Mestrado em Projetos de Arquitetura e Urbanismo

Apresentação do Programa

A área de Projetos na atualidade tem grande lugar no desenvolvimento profissional de executivos das mais variadas profissões, pois todos participam, em diferentes níveis de liderança, do desenvolvimento e implementação de um projeto.

A área de Arquitetura e Urbanismo em conjunto é, sem lugar a dúvida, a que historicamente maior desenvolvimento e aplicação teve desde sua própria concepção. Daí a necessidade de desenvolver um programa que atenda às exigências profissionais atuais, especializado em projetos Urbanos e Arquitetônicos.

Devido a isto, o Mestrado em Desenvolvimento de Projetos de Arquitetura e Urbanismo estrutura-se sob um esquema formador inovador para a área, pois não só percorre em paralelo as três áreas clássicas do mundo dos projetos (Desenho, Gestão e Direção), mas vai além em sentido transversal com os cinco eixos temáticos relevantes da área:

  • Análise e teoria da Arquitetura e Urbanismo.
  • Desenvolvimento metodológico de projetos.
  • Implementação e gestão de projetos.
  • Tecnologias aplicadas a projetos de Arquitetura e Urbanismo.
  • O meio ambiente em projetos de Arquitetura e Urbanismo.

Permitindo desta maneira uma formação altamente especializada na área, a partir de todos os enfoques necessários para um correto desempenho profissional no âmbito privado e/ou em áreas de governo.

Finalmente, é importante destacar que a superposição dos 5 eixos temáticos mencionados, com as três áreas clássicas de projeto e a combinação de teoria e prática de aplicação imediata, forma um programa educacional focalizado em reforçar capacidades, habilidades e conhecimento para:

  • Desenhar um projeto;
  • Administrar sua projeção do início à reflexão post-mortem; e
  • Dirigir todos os recursos humanos individuais, coletivos e técnicos para os fins do projeto e os interesses dos envolvidos.

A quem é dirigido

Mestrado em Projetos de Arquitetura e Urbanismo é dirigido a profissionais com notável interesse no crescimento urbano ordenado e na modificação física da cidade, por meio de todas as suas intervenções e, por conseguinte, com um alto compromisso ético e social.

A rigorosa exigência do Mestrado forma profissionais para desempenhar cargos executivos em empresas e governos, com um conhecimento definitivo para a administração de todas as áreas e recursos intervenientes em projetos de Arquitetura e Urbanismo; a cidade e seus espaços, e com um interesse muito particular: desenvolver-se no mundo dos projetos que fazem a modificação física da cidade, por meio de projetos urbanos e arquitetônicos.

Titulação

A conclusão com sucesso do Programa permitirá que você obtenha a titulação do Mestrado em Projetos de Arquitetura e Urbanismo.

Após a conclusão com êxito do Programa, o aluno receberá o diploma emitido pela Universidade em que se matriculou.

Estrutura do Programa

A duração estimada do programa Mestrado em Projetos de Arquitetura e Urbanismo é de 900 horas (90 créditos)a.

Em relação à distribuição do tempo, estabelece-se que:

  • Por ser um Programa a distância e não estar sujeito a aulas presenciais, não se estabelece uma data específica de início, daí o aluno poder formalizar a matrícula a qualquer momento, sempre que houverem vagas.
  • Por motivos acadêmicos e de aprendizagem, dispõe-se de uma duração mínima do Programa de vinte e um meses, contabilizados da data de entrega do primeiro volume até a data de recebimento da última atividade avaliada.
  • O tempo máximo de que se dispõe para realizar o Programa é de vinte e quatro meses. Nesse período de tempo, o aluno tem de ter superado com êxito todas as atividades avaliadas, e aprovado o Projeto Final de Mestrado ou Dissertação.

A estrutura de créditos do programa de Mestrado em Projetos de Arquitetura e Urbanismo está na seguinte tabela.

NOTA: é de destacar que a duração é meramente de orientação, pois a metodologia seguida desenvolve-se mediante o estudo em paralelo das três áreas com exercícios integradores e avaliações teóricas, as quais exigem grande disciplina para seguir e correta administração do tempo por parte do aluno.

  CRÉDITOSa DURAÇÃOb HORAS
1ª Parte: Desenho de Projetos de Arquitetura e Urbanismo 27 7 270
2ª Parte: Gestão de Projetos de Arquitetura e Urbanismo 25 8 250
3ª Parte: Direção de Projetos de Arquitetura e Urbanismo 28 6 280
4ª Parte: Projeto Final de Mestrado ou Dissertação 10 3 100
TOTAL 90 24 900

a. A equivalência em créditos pode variar de acordo com a universidade que titula
b. Duração em meses

Objetivos

O programa de Mestrado em Projetos de Arquitetura e Urbanismo articula fundamentos teóricos que permitem um desenvolvimento conceitual de cada tema, e exercício prático e metodológico com todo rigor próprio vivido no seio do desenvolvimento de um projeto.

Claramente, pode-se advertir, então, que não só se formam profissionais da teoria e da prática, mas também se treina e exercita para a aplicação na vida real.

É exatamente este o objetivo principal: não só formar profissionais da teoria, mas sim, a partir desta e da prática, pô-los ao ritmo dos tempos atuais na tomada de decisões e aplicação de soluções a problemas específicos da vida real.

Os objetivos estruturais do Mestrado são:

Objetivo geral

Formar profissionais com um alto compromisso social, ético e com visão global do que significa a intervenção em uma cidade. Contribuindo com metodologias específicas para trazer soluções a problemas urbanos e arquitetônicos, permitindo redesenhar os espaços físicos que ocupa o homem na vida atual.

Objetivos específicos

  • Desenhar um projeto, entendendo por desenhar o treinar a criatividade para a solução de problemas e conflitos aos quais atender com o projeto.
  • Administrar projetos de Arquitetura e Urbanismo de um enfoque complementar (visão sistêmica e global), entendendo claramente a relação e incumbências de ambas as áreas, e incorporando o conceito do ciclo de vida de um projeto e do produto resultante.
  • Elevar o perfil da Direção de Projetos de Arquitetura e Urbanismo, não só por meio do ajuste das habilidades diretoras, mas dando um amplo conhecimento ao diretor das áreas de impacto que se devem administrar ao realizar uma intervenção urbana.
  • Incorporar o conceito de desenho urbano, considerando que a intervenção urbana pode supor grandes escala territoriais, com um alto impacto ambiental.
  • Conhecer e fazer uso de metodologias adequadas para o desenho de soluções projetivas, atendendo à sequência lógica de avanço e avaliação contínua para a gestão e administração de todos os recursos comprometidos respondendo aos padrões internacionais do Management (Associação Espanhola de Engenharia de Projetos, AEIPRO ou o Project Management Institute, PMI).

Saídas Profissionais

Algumas das saídas profissionais do programa Mestrado em Projetos de Arquitetura e Urbanismo são:

  • Diretores de projetos/consultores.
  • Diretores de estudos/departamentos de projeto.
  • Diretores de escritórios de governo, de Arquitetura e Urbanismo.
  • Consultores em Urbanismo.
  • Gestores de projetos de alto impacto na cidade.
  • Pesquisadores no campo da ciência de projetos e do trabalho profissional no campo de projetos de Arquitetura e Urbanismo.

Plano de estudos

O programa de Mestrado em Projetos de Arquitetura e Urbanismo possui uma estrutura curricular baseada em 4 partes formativas:

  • 1ª PARTE: DESENHO DE PROJETOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

A parte correspondente a Desenho de Projetos de Arquitetura e Urbanismo permite introduzir metodologias completas de trabalho para desenvolver eficientemente um projeto urbano e arquitetônico, contemplando todos os recursos disponíveis e todos os impactos que o projeto possa causar na cidade.

As disciplinas e as horas correspondentes que compõem o presente módulo são mostradas na seguinte tabela:

Estas disciplinas, apesar de ser independentes, são complementares e estão estruturadas no avanço dos estudos, segundo uma ordem pedagógica coerente. Cada uma divide-se em unidades temáticas básicas ou capítulos, relacionadas diretamente com um ou mais de um exercício prático, incluindo material de apoio teórico e acompanhamento personalizado por parte do tutor da área. Devido ao fato de que a etapa de desenvolvimento/desenho de projeto permite correções, ao aluno, até último momento, não se poderá aprovar por disciplina, mas sim se aprova quando chegado ao final por módulo completo, qualificando nesse momento cada uma das disciplinas.

  • 2ª PARTE: GESTÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

A segunda parte de Gestão de projetos de Arquitetura e Urbanismo, desenvolve todas as áreas componentes da Gestão de um Projeto tradicional, mas focalizando muito a temática do programa e o alcance dessas temáticas; ou seja: a administração de todos os recursos intervenientes no desenvolvimento de um projeto urbano e arquitetônico.

Se pretende dar así una visión profunda y totalizadora de todos los temas posibles y recursos a administrar en el momento de gestar y ejecutar un proyecto de impacto en la ciudad y en la sociedad, y poner en conocimiento del alumno todas las herramientas que actualmente existen en el mercado para llevar a cabo esta actividad. A segunda parte traz o conhecimento para estabelecer as relações entre os padrões formativos estabelecidos pelo IPMA, a AEIPRO e o PMI e a especialização em Arquitetura e Urbanismo.

As disciplinas e as horas correspondentes que compõem a segunda parte são mostradas na seguinte tabela:

Estas disciplinas, apesar de serem independentes, estão estruturadas segundo uma ordem pedagógica coerente. Cada uma divide-se em unidades temáticas básicas ou capítulos, cujo conteúdo inclui material impresso que deve ser estudado para responder satisfatoriamente às diversas atividades de avaliação.

  • 3ª PARTE: DIREÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

A terceira parte, Direção de Projetos de Arquitetura e Urbanismo, desenvolve temas relacionados exclusivamente com a atividade do diretor de projeto específico da área, destacando suas responsabilidades e incumbências em cada área em que participa, do Estado/Governo até as próprias etapas e tarefas de um projeto, algumas próprias da gestão (início, planejamento e desenho, execução e controle, e encerramento e post-mortem) e outras de índole estratégica, para cobrir temas de programas e de impacto do projeto na cidade.

As disciplinas e as horas correspondentes que compõem a terceira parte se mostram na seguinte tabela:

Estas asignaturas, a pesar de ser independientes entre sí, están estructuradas según un orden pedagógico coherente. Cada una se divide en unidades temáticas básicas o capítulos, cuyo contenido incluye material impreso que debe estudiarse para responder satisfactoriamente las diversas actividades de evaluación.

  • 4ª PARTE: PROJETO FINAL DE MESTRADO OU DISSERTAÇÃO

Pela natureza metodológica proposta, o Projeto Final de Mestrado é a extensão natural de um projeto realizado pelo aluno ao longo do programa de Mestrado em Desenvolvimento de Projetos de Arquitetura e Urbanismo, mas com um forte aporte teórico e de pesquisa no tema escolhido.

O Projeto Final de Mestrado ou Dissertação, cuja carga letiva é de 100 horas, tem como objetivo apresentar um trabalho completo que mostre o desenvolvimento total de um projeto, dando assim resposta a uma hipótese de partida, proposta pelo aluno.

4ª PARTE: PROJETO FINAL DE MESTRADO OU DISSERTAÇÃO
# DISCIPLINAS HORAS
1 Projeto Final de Mestrado ou Dissertação 100
TOTAL 100

Descrições dos Cursos

1ª PARTE: DESENHO DE PROJETOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

  1. INTRODUÇÃO A PROJETOS

    A presente disciplina introduz no marco teórico e, de maneira geral, em conceitos de "Projeto", como: fases do projeto, sistemas em projetos, o trabalho colaborativo e a gestão do conhecimento para o êxito do projeto, o desenho de projetos. Para poder estabelecer uma base de conhecimentos propícia para o desenvolvimento das disciplinas seguintes.

    INTRODUÇÃO GERAL E TEÓRICA
    AS FASES DO PROJETO
    SISTEMAS EM PROJETOS
    O TRABALHO COLABORATIVO E A GESTÃO DO CONHECIMENTO PARA O ÊXITO DO PROJETO
  2. DESENHO DE SISTEMAS PROJETIVOS

    Traz conceitos relacionados à identificação do cenário do projeto, os fatores que condicionarão a solução, a exposição do Problema Técnico, a formulação dos objetivos, os critérios com os quais se avaliará o êxito do projeto, bem como a identificação e análise de todas as pessoas e coisas envolvidas na resolução do problema, entendidas como peças fundamentais na trilogia homem – sistema artificial – ambiente.

    CENÁRIO DO PROJETO
    PROBLEMA TÉCNICO
    PESSOAS E COISAS ENVOLVIDAS NA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA
  3. ANÁLISE DOS SERVIÇOS A PRESTAR

    O presente tema desenvolve, estuda e determina as condições de fornecimento e abastecimento entre as necessidades dos clientes e o que a ciência e a engenharia contribuiriam como solução, considerando a esta solução como o projeto em si mesmo, exigindo definir o serviço "desejado" a obter como resultante do projeto.

    ANÁLISE DO FORNECIMENTO E DO ABASTECIMENTO
    O SERVIÇO DESEJADO E AS CONDIÇÕES DE PRESTAÇÃO
  4. ANÁLISE FUNCIONAL NO PROJETO

    Durante o desenvolvimento da presente disciplina, pretendemos determinar as funções técnicas e de serviços a satisfazer, pelo projeto que estamos desenhando, por meio de "ferramentas conceituais" como a árvore de funções de serviço, a proposta do sistema projeto, a análise do valor e qualidade na fase de desenho.

    ÁRVORE DE FUNÇÕES DE SERVIÇO
    PROPOSTA DO SISTEMA PROJETO
    ANÁLISE DO VALOR E QUALIDADE NA FASE DE DESENHO
  5. A ERGONOMIA NO PROJETO

    Esta disciplina centra-se em compreender o papel das pessoas em suas atividades e usos, na solução de um projeto e sua relação com outras pessoas e com máquinas, para o qual se estabelece uma classificação de usuários, medidas de segurança, etc.

    O ESTADO DO BEM-ESTAR DOS USUÁRIOS DO SISTEMA E SUAS LIMITAÇÕES
    ERGONOMIA E SEGURANÇA DO SISTEMA
  6. SEGURANÇA E CONFIABILIDADE NO PROJETO

    A presente disciplina percorre temas relacionados à compreensão de aspectos de segurança e viabilidade de uma solução de projeto contemplando seus estados de vida, seu ciclo de vida, o nível de sistema e de seus componentes, incluindo as pessoas, as máquinas e suas relações.

    SEGURANÇA, RISCO E CONFIABILIDADE
    SEGURANÇA INDUSTRIAL, ORGANIZACIONAL E NORMATIVA
    NORMAS E PADRÕES DE SEGURANÇA
    TIPOS DE RISCO, CLASSIFICAÇÃO E GERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS
    CONFIABILIDADE E CONFIANÇA
  7. O MEIO AMBIENTE NO PROJETO

    Por meio do estudo de sustentabilidade no projeto, ecodesenho, impacto ambiental e análise de ciclo de vida, que são os temas aprofundados nessa disciplina, pretendemos compreender o ambiente de uma solução de projeto em seus estados de vida, seu ciclo de vida, o nível de sistema e de seus componentes.

    SUSTENTABILIDADE NO PROJETO
    ECODESENHO
    IMPACTO AMBIENTAL
    ANÁLISE DE CICLO DE VIDA
  8. AS ESPECIFICAÇÕES NO PROJETO

    Esta disciplina permitirá aprender a detalhar, especificar e explicar o funcionamento, detalhe e constituição da potencial solução contribuída por um projeto.

    CONFIABILIDADE NO FORNECIMENTO
    ÁRVORE DE FALHAS
    ESPECIFICAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DO PROJETO
  9. ELABORAÇÃO DO ANTEPROJETO

    Esta disciplina, por meio de temas como ferramentas de especificação, documentação, elaboração da proposta de projeto, ajudará a compreender a importância da gestão como passo ulterior ao desenho e ser capaz de gerar uma proposta de gestão viável e sustentável.

    FERRAMENTAS DE ESPECIFICAÇÃO
    DOCUMENTAÇÃO
    ELABORAÇÃO DA PROPOSTA DE PROJETO

2ª PARTE: GESTÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

  1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PROJETOS

    A gestão/gerência de projetos é a administração de todos os recursos necessários para o desenvolvimento do projeto. A presente disciplina introduz no tema de forma geral e abrange, entre outros, os seguintes temas: conceitos gerais da gestão de projetos e de tipologias de projetos, fases do projeto e ciclo de vida do projeto.

    GESTÃO E GERÊNCIA DE PROJETOS
    INTRODUÇÃO GERAL E TEÓRICA
    CONCEITOS GERAIS DA GESTÃO DE PROJETOS E DE TIPOLOGIAS DE PROJETOS
    FASES DO PROJETO E CICLO DE VIDA DO PROJETO
  2. PLANEJAMENTO E GESTÃO DE PROJETOS

    O planejamento e a gestão de projetos encontram-se estreitamente vinculados, já que é impossível pensar em gestão sem que esta seja planejada. Para isto, é necessário ter alguns conceitos, Desenvolvimento do Plano do projeto e controle de suas possíveis mudanças, definição, administração e planejamento do alcance do projeto, escolher e aplicar as técnicas adequadas para produzir um plano de ação.

    INTEGRAÇÃO E ALCANCE DO PROJETO
    DESENVOLVIMENTO DO PLANO DO PROJETO E CONTROLE DE SUAS POSSÍVEIS MUDANÇAS, DEFINIÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DO ALCANCE DO PROJETO
    PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DO PROJETO
    ESCOLHER E APLICAR AS TÉCNICAS ADEQUADAS PARA PRODUZIR UM PLANO DE AÇÃO
    TÉCNICAS ESPECÍFICAS DE PROGRAMAÇÃO, E CORRETA ADMINISTRAÇÃO DOS TEMPOS
  3. INTER-RELAÇÕES ENTRE URBANISMO E ARQUITETURA

    A disciplina ocupa-se com a análise dos diferentes enfoques que surgem das escalas de análise e intervenção disciplinar da arquitetura, o desenho urbano e o urbanismo; analisa as particularidades de cada uma delas, suas diferenças, seus pontos em comum e seus pontos complementares, orientando para a necessidade de sua integração para a ação profissional no espaço urbano, contribuindo a uma melhor qualidade de vida da população.

    ENFOQUES DO URBANISMO, O DESENHO URBANO E A ARQUITETURA
    ESCALA DE INTERVENÇÃO URBANÍSTICA
    ESCALA DE INTERVENÇÃO DO DESENHO URBANO
    ESCALA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICA
    O PERFIL PROFISSIONAL NAS DIFERENTES ESCALA DE INTERVENÇÃO
    A GRAVITAÇÃO DOS COMPONENTES TERRITORIAIS, SOCIAIS, ECONÔMICOS E POLÍTICOS
  4. ACOMPANHAMENTO E CONTROLE DO PROJETO

    Certamente, o trabalho de acompanhamento e controle deva ser o que requer maior compromisso. Por isso que a disciplina apresenta-se a partir do plano geral com temas como: conhecer os fundamentos do controle de projetos e suas ferramentas e metodologias, ao particular, como o controle de recursos técnicos e humanos para assegurar o cumprimento em tempo, qualidade e custos.

    COMUNICAÇÕES E CIRCUITOS DE INFORMAÇÕES
    DESENHO E DESENVOLVIMENTO DE TODOS OS ELEMENTOS CONSTITUTIVOS DA CADEIA DE INFORMAÇÃO
    DESENHO ESTRATÉGICO DO CIRCUITO INFORMATIVO
    REPLANEJAMENTO E CONTROLE DE AVANÇO
    AVALIAÇÃO E ANÁLISE DO AVANÇO PREVISTO DO PROJETO
    MODELOS DE ANTECIPAÇÃO
    CONTROLE DE RECURSOS TÉCNICOS E HUMANOS PARA ASSEGURAR O CUMPRIMENTO EM TEMPO, QUALIDADE E CUSTOS
  5. O MEIO AMBIENTE EM PROJETOS URBANOS E ARQUITETÔNICOS

    A partir da definição de uma série de conceitos ambientais e socioeconômicos básicos, envolvidos no conceito de desenvolvimento sustentável, aprofunda-se nos antecedentes e na problemática ocasionada pelos impactos ambientais das atividades humanas, de uma escala global até a intervenção urbana e arquitetônica, proporcionando uma série de princípios que orienta a ação.

    CONCEITOS AMBIENTAIS BÁSICOS
    O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
    PROBLEMÁTICA AMBIENTAL GLOBAL
    RELACIONE COM OS PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO. PARA O CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE
    O AMBIENTE COMO POTENCIAL PRODUTIVO
    PROVOCAÇÕES ATUAIS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
    CRITÉRIOS ORIENTADORES DE UM NOVO DESENVOLVIMENTO
  6. GESTÃO DA CONFIANÇA: QUALIDADE E RISCO

    A gestão da Confiança centra-se principalmente em avaliar e conhecer os fundamentos da qualidade nos projetos e suas ferramentas e metodologias, aprender a planejar, assegurar e controlar a qualidade, e o risco.

    PLANEJAMENTO DA QUALIDADE
    SEGURANÇA E CONTROLE DE QUALIDADE
    CONTROLE DOS PROCESSOS E DO ALCANCE DE OBJETIVOS EM TEMPO E FORMA
    RESPOSTA CORRETA ÀS NECESSIDADES EXPOSTAS INICIALMENTE
    PLANOS DE QUALIDADE
  7. IMPACTO DA TECNOLOGIA EM PROJETOS URBANOS E ARQUITETÔNICOS

    Estudar as relações entre novas tecnologias, cidade e desenho arquitetônico é um tema inadiável para os profissionais e pesquisadores envolvidos no planejamento e gestão de projetos urbanos e arquitetônicos.

    Ocupa-se em analisar como as inovações tecnológicas têm força transformadora, tanto nas relações socioeconômicas quanto na forma urbana, e como elas manifestam-se nas cidades e no modo em que arquitetos, urbanistas e gestores elaboram seus projetos urbanísticos e arquitetônicos.

    Aponta-se a busca de respostas sociais às transformações que as novastecnologias trazem para os modos de viver nas cidades, incluindo-ascomo elementos de desenho.

    IDENTIFICAÇÃO DE IMPACTOS: MATRIZES CAUSA-EFEITO (MATRIZES DE IMPACTO), MATRIZES ESCALONADAS E OUTROS MÉTODOS DE IDENTIFICAÇÃO DE IMPACTOS
    AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DOS IMPACTOS
    MEDIDAS CORRETORAS E PREVENTIVAS
    ANÁLISE DE PROJETOS URBANOS E ARQUITETÔNICOS E DE SUAS ALTERNATIVAS TECNOLÓGICAS
    MÉTODOS PARA A PREVISÃO DOS EFEITOS QUE AS TECNOLOGIAS APLICADAS GERARÃO
  8. COMPONENTES CONTEXTUAIS DO PROJETO: ECONÔMICOS, SOCIAIS, INSTITUCIONAIS E CULTURAIS

    A disciplina abordará as mudanças contextuais de diferente índole: econômicos, sociais, institucionais, culturais, etc., que afetam o desenho e desenvolvimento de um projeto urbano e arquitetônico.

    Analisam-se as relações entre a sociedade, o Estado e os eixos produtivos, as relações do mercado local com o mercado global e o papel de alguns agentes-chave da sociedade para, a partir de seu conhecimento, trabalhar os fatores condicionantes e suas relações dentro do desenho e desenvolvimento de projetos a fim de poder intervir neles de maneiras diferentes.

    Cada um dos campos analisados permitirá ao aluno gerar distintas linhas de trabalho em um projeto e um enfoque integrador do problema tratado.

    ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE UMA PROBLEMÁTICA DE INTERESSE EM RELAÇÃO A SEUS CONTEXTOS LOCAL, NACIONAL E INTERNACIONAL
    AS POLÍTICAS SOCIAIS E AS POLÍTICAS URBANAS E ARQUITETÔNICAS
    ASPECTOS POLÍTICOS, ECONÔMICOS, CULTURAIS DO PROJETO URBANO E ARQUITETÔNICO
    DEMANDA SOCIODEMOGRÁFICAS. EXCLUSÃO SOCIAL. DIVERSIDADE CULTURAL
  9. MARKETING DA CIDADE

    Esta disciplina traz ferramentas para que o aluno possa identificar elementos distintivos ou representativos de uma cidade ou ferramentas de marketing de cidades; entendido este último conceito como um conjunto de atividades e uma série de produtos e/ou serviços da cidade pensada para satisfazer necessidades de diferentes públicos (públicos internos e externos), criando e potencializando sua demanda.

    Para isto, serão analisados instrumentos de comunicação, publicidade e promoção, bem como o processo de tomada de decisões dos diferentes agentes sociais (sociais, econômicos e políticos); e, por outra parte, o conhecimento das características do modelo urbano que deseja a própria cidadania.

    O MERCADO, A VENDA E O SISTEMA DE OPERAÇÕES
    IMAGEM, PERSONALIDADE E POSICIONAMENTO DO PROJETO URBANO E ARQUITETÔNICO
    A DIMENSÃO PRODUTO-MERCADO NO MARKETING DE CIDADES
    COMUNICAÇÃO DO PROJETO
    ELABORAÇÃO DE UM PLANO ESTRATÉGICO DE MARKETING PARA UM PROJETO URBANO E ARQUITETÔNICO

3ª PARTE: DIREÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

  1. TEORIA DO PROJETO URBANO E ARQUITETÔNICO

    A disciplina introduz o conceito de "projeto" na ação profissional da arquitetura, o desenho urbano e o urbanismo, associando-o e diferenciando-o dos processos de pesquisa e desenho. Inclusão das dimensões social, ambiental, econômica e política no projeto urbano e arquitetônico. Introdução à formulação, gestão e direção de projetos urbanos e arquitetônicos. Conceitos gerais sobre Sistemas e Teoria Geral de Sistemas, com o objetivo de proporcionar uma ferramenta para analisar os problemas, conflitos e projetos urbanos e arquitetônicos com uma visão sistêmica orientada à compreensão da diversidade e complexidade da cidade atual.

    O CONCEITO DE "PROJETO" NA ARQUITETURA, O DESENHO URBANO E O URBANISMO
    RELAÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DESENHO E PROJETO
    ARTICULAÇÃO ENTRE PESQUISA, PROCESSO PROJETIVO E INTERVENÇÃO URBANA
    FORMULAÇÃO, GESTÃO E DIREÇÃO DE PROJETOS URBANOS E ARQUITETÔNICOS
    A SOCIEDADE, O AMBIENTE, A ECONOMIA E A POLÍTICA NO PROJETO URBANO E ARQUITETÔNICO
    TEORIA GERAL DE SISTEMAS
    VISÃO SISTÊMICA DA CIDADE E DOS PROJETOS URBANOS E ARQUITETÔNICOS
    O ENFOQUE TERRITORIAL E O ENFOQUE SISTÊMICO NA INTERVENÇÃO URBANA
  2. GESTÃO SEM DISTÂNCIAS

    Esta disciplina permite conhecer o complexo processo, suas ferramentas, as possíveis metodologias e tipologias da gestão off-shore de um projeto. A gestão de projetos realizada à distância. Para poder conhecer este tema em profundidade é preciso falar de conceitos como: construção cooperativa e colaborativa do conhecimento e modelos cooperativos de participação, com suporte das tecnologias da informação.

    CONSTRUÇÃO COOPERATIVA E COLABORATIVA DO CONHECIMENTO
    MODELOS COOPERATIVOS DE PARTICIPAÇÃO, COM SUPORTE DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO
    TELE-ENGENHARIA DISTRIBUTIVA E GESTÃO OFF-SHORE: DIREÇÃO E ADMINISTRAÇÃO À DISTÂNCIA, UTILIZANDO OS ÚLTIMOS RECURSOS TECNOLÓGICOS PENSADOS PARA ESSE FIM
    ESTUDO E AVALIAÇÃO DE NOVOS CENÁRIOS DE TRABALHO A DISTÂNCIA
  3. TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO EM PÚBLICO

    Essa disciplina tem, na atualidade, um papel preponderante e crescente na direção de projetos, pois forma diretores em habilidades de promoção de projetos e de seu produto, para atrair investidores ou, ao menos, causar interesse no mercado receptor. Para isto, é necessário conhecer estratégias comunicacionais e saber definir os elementos característicos do projeto, que formarão a sua imagem.

    COMUNICAÇÃO DA PROPOSTA E DOCUMENTOS DE UM PROJETO E TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E GRÁFICA PARA OS PROJETISTAS.
  4. ADMINISTRAÇÃO E DIREÇÃO DE EMPRESAS

    Esta disciplina trata de introduzir o aluno nos conceitos e técnicas de administração e direção de empresas. Cobrindo temas desde teorias organizacionais até as novas formas organizacionais na nova economia, seja para Empresas de Serviço, Empresas de Tecnologia, Pequenas e Médias Empresas e as Familiares.

    INTRODUÇÃO ÀS TEORIAS ORGANIZACIONAIS
    ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS
    CLASSES DE EMPRESAS
    AS FUNÇÕES EMPRESARIAIS
    NOVAS FORMAS ORGANIZACIONAIS NA NOVA ECONOMIA
    TIPOS DE EMPRESAS
    Empresas de Serviço. Empresas de Tecnologia. Pequenas e Médias Empresas. Empresas Familiares. Estudo de Casos.
    PASSOS NA CRIAÇÃO DE UMA EMPRESA
  5. DIREÇÃO E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

    Esta disciplina se enfoca no pensamento estratégico aplicado à direção e oferece um treinamento em ferramentas e mecanismos que facilitam a gestão contemporânea, aceitando a gestão da mudança como algo inerente aos entornos instáveis e variáveis em que se desenvolvem as organizações.

    Alguns temas abordados na disciplina são:

    A GESTÃO DA MUDANÇA COMO SUBSTRATO DA DIREÇÃO ESTRATÉGICA
    A mudança pessoal e organizacional. Alguns modelos para implementar uma mudança organizacional. A resistência à mudança. A participação no processo de mudança estratégica.
    A DIREÇÃO ESTRATÉGICA COMO UM MODELO DE MUDANÇA
    O pensamento estratégico e a direção estratégica. Apresentação de um modelo de planejamento estratégico validado internacionalmente. A matriz SWOT como um valioso instrumento do planejamento estratégico.
    A IMPLANTAÇÃO DA DIREÇÃO ESTRATÉGICA. AS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS
    Cenários estratégicos. A visão. Análise do sistema de valores que sustentará a estratégia. Elaboração de estratégias empresariais. Objetivos e critérios de medida. Novos negócios. Crescimento. Consolidação. Revitalização.
  6. PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO URBANO E ARQUITETÔNICO

    Essa disciplina tem como objetivo pôr em evidência os objetos produzidos por uma comunidade que se constituem bens urbanos de valor patrimonial. Quando falamos de bens, referimo-nos ao patrimônio tangível, incluindo nele também os espaços públicos (com diferentes graus de intervenção humana) que cumprem funções ambientais e de recreação.

    Trabalha-se a identificação do sistema cultural da cidade e a localização dos elementos arquitetônicos com dimensão histórica, estudando a inter-relação dos bens culturais nas distintas escalas em que se inserem e com os processos e agentes que os afetam em cada uma.

    Busca-se que o aluno adquira capacidade para integrar os problemas técnicos, culturais e/ou socioeconômicos na prática da conservação dos bens culturais.

    DEFINIÇÃO DE BEM URBANO DE VALOR PATRIMONIAL
    IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA CULTURAL DA CIDADE
    IDENTIFICAÇÃO DE ELEMENTOS ARQUITETÔNICOS COM DIMENSÃO HISTÓRICA
    TEORIAS DE BASE DE DIFERENTES PRÁTICAS DE INTERVENÇÃO: DEFINIÇÕES E EXEMPLOS DE CONSERVAÇÃO, PRESERVAÇÃO, RESTAURAÇÃO, RECUPERAÇÃO, REFUNCIONALIZAÇÃO, POSTA EM VALOR, RECICLAGEM
  7. TÉCNICAS DE DIREÇÃO DE EQUIPES DE TRABALHO

    A presente disciplina apresenta diferentes técnicas condução e direção de equipes de trabalho, em que o principal é o recurso humano com que contamos e que devemos "cuidar". Para isto, é necessário conhecer também ferramentas de gestão que assegurem uma administração destes recursos de uma maneira eficiente.

    CONCEITO DE GRUPO E EQUIPE
    Suas características diferenciais. Aplicações práticas para motivar. Equipes de trabalho. A competência vinculada ao trabalho em equipe. Os membros e funções em uma equipe de trabalho.
  8. GESTÃO DO CONHECIMENTO E APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL

    Durante o curso desta disciplina, conseguiremos identificar e analisar cada uma das tipologias do conhecimento produzidas nas empresas para sua gestão, diagnóstico, distribuição e disponibilidade da informação como fatores-chave de êxito. A gestão de conhecimento é uma "atividade" que deve estar presente em toda atividade profissional e ainda mais se se estiver em um cargo de direção.

    A GESTÃO DO CONHECIMENTO
    Conhecimento e gestão, objetivos da gestão do conhecimento, propriedades e tipologias, ferramentas e implantação.
    NOVOS PARADIGMAS EM DOCÊNCIA E PESQUISA
    e-Learning.
    APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL E MODELOS DE MATURIDADE
  9. A FUNÇÃO DO ESTADO

    Introduz-se na análise dos diferentes papéis que pode cumprir o Estado nas ações de intervenção urbana e arquitetônica, desempenhando funções de empreendedor, financeiro, promotor ou regulador, e as consequentes relações com o setor privado. Do mesmo modo, analisam-se as responsabilidades do profissional em relação às funções do Estado nas ações urbanísticas e arquitetônicas.

    PAPÉIS DO ESTADO NOS PROJETOS URBANOS E ARQUITETÔNICOS
    AS POLÍTICAS URBANAS
    O REGULAMENTO ESTATAL DAS ATIVIDADES ARQUITETÔNICAS
    INSTRUMENTOS DO ESTADO NA GESTÃO URBANA
    OS PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS DOS DIFERENTES NÍVEIS DO ESTADO
    AS RESPONSABILIDADES DO SETOR PRIVADO EM RELAÇÃO AO ESTADO
    A FUNÇÃO PROFISSIONAL NA GESTÃO ESTATAL

4ª PARTE: PROJETO FINAL DE MESTRADO OU DISSERTAÇÃO

A última parte do Mestrado é destinada à realização do Projeto ou Dissertação de Mestrado.

Esse trabalho é um aperfeiçoamento do projeto realizado ao longo das 3 partes anteriores, conforme foram sendo resolvidos os diversos exercícios, mas com uma contribuição ainda mais profunda da pesquisa, a fim de dar resposta à hipótese exposta pelo aluno.

O objetivo é apresentar um documento completo que mostre o desenvolvimento total do Trabalho Final de Mestrado proposto, contemplando a possibilidade de sua execução concreta, de acordo aos delineamentos e detalhes exigidos na norma respectiva. O Trabalho Final deve ser uma contribuição ao campo de projetos com uma grande componente de aplicação, respeitando a doutrina e teoria do campo de projetos.


Observação: O conteúdo do programa acadêmico pode ser submetido a ligeiras modificações em função das atualizações ou das melhorias efetuadas.

Direção

Direção Acadêmica

  • Dr. Roberto M. Álvarez. Doutor em Engenharia de Projetos, pela Universidad Politécnica de Cataluña, Espanha, Mestre em Gerenciamento de projeto e de desenho, pela Politécnica de Milán, Itália. Professor da Universidad de Buenos Aires, Argentina. Diretor da Fundación Universitaria Iberoamericana (FUNIBER) Argentina.

Professores e Autores

  • Dr. Santos Gracia Villar. Doutor em Engenharia Industrial.
  • Dr. Roberto M. Álvarez. Doutor em Engenharia de Projetos, pela Universidad Politécnica de Cataluña, Espanha, Mestre em Gerenciamento de projeto e de desenho, pela Politécnica de Milán, Itália. Professor da Universidad de Buenos Aires, Argentina. Diretor da Fundación Universitaria Iberoamericana (FUNIBER) Argentina.
  • Dra. Águeda García Carrillo. Pesquisadora da Universidade Politécnica da Catalunha (UPC).
  • Dr. José Rodríguez. Doutor em Engenharia Civil. Responsável pela Área de Gestão Ambiental da Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) Peru.
  • Dra. Olga Capó Iturrieta. Responsável pela Área de Projetos do Instituto de Pesquisas Agropecuárias (INIA), Chile.
  • Dr. David Barrera Gómez. Doutor Engenheiro e MBA. Professor das áreas de organização de empresas e tecnologias TIC da Fundação Universitária Iberoamericana.
  • Dr. (c) Gregorio Urriola. Professor da Universidade Tecnológica do Panamá. Diretor da Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) Panamá.
  • Dr. (c) Alberto Gaspar Vera. Arquiteto UBA. Mestre em Planejamento Urbano. Professor da Universidade Nacional de Lanús. Argentina.

Bolsa de Trabalho

A Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) destina periodicamente um valor econômico de caráter extraordinário para Bolsas de estudo em Formação FUNIBER.

Para solicitá-la, preencha o formulário de solicitação de informação que aparece no portal FUNIBER ou entre em contato diretamente com a sede da fundação em seu país para saber se é necessário proporcionar alguma informação adicional.

Uma vez que tenhamos recebido a documentação, o Comitê Avaliador examinará a idoneidade de sua candidatura para a concessão de um incentivo econômico na forma de Bolsa de estudo em Formação FUNIBER.