Nutrição e Dietética Aplicada

Apresentação do Programa

A ciência da nutrição estuda os nutrientes desde seu processo de obtenção até o efeito que eles produzem no organismo. A escolha nutricional correta é de vital importância para manter a saúde e prevenir doenças. Assim, a aquisição de conhecimentos relacionados às ciências da nutrição e da saúde permite que as pessoas tomem decisões informadas sobre uma alimentação saudável.

Nesse sentido, a prática de uma dieta saudável oferece uma variedade de benefícios amplamente descritos na literatura, como promover melhor crescimento e desenvolvimento, melhorar a saúde cardiovascular, entre outros. Consequentemente, nos últimos anos, a influência de diferentes fatores e interações complexas gerou uma mudança nos padrões alimentares. Portanto, a aplicação da nutrição é um fator-chave para que as sociedades, a indústria de alimentos e os profissionais promovam hábitos saudáveis que atendam às necessidades da população.

O programa de Nutrição e Dietética Aplicada oferece aos alunos interessados em nutrição, alimentação e dietética a expansão de sua formação por meio de um programa acadêmico de alto nível, que lhes permite desenvolver um pensamento reflexivo, crítico e humanista através da articulação pedagógica dos fundamentos teóricos baseados em evidências científicas.

A quem é dirigido

O programa Nutrição e Dietética Aplicada tem como destinatários:

  • Licenciados ou Graduados (ou equivalentes) em Ciências da Saúde que desejam atualizar ou consolidar seus conhecimentos em Nutrição e Dietética, a fim de melhorar suas expectativas de trabalho.
  • Outros Licenciados ou Graduados (ou equivalentes) que, devido à sua prática profissional, desejam se especializar em Nutrição e Dietética.
  • Pessoas não universitárias que têm interesse em Nutrição, Alimentação e Dietética.

Titulação

A conclusão bem-sucedida do Programa permitirá a obtenção do título de Nutrição e Dietética Aplicada.

Após a conclusão bem-sucedida do Programa, o aluno receberá o diploma emitido pela Universidade onde se matriculou.

Estrutura do Programa

A duração estimada para a realização do Programa de Intervenção Nutricional em Situações de Emergência é de 500 horas (50 créditos).

Quanto à distribuição do tempo, está estabelecido que:

  • Por ser um programa à distância e não estar sujeito a aulas presenciais, não é estabelecida uma data de início específica, para que o aluno possa formalizar a inscrição a qualquer momento, desde que haja vagas disponíveis.
  • O tempo máximo disponível para concluir o programa é de 12 meses. Nesse período, o aluno deve ter submetido todas as avaliações correspondentes às disciplinas.

A estrutura de crédito do programa Nutrição e Dietética Aplicada está estabelecida na tabela a seguir:

  CRÉDITOS ECTS1 DURAÇÃO2 HORAS
Disciplinas 40 9 400
Trabalho final de Curso 10 3 100
TOTAL 50 12 500

1. A equivalência em créditos pode variar dependendo da universidade em que você se formar. Um (1) crédito ECTS (European Credit Transfer System) equivale a 10 + 15 horas. Se o/a aluno/a frequentar o Programa matriculado/a em uma universidade não pertencente ao Espacio Europeo de Educación Superior (EHEA), a relação entre créditos - horas pode variar.
2. Duração em meses.

Objetivos

Objetivo Geral

  • Formar especialistas com perfil multidisciplinar nas principais áreas de conhecimento de nutrição, dietética e alimentação que contribuam para a melhoria do desempenho profissional de maneira eficiente e baseada em evidências.

Objetivos Específicos

  • Fortalecer a base teórico-metodológica da nutrição, alimentação e dietética, com ênfase em atividades que favoreçam o pensamento lógico e o raciocínio científico.
  • Valorizar a importância de uma alimentação saudável na promoção da saúde e na prevenção de doenças.
  • Revisar estratégias e recomendações alimentares saudáveis para indivíduos em diferentes situações fisiológicas e / ou patológicas.
  • Analisar as condições que marcam as tendências atuais no consumo de alimentos e os fatores que determinam a aquisição de hábitos alimentares.
  • Avaliar possíveis riscos alimentares relacionados à higiene e intoxicação alimentar.

Saídas Profissionais

Algumas das oportunidades profissionais * do programa de Nutrição e Dietética Aplicada são as seguintes:

  • Assessor de programas para melhorar a alimentação e nutrição em instituições e empresas públicas, privadas e organizações não-governamentais.
  • Difusor e gerador de conhecimento em programas de ensino regulamentados e não regulamentados, destinados a diferentes comunidades.
  • Consultor em serviços de informações ao consumidor e marketing relacionados à alimentação.
  • Em diferentes áreas de empresas de catering coletivo (culinária, segurança alimentar, administração).

*Nota: o exercício das profissões é regulamentado conforme a legislação de cada país.

Plano de estudos

O programa de Nutrição e Dietética Aplicada possui uma estrutura curricular baseada em 2 Partes formativas que buscam colocar o aluno em uma estrutura real de acordo com uma mudança contínua.

  • 1ª PARTE: DISCIPLINAS (400 horas)

O objetivo da 1ª Parte: Disciplinas, é garantir que os alunos adquiram uma ideia global sobre Nutrição e que possam ser capazes de dominar técnicas básicas de avaliação, diagnóstico, intervenção nos processos de Saúde e Nutrição, bem como de ter uma visão de multidisciplinaridade em Assistência Nutricional.

As disciplinas e horas correspondentes que compõem a 1ª Parte: Os assuntos são mostrados na tabela a seguir:

  • 2ª PARTE: PROJETO FINAL (100 HORAS)

O Projeto Final deve ter caráter profissional e estar relacionado ao ambiente de trabalho ao qual o programa estudado está vinculado.

O aluno deve desenvolver seu Projeto Final de acordo com os Regulamentos do Projeto Final.

2a PARTE: PROJETO FINAL
# DISCIPLINAS HORAS
1 Projeto Final 100
TOTAL 100

Nota: O conteúdo do programa acadêmico pode estar submetido à leves modificações em função das atualizações ou das melhorias efetuadas.

Descrições dos Cursos

1ª PARTE: DISCIPLINAS

  1. ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO

    Nesta disciplina estuda-se a anatomia e a fisiologia humana, exclusivamente sob o ponto de vista do Sistema Digestório.

    INTRODUÇÃO
    Anatomia do sistema digestório.
    ANATOMIA
    Anatomia da cavidade oral. Anatomia da faringe e do esôfago. Anatomia do estômago. Anatomia do fígado, a vesícula biliar e o pâncreas. Anatomia do intestino delgado. Anatomia do intestino grosso.
    SISTEMA DIGESTÓRIO
    Função básica do sistema digestivo. Controle da atividade gastrointestinal. Histologia geral do trato gastrointestinal. Cavidade bucal. Fases da digestão.
  2. NUTRIENTES I: MACRONUTRIENTES

    Breve visão da bioquímica hormonal e o estudo da bioquímica básica dos glicídios, lipídios e proteínas.

    GLICÍDIOS
    Composição química e classificação dos glicídios: monossacarídeos, oligossacarídeos, polissacarídeos. Funções dos glicídios. Generalidades sobre a digestão dos glicídios. Absorção de glicídios. Glicídios assimiláveis. Glicídios não assimiláveis: a fibra alimentar. Aspectos bioquímicos: catabolismo e anabolismo de glicídios. Aspectos nutricionais dos glicídios. Necessidades e ingestões recomendadas. Fontes de glicídios
    LIPÍDIOS
    Composição química e classificação dos lipídios: ácidos graxos, hololipídios, heterolipídios. Funções dos lipídios. Generalidades sobre a digestão de gorduras. Absorção das gorduras. Aspectos bioquímicos: catabolismo e anabolismo de lipídios. Aspectos nutricionais dos ácidos graxos saturados e insaturados. Necessidades e ingestões recomendadas. O colesterol. Fontes de lipídios.
    PROTEÍNAS
    Composição química e classificação dos aminoácidos. Os peptídios: composição química. Estrutura, propriedades, classificação e funções das proteínas. Generalidades sobre a digestão de proteínas. Absorção de proteínas. Aspectos bioquímicos: catabolismo e anabolismo de proteínas. Papel dos aminoácidos no fígado e nos músculos. Balanço de nitrogênio. Aminoácidos essenciais. Qualidade nutricional das proteínas: valor biológico e cômputo protéico. Necessidades e ingestões recomendadas. Fontes de proteínas. As enzimas: conceito de biocatalisador. Estrutura e ação enzimática, especificidade, reações de oxidação-redução, classificação. Os hormônios.
  3. NUTRIENTES II: MICRONUTRIENTES

    Mediante esta disciplina pretende-se conhecer a bioquímica básica das vitaminas e dos minerais. Igualmente se tratará o balanço hídrico e sua importância.

    AS VITAMINAS
    Aspectos gerais sobre as vitaminas. Biodisponibilidade. Classificação das vitaminas. Vitaminas hidrossolúveis e lipossolúveis: estrutura e composição, absorção e metabolismo, considerações nutricionais (funções e fatores influentes na utilização nutricional), carências e excessos, necessidades e ingestões recomendadas e fontes vitamínicas. Pseudovitaminas. Provitaminas. Antivitaminas.
    SUBSTÂNCIAS MINERAIS
    Aspectos gerais sobre as substâncias minerais. Biodisponibilidade. Classificação das substâncias minerais. Microelementos: absorção e metabolismo, considerações nutricionais (funções), carências e excessos, necessidades e ingestões recomendadas e fontes minerais. A água: estrutura da molécula de água, funções biológicas, ciclo da água e requerimentos diários.
  4. ALIMENTOS

    Estudo dos diferentes grupos de alimentos sob um ponto de vista bromatológico e de aplicação tecnológica.

    OVOS E DERIVADOS
    Composição, estrutura e valor nutricional dos ovos. Embalamento e armazenamento. Intoxicação por ingestão de ovos. Derivados do ovo: processo de elaboração de ovoprodutos, aditivos autorizados.
    GORDURAS E ÓLEOS
    Composição e valor nutricional. Óleos vegetais: azeite de oliva e óleos de semente (composição e processo de elaboração). Óleos animais: óleo de peixe. Gorduras animais: classes, composição e processo de elaboração. Gorduras vegetais: classes e composição; principais características da margarina e processo de elaboração.
    LEITE E DERIVADOS
    O leite: composição e valor nutricional. Conservação, classificação e análise do leite. Derivados do leite: nata, manteiga, queijo, iogurte e sorvetes. Processos de elaboração de derivados lácteos.
    CARNES E DERIVADOS
    A carne: composição e valor nutricional. Qualidade da carne: proteínas e transformação do músculo em carne. Aspectos microbiológicos da carne. Industrialização e classificação das carnes. Vísceras e despojos, derivados de carne, carnes transformadas e não transformadas. Processos de elaboração. Análise de carnes e derivados. Aditivos autorizados.
    PESCADOS E DERIVADOS
    Espécies de pescados. Composição e valor nutricional. Transformação do músculo em carne. Classificação de pescados e processos de elaboração. Derivados de pescados. Análise de pescados. Aditivos autorizados. Mariscos e derivados: crustáceos e moluscos, composição, valor nutricional e classificação.
    CEREAIS, LEGUMINOSAS E TUBÉRCULOS
    Cereais: classes de cereais, composição e valor nutricional. Cereais matinais, farinhas e derivados. Processo de elaboração da farinha e do pão. Legumes: classificação de legumes, composição e valor nutricional. Tubérculos e derivados.
    VERDURAS, HORTALIÇAS E FRUTAS
    Verduras e hortaliças: preparo e cozimento de verduras. Composição, valor nutricional e classificação. Derivados das verduras e hortaliças. Frutas: composição, valor nutricional e classificação das frutas. Sucos e néctares, confecções de fruta e derivados.
    ESTIMULANTES
    Processo de elaboração do café. Composição do café tostado e dos derivados e sucedâneos do café. Chá: classificação e composição do extrato seco do chá. Cacau: composição e derivados do cacau. Processo de elaboração do cacau e do chocolate.
    EDULCORANTES, CONDIMENTOS E ESPECIARIAS
    Edulcorantes: açúcar, mel, xaropes, produtos de confeitaria. Sal: classes de sal. Vinagre. Condimentos e especiarias: valor nutricional e classificação das especiarias. Molhos.
    BEBIDAS
    Águas minerais e de mesa. Bebidas não alcoólicas. Classificação das bebidas alcoólicas: vinhos, produtos similares ao vinho, bebidas espirituosas e cervejas. Processo de elaboração do vinho e da cerveja.
    ADITIVOS ALIMENTARES
    Definição. Organismos reguladores dos aditivos. Classificação dos aditivos em função dos dados toxicológicos. Ingestão Diária Admissível, Ingestão Diária Per Capita e Ingestão Diária Potencial. Listas positivas. Critérios de avaliação da inocuidade de um aditivo alimentar. Classes de aditivos: substâncias que evitam alterações, substâncias que modificam os caracteres organolépticos, substâncias que modificam os caracteres físicos, corretivos de alimentos. Lista de aditivos autorizados na Espanha.
  5. NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO ORGANISMO HUMANO

    Realiza-se o estudo da célula e cálculo das necessidades energéticas através de fórmulas e métodos internacionais.

    CONCEITOS DE NUTRIÇÃO
    Definição de nutrição. Mecanismos de transporte: difusão simples, transporte mediado. A dietética.
    A CÉLULA
    Morfologia da célula eucariota: membrana plasmática, citoplasma e núcleo. Fisiologia celular: funções da Nutrição, relação e reprodução. Morfologia da célula procariota: as bactérias e as cianobactérias.
    NUTRIENTES
    Macronutrientes e micronutrientes. Nutrientes essenciais e não essenciais.
    OBTENÇÃO DE ENERGIA PELO ORGANISMO
    Conversão da energia química em energia de trabalho corporal. energia metabolizável.
    VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS
    A bomba calorimétrica. energia proporcionada pelos alimentos.
    NECESSIDADES ENERGÉTICAS DO ORGANISMO
    Componentes do gasto energético total: metabolismo basal, atividade física e efeito térmico dos alimentos. Quantificação dos gastos energéticos: calorimetria direta e indireta.
    INGESTÕES RECOMENDADAS DE NUTRIENTES E OBJETIVOS NUTRICIONAIS
    Requerimentos nutricionais. Ingestões recomendadas de nutrientes na lactância, na infância, na adolescência e às gestantes e lactantes. Considerações práticas das ingestões recomendadas. Objetivos nutricionais para a população espanhola.
    GUIAS ALIMENTARES.
    Pirâmide alimentar: estrutura e porção alimentar. Guia alimentar do consumidor.
  6. TABELAS DE COMPOSIÇÃO ALIMENTAR E ELABORAÇÃO DE DIETAS

    Trata-se de obter um primeiro contato com as Tabelas de composição de alimentos para ver suas aplicações, limitações, etc. Em uma segunda parte se estudará como deve-se realizar uma dieta.

    GRUPOS DE ALIMENTOS
    Introdução. Grupos de alimentos segundo a FAO/OMS. Grupos de alimentos segundo outros critérios. Gamas de produtos.
    TABELAS DE COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS
    Introdução. Evolução histórica. Usos e aplicações. Elaboração e projeto. Seleção de alimentos e nutrientes. Fontes de dados. Expressão de dados. Fontes de variabilidade e erro. Fatores intrínsecos ao alimento. Fatores de tipo metodológico. Conteúdo das tabelas de composição. Conteúdos básicos. Conteúdos de apoio. Erros mais freqüentes no uso das tabelas de composição dos alimentos.
    ELABORAÇÃO DE DIETAS
    Introdução. Pautas de acompanhamento na elaboração de uma dieta. Sistema de tabelas de alimentação. Sistema de porções ou de equivalência. Tabela de porções ou de equivalência. Equivalências em peso. Equivalência por porções. Valores normais analíticos. Pesos ideais. Procedimento a ser seguido na elaboração de uma dieta.
    TIPOS DE DIETAS
    Dietas absurdas. Dietas tóxicas. Dietas de emagrecimento não equilibradas. Dietas monótonas. Práticas dietéticas do islamismo. Práticas dietéticas do judaísmo. Práticas dietéticas do hinduísmo.
  7. NUTRIÇÃO EM SITUAÇÕES FISIOLÓGICAS

    Informação de como uma pessoa deve-se alimentar em diferentes estágios evolutivos: gestação, lactação, infância, pré-adolescência, adolescência e na velhice.

    NUTRIÇÃO E GESTAÇÃO
    Introdução. Ajustes fisiológicos durante a gestação. Ingestões recomendadas. Cardápios para gestantes. Problemas relacionados à Nutrição na gestação. Considerações sobre o efeito do álcool, fármacos e tabaco na gestação. Conselhos práticos para a gestante.
    NUTRIÇÃO E LACTAÇÃO
    Introdução. Características fisiológicas da lactação. Ingestões recomendadas. Cardápios para mulheres lactantes. Considerações gerais sobre o álcool, fármacos, tabaco e alguns componentes dietéticos na lactação. Vantagens da lactação natural. Declaração de Innocenti.
    NUTRIÇÃO INFANTIL
    Introdução. Crescimento. Período de amadurecimento nutricional. Socialização e maturação psicológica. Nutrição do lactente. Lactância artificial. Alimentação complementar. Ingestões recomendadas. Calendário de alimentação durante o primeiro ano de vida. Cardápio padrão em diferentes etapas da lactância.
    NUTRIÇÃO NA PRÉ-ADOLESCÊNCIA
    Nutrição na idade maternal: características fisiológicas e psicológicas, ingestões recomendadas, guia dietético, cardápio-padrão. Nutrição na idade pré-escolar e escolar: Características fisiológicas e psicológicas, ingestões recomendadas, guia dietético, cardápio-padrão. O refeitório escolar e sua função socializadora.
    NUTRIÇÃO NA ADOLESCÊNCIA
    Introdução. Características fisiológicas e psicológicas. Fatores que condicionam a dieta do adolescente. Ingestões recomendadas. Recomendações alimentares. Recomendações gerais. Problemas nutricionais na adolescência.
    NUTRIÇÃO E VELHICE
    Introdução. Características fisiológicas da velhice. Ingestões recomendadas. Cardápios para a terceira idade. Desnutrição: fatores de risco, conseqüências, prevenção. A atividade física na velhice. Fármacos na velhice. Outros fatores que intervêm na nutrição na terceira idade. Ações-chave para uma melhor alimentação do idoso.
  8. NUTRIÇÃO EM SITUAÇÕES PATOLÓGICAS DE GRANDE PREVALÊNCIA

    Estudo das enfermidades de obesidade, diabetes, hipertensão arterial, arterosclerose, osteoporose, câncer, saúde bucodental, constipação intestinal e álcool e nutrição.

    OBESIDADE
    Definição e prevalência. Quantificação da obesidade. Composição corporal e tipos de obesidade. Fisiologia do tecido adiposo. Etiopatogenia da obesidade. Obesidade e riscos para a saúde. Tratamento de emagrecimento. Dieta de manutenção.
    DIETA E DIABETES
    Definição e critérios de diagnóstico. Prevalência. classificação. Alterações metabólicas . Tratamento do paciente diabético.
    NUTRIÇÃO NA HIPERTENSÃO ARTERIAL
    Conceito. Prevalência. Diagnóstico. Bases fisiológicas da pressão arterial. Classificação e fisiopatologia. Efeitos da hipertensão arterial. Tratamento.
    NUTRIÇÃO E ATEROSCLEROSE
    Introdução. Fases de formação do ateroma. Fatores de risco. Manifestações clínicas. Prevenção e Tratamento da enfermidade cardiovascular.
    OSTEOPOROSE
    Constituição do osso. Dinâmica óssea. Regulação endócrina do cálcio. Etiologia. Prevalência. Evolução fisiológica da estrutura óssea. Fatores de risco. Prevenção e Tratamento.
    NUTRIÇÃO E CÂNCER
    Introdução. processos de cancerogênese por agentes químicos. Influência da Nutrição no processo de cancerogênese. Recomendações alimentares na prevenção do câncer. Nutrição e câncer.
    SAÚDE BUCODENTAL E NUTRIÇÃO
    Introdução. Bases morfológicas e fisiológicas do dente. Cáries dental: evolução, etiologia, patogenia e prevenção. Enfermidade periodontal: evolução, sintomatologia, fisiopatologia e nutrição, prevenção e tratamento.
    CONSTIPAÇÃO INTESTINAL
    Características gerais, sintomatologia e prevalência. Etiologia e fisiopatologia. Tratamento nutricional e alimentar. Considerações farmacológicas.
    ÁLCOOL E NUTRIÇÃO
    Introdução. Aspectos digestivos e metabólicos do álcool. Considerações nutricionais sobre o álcool. Álcool e estado nutricional.
  9. HIGIENE DOS ALIMENTOS

    Por meio desta disciplina, pretende-se proporcionar uma visão da higiene industrial alimentar sob o ponto de vista microbiológico e parasitológico.

    INTRODUÇÃO GERAL
    Relação da higiene dos alimentos com outras ciências. Fundamentos da higiene. Origem das alterações dos alimentos.
    PARASITOLOGIA GENERAL
    Introdução. A água de bebida. Parasitos na carne de animais de abate. Parasitos no pescado. Artrópodes contaminantes de alimentos.
    MICROBIOLOGIA NA HIGIENE DOS ALIMENTOS
    Conceitos gerais sobre bactérias, fungos e vírus. Fatores que favorecem a proliferação microbiana: pH, atividade da água, potencial redox, oxigênio, composição do alimento, temperatura, pressão de vapor e atmosfera de conservação. Análise de riscos e controle de pontos críticos. Infecções, intoxicações e toxiinfecções alimentares. Contaminação abiótica. Microbiologia e higiene de grupos de alimentos.
    CONSERVAÇÃO E ARMAZENAMENTO DOS ALIMENTOS
    Princípios gerais sobre a conservação dos alimentos. A embalagem. Durabilidade de um produto.
    HIGIENE DOS ALIMENTOS
    A tomada de amostras em higiene dos alimentos: amostragem e seleção da amostra. Boas práticas na elaboração e na manipulação dos alimentos. A higienização: técnicas, detergentes, desinfectantes.
    REQUISITOS HIGIÊNICO - SANITÁRIOS
    Higiene nas fábricas. Higiene nos armazéns e nos centros de distribuição. Higiene nos estabelecimentos de venda. Higiene nos restaurantes.
  10. TOXICOLOGIA ALIMENTAR

    Expõe-se a terminologia própria da toxicologia, bem como das toxinfecções alimentares mais freqüentes e informação útil neste campo.

    INTRODUÇÃO
    Definição de toxicidade. Tipos de intoxicação. Definição e tipos de compostos tóxicos. Fatores que modificam a toxicidade. O fenômeno tóxico: características e fases.
    AVALIAÇÃO TOXICOLÓGICA
    Conceitos de IDA, LRM e ISTP. Testes toxicológicos. Coleta de informação.
    SUBSTÂNCIAS TÓXICAS DE ORIGEM NATURAL NOS ALIMENTOS
    Definição e tipos de tóxicos naturais. Substâncias antinutritivas: inibidores enzimáticos, antiminerais, antivitaminas, tóxicos dos alimentos, álcool etílico, aminas biógenas, toxinas dos animais.
    SUBSTÂNCIAS TÓXICAS DE ORIGEM FÚNGICA
    Origem das micotoxinas. Condicionantes para a produção de micotoxinas. Incidências das micotoxinas no organismo. Fungos capazes de produzir micotoxinas. Substâncias mutagênicas e carcinogenéticas de origem fúngica. Toxicidade das micotoxinas.
    INFLUÊNCIA DA TECNOLOGIA NA TOXICOLOGIA DOS ALIMENTOS
    Preparo e conservação dos alimentos: cocção, refrigeração, armazenamento, materiais em contato com os alimentos.
    TOXICIDADE DOS RESÍDUOS INDUSTRIAIS NOS ALIMENTOS
    Hidrocarbonetos clorados: PCB, TCDD. Metais pesados.
    TOXICIDADE DOS RESÍDUOS DE PESTICIDAS NOS ALIMENTOS
    Definição e características dos pesticidas. Resíduos de pesticidas presentes nos alimentos: organoclorados, organofosforados, carbamatos.
    RESÍDUOS DE MEDICAMENTOS NOS ALIMENTOS
    Origem e risco dos resíduos de medicamentos. Principais medicamentos de uso em animais destinados ao consumo.
  11. FITOTERAPIA

    Estudo das diferentes formas de preparo, as drogas principais e a aplicação destas com benefícios fitoterapêuticos.

    INTRODUÇÃO
    Conceito e conteúdo da fitoterapia. História da fitoterapia. Novas tendências.
    CONSTITUINTES QUÍMICOS DAS DROGAS
    Generalidades. Glicídios. Saponinas. Heterosídeos fenólicos monocíclicos. Heterosídeos cumarínicos. Heterosídeos flavônicos. Heterosídeos antociânicos. Taninos. Heterosídeos antraquinônicos e naftoquinonas. Heterosídeos cardiotônicos. Heterosídeos sulfurosos e cianogenéticos. Lipídios. Óleos essenciais. Resinas e derivados. Alcalóides. Outros.
    DA PLANTA AO PREPARO GALÊNICO
    Técnicas de obtenção, coleta, secagem e armazenagem da droga. Diferentes formas de preparo galênico: tinturas mães, sucos ou sumos, infusão, tisana, decocção, extratos.
    FITOTERAPIA APLICADA
    Fitoterapia do Sistema Nervoso Central: depressores centrais, estimulantes centrais, antipiréticos. Fitoterapia da dor e da inflamação. Fitoterapia do aparelho respiratório: antitussígenos, drogas ativas nas vias respiratórias baixas, drogas ativas nas vias respiratórias altas. Fitoterapia genito-urinária: diuréticos, antissépticos urinários, antiprostáticos. Fitoterapia do aparelho digestório: drogas de atuação ao nível do estômago, drogas ativas em nível intestinal, drogas ativas em nível hepatobiliar. Fitoterapia do metabolismo: eméticos e antieméticos, hipolipemiantes, tônico - vitalizantes, vitaminas, fitoterapia antiobesidade. Fitoterapia cardiovascular: cardiotônicos, antiarrítmicos, vasodilatadores coronários, anticoagulantes e antiagregantes, anti-hipertensivos. Fitoterapia dermatológica: antissépticos e cicatrizantes, hemostáticos, protetores.
    MONOGRAFIAS DO APARELHO DIGESTÓRIO, METABOLISMO E APARELHO GENITO-URINÁRIO
    Aparelho digestório: carminativos e estomacais, laxantes e purgantes, antidiarréicos, coleréticos, hepatoprotetores. Metabolismo: tônicos - vitalizantes. Aparelho genito-urinário: diuréticos, antiprostáticos.
    LEGISLAÇÃO DAS PLANTAS MEDICINAIS
    Evolução da legislação das plantas medicinais. Lei do medicamento.

2ª PARTE: TRABALHO FINAL DE CURSO OU PROJETO

A última Fase do programa está destinada à realização do Trabalho Final de Curso, o qual pode ser iniciado com antecedência ao final da 1ª Parte: Disciplinas, pois é nesse momento que o aluno contará com os elementos necessários para dar início ao trabalho.

O objetivo é apresentar um documento completo que mostre o desenvolvimento total do trabalho proposto, contemplando a possibilidade de sua execução concreta, de acordo aos esboços e detalhes do Trabalho Final de Curso apresentado. O trabalho deve ser uma contribuição para alguns dos campos estudados ou sua relação, tanto teórica como aplicada e respeitando as doutrinas, teorias e disciplinas relacionadas.


Nota: O conteúdo do programa acadêmico pode ser submetido a ligeiras modificações, em função de atualizações ou melhorias efetuadas.

Direção

Direção Acadêmica

  • Dr. Maurizio Battino. Diretor da Área de Saúde e Nutrição da Fundación Universitaria Iberoamericana. Pesquisador em Bioquímica e docente da Scuola di Specializzazione in Scienza dell'Alimentazione.

Coordenação Académica

  • Dra. (c) Irma Domínguez Azpíroz. Doutora candidata em Educação pela UNINI. Coordenadora Internacional da Área de Saúde.
  • Dra. (c) Anna Marín. Doutora candidata em Educação pela UNINI. Coordenadora da Área de Nutrição.

Professores e Autores

  • Dra. Laura Moro. Doutora em Medicina (Epidemiología, Salud Pública y Salud Internacional) pela Universidad de Barcelona.
  • Dra. Rosa Elena Yáñez. Doutora em Nutrição e Metabolismo pela Universidad Rovira i Virgili. Profesora de la UNINI.
  • Dr. Jorge Castro Albarrán. Doutor em Ciências em Processos Biotecnológicos pela Universidad de Guadalajara. Professor Pesquisador do Centro Universitario de la Costa Sur da Universidad de Guadalajara.
  • Dra. Tatiana Lacruz Gascón. Doutora em Psicología Clínica e da Saúde pela Universidad Autónoma de Madrid. Psicóloga en Centro Centro especializado en Trastornos del Comportamiento Alimentario e na Unidad de Obesidad López-Nava del Hospital HM Sanchinarro (Madrid).
  • Dra. Mª Isabel Espinosa Salinas. Doutora em Biologia y Ciências da Alimentação pela Universidad Autónoma de Madrid. Investigadora no Instituto Madrileño de Estudios Avanzados en Alimentación (IMDEA).
  • Dra. Susana Martínez. Doutora em Biologia. Licenciada em Ciência e Tecnologia dos Alimentos. Investigadora no Instituto de Biomedicina (IBIOMED) da Universidad de León.
  • Dra. Priscilla Almeida de Souza. Doutora em Biomedicina pela Universidad de Zaragoza. Licenciada em Nutrição Humana y Dietética y Especialista en Nutrição Esportiva pelo Centro Universitario de Belo Horizonte.
  • Dra. Nelly Orozco. Doutora em Ciências da Salud Pública e Licenciada em Nutrição pela Universidad de Guadalajara México. Professor-Pesquisador na Universidad Internacional Iberoamericana.
  • Dra. Mercedes Briones Urbano. Doutora em Nutrição Humana e Dietética no programa internacional entre a Universidad de Granada e o Instituto de Investigaciones Químicas, Biológicas, Biomédicas y Biofísicas da Universidad Mariano Gálvez de Guatemala.
  • Dra. Andrea Arreguin. Doutora e Mestra Universitaria em Nutrigenómica y Nutrición Personalizada por la Universidad de las Islas Baleares.
  • Dra. (c) Irma Domínguez Azpíroz. Doutora candidata em Educação. Mestrado Internacional em Nutrição e Dietética Aplicada pela Universidad de León. Mestrado em Actividad Física: Entrenamiento y Gestión Deportiva por la UNINI. Diplomada em Nutrição e Dietética pela Universidad de Navarra.
  • Dra (c). Anna Marín. Doutora candidata em Educação pela Universidad Internacional Iberoamericana. Mestrado Internacional em Nutrição e Dietética, com especialização em Nutrição e Atividade Física pela Universidad de León. Diplomada em Nutrição Humana e Dietética pela Universidad de Barcelona.
  • Dra (c). Marina Rojo. Doutora candidata em Nutrição pela Universidad Internacional Iberoamericana. MSc. in Translational Medicine pela Universidad de Barcelona. Mestra (c) em Segurança Alimentar pela UnADM. Especialista em Tecnologia Educativa y Licenciada em Nutrição pela Universidad Autónoma do Estado de Hidalgo.
  • Dra (c). Laura Pla Pagà. Doutora candidata em Biomedicina pela Universidad Rovira y Virgili. Professora associada na Facultad de Medicina y Ciencias de la salud de la Universidad Rovira y Virgili.
  • Mtr. Javier Sainz Sánchez. Mestrado Universitário em Agroalimentação pela Universidad de Córdoba. Professor da Universidad Pablo de Olavide de Sevilla.
  • Mtr. Monica Chamorro. Mestre Europeu em Nutrição e Metabolismo y Pós-Graduação de Gestão de Restauração Coletiva e Comercial pela Universitat de Barcelona.
  • Mtr. Cristina Lafuente. Mestre em Nutrição y Metabolismo, Nutrição Clínica pela Universitat de Barcelona.
  • Mtr. Graciela Porta Ferraz. Mestre em Nutrição e Metabolismo pela Universitat de Barcelona.

Bolsa de Trabalho

A Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) destina periodicamente um valor econômico de caráter extraordinário para Bolsas de estudo em Formação FUNIBER.

Para solicitá-la, preencha o formulário de solicitação de informação que aparece no portal FUNIBER ou entre em contato diretamente com a sede da fundação em seu país para saber se é necessário proporcionar alguma informação adicional.

Uma vez que tenhamos recebido a documentação, o Comitê Avaliador examinará a idoneidade de sua candidatura para a concessão de um incentivo econômico na forma de Bolsa de estudo em Formação FUNIBER.