arquitetônico é um tema inadiável para os profissionais e pesquisadores envolvidos no planejamento e gestão de projetos urbanos e arquitetônicos.

    Ocupa-se em analisar como as inovações tecnológicas têm força transformadora, tanto nas relações socioeconômicas quanto na forma urbana, e como elas manifestam-se nas cidades e no modo em que arquitetos, urbanistas e gestores elaboram seus projetos urbanísticos e arquitetônicos.

    Aponta-se para uma busca de respostas sociais às transformações que as novas tecnologias trazem para os modos de viver nas cidades, incluindo-as como elementos de desenho.

    IDENTIFICAÇÃO DE IMPACTOS: MATRIZES CAUSA-EFEITO (MATRIZES DE IMPACTO), MATRIZES ESCALONADAS E OUTROS MÉTODOS DE IDENTIFICAÇÃO DE IMPACTOS
    AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DOS IMPACTOS
    MEDIDAS CORRETORAS E PREVENTIVAS
    ANÁLISE DE PROJETOS URBANOS E ARQUITETÔNICOS E DE SUAS ALTERNATIVAS TECNOLÓGICAS
    MÉTODOS PARA A PREVISÃO DOS EFEITOS QUE AS TECNOLOGIAS APLICADAS GERARÃO
  6. MARKETING DA CIDADE

    Esta disciplina traz ferramentas para que o aluno possa identificar elementos distintivos ou representativos de uma cidade ou ferramentas de marketing de cidades; entendido este último conceito como um conjunto de atividades e uma série de produtos e/ou serviços da cidade pensada para satisfazer necessidades de diferentes públicos (públicos internos e externos), criando e potencializando sua demanda.

    Para isto, serão analisados instrumentos de comunicação, publicidade e promoção, bem como o processo de tomada de decisões dos diferentes agentes sociais (sociais, econômicos e políticos); e, por outra parte, o conhecimento das características do modelo urbano que deseja a própria cidadania.

    O MERCADO, A VENDA E O SISTEMA DE OPERAÇÕES
    IMAGEM, PERSONALIDADE E POSICIONAMENTO DO PROJETO URBANO E ARQUITETÔNICO
    A DIMENSÃO PRODUTO-MERCADO NO MARKETING DE CIDADES
    COMUNICAÇÃO DO PROJETO
    ELABORAÇÃO DE UM PLANO ESTRATÉGICO DE MARKETING PARA UM PROJETO URBANO E ARQUITETÔNICO
  7. A FUNÇÃO DO ESTADO

    Introduz-se na análise dos diferentes papéis que o Estado pode cumprir nas ações de intervenção urbana e arquitetônica, desempenhando funções de empreendedor, financeiro, promotor ou regulador, e as consequentes relações com o setor privado. Do mesmo modo, analisam-se as responsabilidades do profissional em relação às funções do Estado nas ações urbanísticas e arquitetônicas.

    PAPÉIS DO ESTADO NOS PROJETOS URBANOS E ARQUITETÔNICOS
    AS POLÍTICAS URBANAS
    O REGULAMENTO ESTATAL DAS ATIVIDADES ARQUITETÔNICAS
    INSTRUMENTOS DO ESTADO NA GESTÃO URBANA
    OS PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS DOS DIFERENTES NÍVEIS DO ESTADO
    AS RESPONSABILIDADES DO SETOR PRIVADO EM RELAÇÃO AO ESTADO
    A FUNÇÃO PROFISSIONAL NA GESTÃO ESTATAL
  8. COMPONENTES CONTEXTUAIS DO PROJETO: ECONÔMICOS, SOCIAIS, INSTITUCIONAIS E CULTURAIS

    A disciplina abordará as mudanças contextuais de diferentes tipos: econômicos, sociais, institucionais, culturais, etc., que afetam o desenho e desenvolvimento de um projeto urbano e arquitetônico.

    Analisam-se as relações entre a sociedade, o Estado e os eixos produtivos, as relações do mercado local com o mercado global e o papel de alguns agentes-chave da sociedade para, a partir de seu conhecimento, trabalhar os fatores condicionantes e suas relações dentro do desenho e desenvolvimento de projetos a fim de poder intervir neles de maneiras diferentes.

    Cada um dos campos analisados permitirá ao aluno gerar distintas linhas de trabalho em um projeto e um enfoque integrador do problema tratado.

    ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE UMA PROBLEMÁTICA DE INTERESSE EM RELAÇÃO A SEUS CONTEXTOS LOCAL, NACIONAL E INTERNACIONAL
    AS POLÍTICAS SOCIAIS E AS POLÍTICAS URBANAS E ARQUITETÔNICAS
    ASPECTOS POLÍTICOS, ECONÔMICOS, CULTURAIS DO PROJETO URBANO E ARQUITETÔNICO
    DEMANDA SOCIODEMOGRÁFICAS. EXCLUSÃO SOCIAL. DIVERSIDADE CULTURAL
  9. PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO URBANO E ARQUITETÔNICO

    Essa disciplina tem como objetivo destacar os objetos produzidos por uma comunidade que se constituem bens urbanos de valor patrimonial. Quando falamos de bens, referimo-nos ao patrimônio tangível, incluindo nele também os espaços públicos (com diferentes graus de intervenção humana) que cumprem funções ambientais e de recreação.

    Trabalha-se a identificação do sistema cultural da cidade e a localização dos elementos arquitetônicos com dimensão histórica, estudando a inter-relação dos bens culturais nas distintas escalas em que se inserem e com os processos e agentes que os afetam em cada uma.

    Busca-se que o aluno adquira capacidade para integrar os problemas técnicos, culturais e/ou socioeconômicos na prática da conservação dos bens culturais.

    DEFINIÇÃO DE BEM URBANO DE VALOR PATRIMONIAL
    IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA CULTURAL DA CIDADE
    IDENTIFICAÇÃO DE ELEMENTOS ARQUITETÔNICOS COM DIMENSÃO HISTÓRICA
    TEORIAS DE BASE DE DIFERENTES PRÁTICAS DE INTERVENÇÃO: DEFINIÇÕES E EXEMPLOS DE CONSERVAÇÃO, PRESERVAÇÃO, RESTAURAÇÃO, RECUPERAÇÃO, REFUNCIONALIZAÇÃO, POSTA EM VALOR, RECICLAGEM

2ª PARTE: TRABAJO FINAL

No caso da Especialização, a última fase do programa destina-se à elaboração do Trabalho Final de Especialização.


1. A equivalência em créditos pode variar de acordo com a universidade que titula.

Nota: O conteúdo do programa acadêmico pode ser submetido a modificações em função de atualizações ou melhorias efetuadas.

Direção

  • Dr. Roberto M. Álvarez. Doutor em Engenharia de Projetos: Ambiente, Qualidade e Prevenção. Mestrado em Gestão de Projetos e Desenho pelo Politécnico de Milão, Itália. Arquiteto. Professor da Universidade de Buenos Aires, Argentina. Presidente da AGP, membro do IPMA
  • Dr. Luis Dzul López. Doutor em Engenharia de Projetos: Ambiente, Qualidade e Prevenção. Engenheiro civil. Especialista em projetos de cooperação internacional. Professor da Universidade Internacional Ibero-americana.
  • Dr. Eduardo Garcia Villena. Doutor em Engenharia de Projetos: Ambiente, Qualidade e Prevenção. Mestrado em Engenharia Ambiental e Tecnologia. Engenheiro industrial.

Professores e Autores

  • Dra. Izol Marez. Doutora em Arquitetura. Professora da Universidade Internacional Ibero-americana.
  • Dr. Alberto Vera. Doutor em Integração e Desenvolvimento Econômico e Territorial. Arquiteto. Professor de Gestão Ambiental Urbana, Universidade Nacional de Lanús, Argentina.
  • Dra. Martha Velasco. Doutora em Projetos de Inovação Tecnológica. Especialista em Gestão de Projetos. Mestre em Gestão e Engenharia Industrial. Pesquisadora em Desenvolvimento Sustentável e Compromisso Social. Professora da Universidade Internacional Ibero-americana.
  • Dr. Miguel Ángel López Flores. Doutor em Engenharia de Projetos: Ambiente, Qualidade e Prevenção. Professor Pesquisador no Instituto Politécnico Nacional do México.
  • Dr. Arturo Ortega. Doutor em Engenharia Eletrônica. Engenheiro de Telecomunicações. Diretor de PD&I na FUNIBER.
  • Dr. Benjamín Otto Ortega Morales. Doutor em Ciências com especialização em Microbiologia. Diretor-Geral de Pós-Graduação e Pesquisa na Universidade Autônoma de Campeche.
  • Dr. Fermín Ferriol Sánchez. Doutor em Ciências da Educação da Universidade de Havana. Professor da Universidade Internacional Ibero-americana.
  • Dr. Antonio Eduardo Fuenzalida. Doutor em Ciências do Exercício. Professor da Universidade Santo Tomas, Santiago, Chile.
  • Dr. Eduardo García Villena. Doutor em Engenharia de Projetos: Ambiente, Qualidade e Prevenção. Engenheiro industrial.
  • Dra. Brenda Bravo. Doutor em Engenharia de Projetos: Ambiente, Qualidade e Prevenção. Professor da Universidade Metropolitana do México.
  • Dr. Victor Jiménez. Doutor em Engenharia de Projetos: Ambiente, Qualidade e Prevenção. Professor da Universidade Metropolitana do México.
  • Dr. Héctor Solano. Doutor em Engenharia de Projetos: Ambiente, Qualidade e Prevenção. Professor da Universidade Internacional Ibero-americana.
  • Dra. Izel Márez. Doutora em Engenhariade Proyectos. Mestre em Gestão e Auditorias Ambientais.
  • Dr. Roberto M. Álvarez. Doutor em Engenharia de Projetos: Ambiente, Qualidade e Prevenção. Mestre em Gerenciamento de Projetos e Desenho pelo Politécnico de Milão, Itália. Professor na Universidade de Buenos Aires, Argentina. Diretor da Fundação Universitaria Iberoamericana (FUNIBER) Argentina e Uruguai.
  • Dr. Luis Dzul López. Doutor em Engenharia de Projetos: Ambiente, Qualidade e Prevenção. Especialista em elaboração de projetos de cooperação internacional. Professor da Universidade Internacional Ibero-americana.
  • Dr. Santos Gracia Villar. Doutor em Engenharia de Projetos. Engenheiro industrial. Especialista em Projetos de Cooperação Internacional.
  • Dra. Olga Capó Iturrieta. Doutora em Engenharia de Projetos: Ambiente, Qualidade e Prevenção. Engenharia Civil Industrial. Responsável pela Área de Projetos do Instituto de Pesquisas Agropecuárias (INIA), Chile.
  • Dr. José Rodríguez. Doutor em Engenharia Civil. Engenheiro civil. Responsável pela Área de Gestão Ambiental da FUNIBER-Peru.
  • Dr. Lázaro Cremades. Doutor em Engenharia Química. Professor de Engenharia de Projetos da Universidade Politécnica da Catalunha.
  • Dra. Margarita González. Doutora em Engenharia Química. Professora de Engenharia de Projetos da Universidade Politécnica da Catalunha.
  • Dr. José Cortizo Álvarez. Professor Titular do Departamento de Engenharia Mecânica, Informática e Aeroespacial na Universidade de León, Espanha.
  • Dr. Manuel Castejón Limas. Professor Titular do Departamento de Engenharia Mecânica, Informática e Aeroespacial na Universidade de León, Espanha.
  • Dr (c). Gregorio Urriola. Professor da Universidade das Américas no Panamá. Especialista em Cooperação Internacional.
  • Dr (c) Lina Pulgarín Osorio. Licenciada em Gestão Ambiental. Mestre em Gestão Integrada: Prevenção, Qualidade e Meio Ambiente.
  • Dr (c). Diego Kurtz. Mestre em Engenharia e Gestão do Conhecimento.
  • Dr (c). Marcelino Diez. Especialista e Mestre em Gerenciamento de Projetos. Certificado pelo Project Management Institute (PMI) como Gerente Profissional de Projetos.
  • Dr (c). Nelson Yepes. Engenheiro industrial. Especialista em Gestão Financeira e Mestre em Design, Gestão e Direção de Projetos.
  • Dra (c). Silvana Marín Garat. Economista. Mestre em Desenvolvimento Sustentável. Experiência profissional em empresas de desenvolvimento de projetos com o exterior e consultoria em Comércio Exterior.
  • Dr (c). Pablo Urquizó. Engenheiro de computação. Mestre em Gestão Estratégica em TIC. Experiencia como Diretor e Consultor em Informática e Tecnologias da Informação, criação de Sistemas e Webmaster.
  • Dr (c). Santiago Brie. Licenciado em Gestão Ambiental Urbana. Mestrado em Design, Gestão e Direção de Projetos. Professor na Universidade Nacional de Lanús. Argentina.

Bolsa de Trabalho

A Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) destina periodicamente uma partida econômica com caráter extraordinário para o oferecimento de Bolsas de estudo em Formação FUNIBER. 

Para solicitá-la, preencha o formulário de solicitação de informação que aparece no portal FUNIBER ou entre em contato diretamente com a sede da fundação em seu país para saber se é necessário proporcionar alguma informação adicional.

Uma vez finalizado o Programa Acadêmico, os alunos que assim o desejarpoderão ingressar na Bolsa de Trabalho Ambiental. Para isso, deverãoremeter currículum vitae, indicando dados pessoais, acadêmicose de experiência profissional. Assim, o aluno estará informado dasofertas de trabalho que venham a surgir e que se ajustem a seu perfilprofissional.