Elaboração de Dietas e Dietoterapia

Apresentação do Programa

Atualmente, o ritmo de trabalho e diário nos impede realizar algumas ingestões equilibradas.

Por essa razão, a população requer o conhecimento dos princípios básicos de uma alimentação saudável e equilibrada. O principal obstáculo com o qual se encontra é a falta de especialistas nos diferentes âmbitos: educacional, sanitário, meios de comunicação,... provocando, em muitas ocasiões, uma inadequada informação.

Programas de educação nutricional, bem como atuações dietéticas concretas e individualizadas podem ajudar a fomentar corretos hábitos alimentares em função das características de atividade física e da rotina diária das pessoas.

Não é uma tarefa fácil, embora seja de vital importância para incrementar a qualidade de vida das pessoas, pois um ótimo estado nutricional garante um melhor estado de saúde. Mediante este curso pretende-se conhecer os métodos de avaliação nutricional da ingestão de uma pessoa, bem como a maneira de realizar uma dieta equilibrada para a população em geral ou que apresente alguma patologia em particular.

A quem é dirigido

A metodologia de formação proposta, somada à claridade, amplitude e didática do desenho dos conteúdos, permite dirigir o programa de Elaboração de Dietas e Dietoterapia a profissionais que desenvolvem suas atividades em postos relacionados com a saúde, a indústria ou empresas e que desejam especializar-se na área da alimentação.

O programa de Elaboração de Dietas e Dietoterapia tem como destinatários:

  • Pessoas não universitárias que desejam especializar-se na área da alimentação.
  • Todos aqueles profissionais sanitários, da indústria ou de empresas privadas que querem consolidar seus conhecimentos para aplicá-los em seu ambiente profissional.
  • Graduados que desejam especializar-se em temas de nutrição e alimentação para poder melhorar suas expectativas de trabalho.

Titulação

A conclusão com sucesso do Programa permitirá que você obtenha a titulação do Elaboração de Dietas e Dietoterapia.

Após a conclusão com êxito do Programa, o aluno receberá o diploma emitido pela Universidade em que se matriculou.

Estrutura do Programa

A duração estimada para a realização do curso de Elaboração de Dietas e Dietoterapia é de 150 horas (15 créditos)1

Quanto à distribuição do tempo se estabelece que:

  • Por ser um curso a distância e não estar sujeito a aulas presenciais, não se estabelece uma data específica de início, razão pela qual o aluno pode formalizar a matrícula em qualquer momento, desde que haja vagas disponíveis.
  • Por motivos acadêmicos e de aprendizagem, disponibiliza-se de uma duração mínima do curso de 3 meses, contabilizados a partir da data de entrega dos dois primeiros volumes até a data de recebimento do último trabalho de avaliação.
  • O tempo máximo do qual se disponibiliza para realizar o curso é de 6 meses. Neste período de tempo, o aluno deve entregar todas as avaliações correspondentes ao curso.

A estrutura de créditos do curso de Elaboração de Dietas e Dietoterapia se apresenta na seguinte tabela:

  CRÉDITOSa DURAÇÃOb HORAS
Disciplinas 15 6 150

a. A equivalência em créditos pode variar de acordo com a universidade que titula
b. Duração em meses

Objetivos

Objetivo geral:

  • Proporcionar ao profissional as bases do conhecimento na elaboração de dietas, assim como do tratamento nutricional a ser realizado em determinadas patologias e a aplicação das plantas medicinais nas mesmas.

Objetivos específicos:

  • Oferecer uma formação nos temas mais relevantes que engloba o estudo da Nutrição e da Dietética.
  • Informar sobre hábitos alimentares corretos e as conseqüências negativas que pode ocorrer em não segui-los.
  • Compartilhar experiências, conhecimentos profissionais e pessoais referente ao tema, mediante o Campus Virtual.

Saídas Profissionais

Algumas das saídas profissionais do programa de Elaboração de Dietas e Dietoterapia são as seguintes:

  • Docente em programas de ensino regularizado e não regularizado, profissional sanitarista, profissional de serviços de restaurante, centros de informações ao consumidor, associações de enfermos crônicos, colégios, centros cívicos, centros esportivos, etc.
  • Responsáveis por empresas de restaurantes coletivos: colégios, catering, hotéis, hospitais, geriátricos, etc.
  • Pesquisador científico em temas relacionados com a alimentação.
  • Técnico em departamento de Pesquisa e Desenvolvimento (I D) da indústria farmacêutica ou alimentar.
  • Técnico em departamento de Marketing da indústria farmacêutica ou alimentar.
  • Técnico em departamento de Qualidade da indústria farmacêutica ou alimentar.
  • Comercial em empresas alimentícias ou farmacêuticas com uma linha de produtos com características nutritivas concretas.

Observação: O exercício das profissões é regulado pela legislação de cada país.

Plano de estudos

O curso de Elaboração de Dietas e Dietoterapia está estruturado em 5 disciplinas que, apesar de serem relativamente independentes entre si, estão estruturadas segundo uma ordem pedagógica coerente, razão pela qual o aluno deverá seguir a ordem cronológica pautada em seu estudo.

O objetivo da estrutura do programa é fazer com que os alunos adquiram uma idéia global da Dietética e que conheçam os fundamentos na hora de realizar dietas tanto para pessoas saudáveis que apresentem alguma patologia específica.

As disciplinas e horas correspondentes se apresentam na seguinte tabela:

Descrições dos Cursos

  1. NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO ORGANISMO HUMANO

    Estudo da célula e cálculo das necessidades energéticas através de fórmulas e métodos internacionais.

    CONCEITO DE NUTRIÇÃO
    Definição de nutrição. Mecanismos de transporte: difusão simples, transporte mediado. A dietética.
    A CÉLULA
    Morfologia da célula eucariota: membrana plasmática, citoplasma e núcleo. Fisiologia celular: funções de nutrição, relação e reprodução. Morfologia da célula procariota: as bactérias e as cianobactérias.
    NUTRIENTES
    Macronutrientes e micronutrientes. Nutrientes essenciais e não-essenciais.
    OBTENÇÃO DE ENERGIA PELO ORGANISMO
    Conversão da energia química presente nos macronutrientes em energia de trabalho corporal. Energia metabolizável.
    VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS
    Bomba calorimétrica. Energia proporcionada pelos alimentos.
    NECESSIDADES ENERGÉTICAS DO ORGANISMO
    Componentes do gasto energético total: metabolismo basal, atividade física e efeito térmico dos alimentos. Quantificação dos gastos energéticos: calorimetria direta e indireta.
    INGESTÕES DIÁRIAS RECOMENDADAS E OBJETIVOS NUTRICIONAIS
    Requerimentos nutricionais. Ingestões diárias recomendadas em lactentes, crianças, adolescentes e grávidas e lactantes. Considerações práticas acerca das ingestões recomendadas. Objetivos nutricionais para a população espanhola.
    GUIAS ALIMENTARES
    Pirâmide alimentar: estrutura e porção alimentar. Guia alimentar do consumidor.
  2. TABELAS DE COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS E ELABORAÇÃO DE DIETAS

    Trata-se de obter um primeiro contato com as Tabelas de composição de alimentos para conhecer as suas aplicações, limitações, etc. Na segunda parte se estudará como deve realizar-se uma dieta.

    GRUPOS DE ALIMENTOS
    Introdução. Grupos de alimentos segundo a FAO/OMS. Grupos de alimentos segundo outros critérios. Gamas de produtos.
    TABELAS DE COMPOSIÇÃO ALIMENTAR
    Introdução. Evolução histórica. Usos e aplicações. Elaboração e projeto. Seleção de alimentos e nutrientes. Fontes de dados. Expressão de dados. Fontes de variabilidade e de erro. Fatores intrínsecos ao alimento. Fatores de tipo metodológico. Conteúdo das tabelas de composição. Conteúdos básicos. Conteúdos de apoio. Erros mais freqüentes no uso das tabelas de composição dos alimentos.
    ELABORAÇÃO DE DIETAS
    Introdução. Pautas de acompanhamento na elaboração de uma dieta. Sistema de tabelas de alimentação. Sistema de porções ou de equivalência. Tabela de porções o equivalência. Equivalências em pesos. Equivalências por porções. Valores normais analíticos. Pesos ideais. Procedimento a seguir na elaboração de uma dieta.
    TIPOS DE DIETAS
    Dietas absurdas. Dietas tóxicas. Dietas de emagrecimento não equilibradas. Dietas monótonas. Práticas dietéticas islâmicas. Práticas dietéticas judaicas. Práticas dietéticas hinduístas.
  3. NUTRIÇÃO EM SITUAÇÕES FISIOLÓGICAS

    Informação sobre como se deve nutrir uma pessoa em diferentes estágios evolutivos: gestação, lactação, infância, adolescência e na velhice.

    NUTRIÇÃO E GESTAÇÃO
    Introdução. Ajustes fisiológicos durante a gestação. Ingestões recomendadas. Exemplos de cardápios para mulheres gestantes. Problemas relacionados com a nutrição na gestação. Considerações sobre o efeito do álcool, dos fármacos e do tabaco na gestação. Conselhos práticos para a grávida.
    NUTRIÇÃO E LACTAÇÃO
    Introdução. Características fisiológicas da lactação. Ingestões recomendadas. Exemplo de cardápio para mulheres lactantes. Considerações gerais sobre o uso do tabaco, álcool, fármacos e de alguns componentes dietéticos na lactação. Vantagens da lactação natural. Declaração de Inocência.
    NUTRIÇÃO INFANTIL
    Introdução. Crescimento. Período de amadurecimento nutricional. Sociabilização e amadurecimento psicológico. Nutrição do lactente. Lactância artificial. Alimentação complementar ("Beikost"). Ingestões recomendadas. Proposta de calendário de alimentação durante o primeiro ano de vida. Cardápios padrão em diferentes etapas da lactância.
    NUTRIÇÃO NA INFÂNCIA
    Nutrição na idade maternal: características fisiológicas e psicológicas, ingestões recomendadas, guia dietético, exemplo de cardápio. Nutrição na idade pré-escolar e escolar: características fisiológicas e psicológicas, ingestões recomendadas, guia dietético, exemplo de cardápio. Refeitório escolar e sua função sociabilizadora.
    NUTRIÇÃO NA ADOLESCÊNCIA
    Introdução. Características fisiológicas e psicológicas. Fatores que condicionam a dieta do adolescente. Ingestões recomendadas. Recomendações alimentícias. Recomendações gerais. Problemas nutricionais na adolescência.
    NUTRIÇÃO E VELHICE
    Introdução. Características fisiológicas da velhice. Ingestões recomendadas. Exemplo de cardápio para a terceira idade. Desnutrição: fatores de risco, conseqüências, prevenção. A atividade física na velhice. Fármacos na velhice Outros fatores que intervêm na nutrição na idade avançada. Ações-chave para uma melhor alimentação do ancião.
  4. NUTRIÇÃO EM SITUAÇÕES PATOLÓGICAS DE GRANDE PREVALÊNCIA

    Estudo das enfermidades de obesidade, diabetes, hipertensão arterial, arteroscleroses, osteoporoses, câncer, saúde bucodental, constipação instestinal e alcool e nutrição.

    OBESIDADE
    Definição e prevalência. Quantificação da obesidade. Composição corporal e tipos de obesidade. Fisiologia do tecido adiposo. Etiopatogenia da obesidade. Obesidade e riscos para a saúde. Tratamento de emagrecimento. Dieta de manutenção.
    DIETA E DIABETES
    Definição e critérios diagnósticos. Prevalência. Classificação. Alterações metabólicas . Tratamento do paciente diabético.
    NUTRIÇÃO NA VASCULOPATIA HIPERTENSIVA (HIPERTENSÃO ARTERIAL)
    Conceito. Prevalência. Diagnóstico. Bases fisiológicas da pressão arterial. Classificação e fisiopatologia. Efeitos da hipertensão arterial. Tratamento.
    NUTRIÇÃO E ATEROSCLEROSE
    Introdução. Fases de formação do ateroma. Fatores de risco. Manifestações clínicas. Prevenção e tratamento da enfermidade cardiovascular.
    OSTEOPOROSE
    Constituição do osso. Dinâmica óssea. Regulação endócrina do cálcio. Etiologia. Prevalência. Evolução fisiológica da estrutura óssea. Fatores de risco. Prevenção e tratamento.
    NUTRIÇÃO E CÂNCER
    Introdução. Processos de cancerogênese por agentes químicos. Influência da nutrição no processo de cancerogênese. Recomendações alimentares na prevenção do câncer. Nutrição e câncer.
    SAÚDE BUCODENTAL E NUTRIÇÃO
    Introdução. Bases morfológicas e fisiológicas do dente. Cárie dental: evolução, etiologia, patogenia e prevenção. Enfermidade periodontal: evolução, sintomatologia, fisiopatologia e nutrição, prevenção e tratamento.
    CONSTIPAÇÃO INTESTINAL
    Características gerais, sintomatologia e prevalência. Etiologia e fisiopatologia. Tratamento nutricional e alimentar. Considerações farmacológicas.
    ÁLCOOL E NUTRIÇÃO
    Introdução. Aspectos digestivos e metabólicos do álcool. Considerações nutricionais sobre o álcool. Álcool e estado nutricional.
  5. FITOTERAPIA

    Estudar as diferentes formas de preparação, as drogas principais e sua aplicação com benefícios fitoterapêuticos.

    GENERALIDADES
    Conceito e conteúdo da fitoterapia. Breve histórico da fitoterapia. Atualidade da Fitoterapia.
    LEGISLAÇÃO DAS PLANTAS MEDICINAIS
    Legislação. Linhas gerais. Evolução da legislação das plantas medicinais. Lei do medicamento.
    DA PLANTA AO PREPARO GALÊNICO
    Técnicas de obtenção, colheita, secagem e armazenamento e plantas medicinais. Principais formas de preparação das plantas medicinais: tisanas, infusões, decocções e macerações. Outros preparados.
    CONSTITUINTES QUÍMICOS DAS DROGAS
    Generalidades. Glicídios. Saponinas. Heterosídeos. Fenólicos monocíclicos. Heterosídeos cumarínicos. Heterosídeos flavônicos. Heterosídeos antociânicos. Taninos. Heterosídeos antraquinônicos e naftoquinonas. Heterosídeos cardiotônicos. Heterosídeos sulfurosos e cianogenéticos. Lipídios. Óleos essenciais. Resinas e derivados. Alcalóides. Outros.
    FITOTERAPIA APLICADA
    Fitoterapia do Sistema Nervoso Central: depressores centrais, estimulantes centrais, antitérmicos. Fitoterapia da dor e da inflamação. Fitoterapia do aparelho respiratório: antitussígenos, drogas ativas sobre vias respiratórias altas, drogas ativas sobre as vias respiratórias baixas.
    FITOTERAPIA GENITOURINÁRIA: DIURÉTICOS, ANTI-SÉPTICOS URINÁRIOS, ANTIPROSTÁTICOS
    Fitoterapia do aparelho digestivo: drogas de ação sobre o estômago, drogas ativas sobre o trato intestinal, drogas ativas sobre o trato hepatobiliar. Fitoterapia do metabolismo: eméticos e antieméticos, hipolipemiantes, tônico - vitalizantes, vitaminas, fitoterapia antiobesidade. Fitoterapia cardiovascular: cardiotônicos, antiarrítmicos, vasodilatadores coronários, anticoagulantes e antiagregantes, anti-hipertensivos. Fitoterapia dermatológica: anti-sépticos e cicatrizantes, hemostáticos, protetores.
    MONOGRAFIAS DO APARELHO DIGESTIVO, METABOLISMO E APARELHO GENITO URINÁRIO
    Aparelho digestivo: carminativos e estomacais, laxantes e purgantes, antidiarréicos, coleréticos, hepatoprotetores. Metabolismo: tônicos - vitalizantes. Aparelho genitourinário: diuréticos, antiprostáticos.

Nota: O conteúdo do programa acadêmico pode ser submetido a ligeiras modificações, em função de atualizações ou melhorias efetuadas.

Direção

Direção Acadêmica Geral

  • Dr. José Mataix Verdú (in memoriam). : Catedrático de Fisiologia da Universidad de Granada. Diretor da Área de Saúde e Nutrição da Fundação Universitária Iberoamericana.

Coordenação Geral Acadêmica

  • Dña. Irma Domínguez Azpíroz. Coordenadora Internacional.

Professores e Autores

  • Dr. José Mataix Verdú (in memoriam). Catedrático de Fisiologia da Universidad de Granada. Diretor da Área de Saúde e Nutrição da Fundação Universitária Iberoamericana.
  • Dr. Juan Llopis González. Professor Titular de Fisiologia. Professor da Escola de Nutrição da Universidad de Granada.
  • Dr. (c) Iván Iglesias Cid. Professor da Faculdade de Nutrição Humana e Dietética da Universidad Ramon Llull (Barcelona).
  • Dra. Margarita Sánchez Campos. Catedrática de Fisiologia. Subdiretora da Escola de Nutrição da Universidad de Granada.
  • Dra. Magdalena López Frías. Professora Titular de Fisiologia. Secretaria da escola de Nutrição da Universidad de Granada.
  • Dr. Luis García Torres. Professor Titular de Fisiologia. Professor da escola de Nutrição da Universidad de Granada.
  • Sra. María Rafaela Rosas Morales. Mestrado em Administração e Direção de Empresas Agroalimentar pela Universidad de Barcelona - I.G.I.A. Licenciada em Ciência e Tecnologia dos Alimentos. Universidad de Barcelona. Licenciada em Farmácia. Universidad de Barcelona.
  • Sra. Irma Domínguez Azpíroz. Diplomada em Nutrição Humana e Dietética. Universidad de Navarra.
  • Sra. Sandra Sumalla Cano. Licenciada em Ciência e Tecnologia dos Alimentos. Universidad de Barcelona. Diplomada em Nutrição Humana e Dietética. Universidad de Barcelona.

Bolsa de Trabalho

A Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) destina periodicamente um valor econômico de caráter extraordinário para Bolsas de estudo em Formação FUNIBER.

Para solicitá-la, preencha o formulário de solicitação de informação que aparece no portal FUNIBER ou entre em contato diretamente com a sede da fundação em seu país para saber se é necessário proporcionar alguma informação adicional.

Uma vez que tenhamos recebido a documentação, o Comitê Avaliador examinará a idoneidade de sua candidatura para a concessão de um incentivo econômico na forma de Bolsa de estudo em Formação FUNIBER.