Engenharia Ambiental: Tratamento de Efluentes Gasosos

Apresentação do Programa

A poluição atmosférica é um subproduto não desejado gerado nas instalações e nos processos industriais, e à qual se tem destinado meios e recursos, ou seja, equipamentos, instalações e formas de gestão visando evitá-la, quando não controlá-la dentro de determinados limites.

O meio diretamente afetado é o atmosférico, isto é, a camada gasosa de apenas algumas dezenas de quilômetros que envolve a Terra e que, dada sua aparente magnitude, pode dar a pensar que os problemas sobre ele são de menor magnitude que os provocados nos meios hídrico e litológico.

A partir de um enfoque eminentemente prático, o programa de Engenharia Ambiental: Tratamento de Efluentes Gasosos aborda essa problemática e propõe estratégias de controle e redução baseadas na poluição na origem, à margem das soluções de tratamento e correção que, na maior parte dos casos, consegue apenas uma transferência de poluentes de um meio físico para outro.

A quem é dirigido

O Programa de Engenharia Ambiental: Tratamento de Efluentes Gasosos foi criado especialmente para satisfazer a dois tipos diferentes de grupos:

  • Pessoas sem uma titulação universitária que, por suas próprias características pessoais ou experiência, podem alcançar uma formação de qualidade neste campo.
  • Titulados superiores que, além da formação de base, desejam uma especialização prática no uso industrial para que tenham possibilidade de ampliar suas aberturas profissionais.

Titulação

Ao finalizar o Programa com êxito, o aluno receberá um diploma expedido pela universidade na qual tenha se matriculado com o patrocínio da Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER).

Estrutura do Programa

A duração estimada do programa de Engenharia Ambiental: Tratamento de Efluentes Gasosos é de 100 horas (10 créditos)1.

Com relação à distribuição do tempo, estabelece-se que:

  • Por ser um Programa a distância e não estar sujeito à formação de classes presenciais, não se estabelece uma data concreta de início, razão pela qual o aluno possa formalizar sua matrícula a qualquer momento, sempre que haja vagas disponíveis.
  • Por motivos acadêmicos e de aprendizagem, dispõe-se de uma duração mínima de um mês para a realização do Programa, contabilizada a partir da data de entrega do tomo até a data de recepção do exercício de avaliação.
  • O tempo máximo do qual se dispõe para realizar o Programa é de três meses. Nesse período de tempo, o aluno deve ter entregue a avaliação correspondente à disciplina.

A estrutura de créditos do programa de Engenharia Ambiental: Tratamento de Efluentes Gasosos é apresentada na seguinte tabela:

  CRÉDITOSa DURAÇÃOb HORAS
Disciplinas 10 3 100

a. A equivalência em créditos pode variar de acordo com a universidade que titula
b. Duração em meses

Objetivos

Objetivo geral:

  • Adquirir os conocimientos básicos necesssários para aplicar técnicas de tratamento dos efluentes gasosos na empresa, propondo metodologias e ações para minimizar a produção deste tipo de resíduos em seus processos.

Objetivos específicos:

  • Conhecer a informação básica necessária à correta gestão dos poluentes atmosféricos gerados pelas diversas atividades industriais.
  • Discernir entre os conceitos de emissão e imissão e entender os modelos matemáticos de dispersão deste tipo de contaminantes.
  • Avaliar os métodos corretivos e técnicas mais adequadas às diferentes situações de poluição atmosférica na indústria.
  • Conhecer as principais técnicas de coleta de poluentes atmosféricos, conforme sua natureza sólida ou gasosa.
  • Avaliar o nível de concentração de um determinado contaminante utilizando técnicas laboratoriais.

Saídas Profissionais

Algumas das saídas profissionais do programa de Engenharia Ambiental: Tratamento de Efluentes Gasosos são:

  • Ocupação em prefeituras municipais, como técnico/assessor em eficiência energética.
  • Ocupação em redes de vigilância atmosférica.
  • Manutenção de instrumental e aparelhos utilizados no tratamento de gases.
  • Trabalho em laboratórios de análise de amostras.
  • Docência.

Plano de estudos

O programa de Engenharia Ambiental: Tratamento de Efluentes Gasosos é composto por uma disciplina, incluindo casos práticos de tratamento de efluentes.

A disciplina permite conhecer e compreender, em primeiro lugar, os fundamentos teóricos, conceituais e históricos implicados na gestão de fumaças e, em segundo lugar, sua implementação organizacional, social e tecnológica.

O objetivo é fazer com que os alunos adquiram uma visão global da gestão de efluentes gasosos, através de diferentes temáticas multidisciplinares relacionadas.

Os capítulos que compõem a disciplina são apresentados na seguinte tabela:

Descrições dos Cursos

Nesta disciplina são descritos aqueles poluentes que podem causar efeitos prejudiciais sobre o homem e seu entorno, produto principalmente do emprego de combustíveis fósseis na geração de energia, sistemas de calefação e veículos a motor. Assim, enunciam-se os conceitos de emissão e imissão dos poluentes e as medidas corretivas impostas em todas as indústrias, cujo objetivo é a não ultrapassagem dos níveis de qualidade plausíveis durante o tempo em que permanece em funcionamento a instalação em condições normais.

NATURALEZA DOS POLUENTES ATMOSFÉRICOS
Origem dos poluentes industriais: normativa aplicável e emissões atmosféricas. A combustão, os combustíveis fósseis e a poluição atmosférica: fração particulada e fração gasosa.
EMISSÃO E IMISSÃO
Emissão. Imissão. Formas de valoração das concentrações de emissão e Imissão. Dispersão de poluentes atmosféricos. Modelos de dispersão. Bases físicas da dispersão de poluentes na atmosfera. Modelo de pluma gaussiana. Modelo fotoquímico euleriano. Modelo de partículas lagrangianas. Conclusões.
CORREÇÃO DAS EMISSÕES GASOSAS
Emissão e legislação. Caracterização de emissões procedentes de instalações industriais. Sistemas de correção: ciclones, filtros de manga, eletrofiltros, absorção, adsorção, entre outras. Características principais das chaminés. Descrição de casos concretos de correção de emissões gasosas: indústria do cimento, indústria do vidro, indústria da fundição, incineradoras, centrais térmicas alimentadas de carvão.
AMOSTRAGEM DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS
Introdução. Captação de poluentes atmosféricos. Medidores de vazão de ar. Medidores de volume de ar mediante métodos indiretos: manômetro, medidor de orifício, rotâmetro, tubo Pitot, entre outros. Amostragem de partículas: amostragem por gravidade, amostragem por filtração, amostragem mediante sonda em condições isocinéticas, número de pontos de coleta de amostras em fontes de emissão. Amostragem de gases.
ANÁLISE DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS
Introdução. Análise de partículas: gravimetria, opacimetria, reflectometria da luz, dispersão da luz, atenuação da radiação beta. Análise de dióxido de enxofre (SO2). Análise de monóxido de carbono (CO). Análise de óxidos de nitrogênio (NOx). Análise de ozônio (O3). Análise de compostos orgânicos voláteis (COV´s).
CASOS PRÁTICOS
Exemplo matemático de modelização da coluna de fumaça para o estudo da dispersão de poluentes atmosféricos.

    1. A equivalência em créditos pode variar de acordo com a universidade que titula

    Nota: O conteúdo do programa acadêmico pode ser submetido a ligeiras modificações, em função de atualizações ou melhorias efetuadas.

     

    Direção

    • Dr. Antonio Maya Frades. Doutor em Geografia. Professor da Universidade de León, Espanha.
    • Dra. Leonor Calvo Galván. Doutora em Ciências Biológicas. Professora da Universidade de León, Espanha.
    • Dr. Xavier Elías Castells. Doutor em Engenharia Industrial. Diretor da Bolsa de Subprodutos da Catalunha, Espanha.
    • Dr. Alexandre Rivas. Ph.D. em Economia – Diretor do Centro de Ciências do Ambiente – Universidade Federal do Amazonas, Brasil.
    • Engº. Omar Gallardo. Engenheiro Civil de Minas. Professor da Universidade de Santiago do Chile, Chile.
    • Dra. Rosalba Guerrero Aslla. Doutora em Engenharia Metalúrgica. Professora da Universidade de Piura, Peru.
    • Engª. Icela Márques de Rojas. Engenharia Civil. Professora da Universidade Tecnológica do Panamá, R. P. Panamá.
    • Mtra. Emilia Gámez Frías. Professora da Universidade de Guadalajara, México.
    • Dr. Roberto M. Álvarez. Doutor em Engenharia de Projetos, pela Universidad Politécnica de Cataluña, Espanha, Mestre em Gerenciamento de projeto e de desenho, pela Politécnica de Milán, Itália. Professor da Universidad de Buenos Aires, Argentina. Diretor da Fundación Universitaria Iberoamericana (FUNIBER) Argentina.
    • Dr. Oscar Arizpe Covarrubias. Chefe do Laboratorio Ecologia de Sistemas Costeiros. Professor-Pesquisador Titular C de Dedicação Exclusiva, Chefe do Laboratorio Universidad Autónoma de Baja California Sur.

    Professores e Autores

    • Dr. José Ulises Rodríguez Barboza. Doutor em Engenhria de Estradas, Canais e Portos (UPC).
    • Dr. Otoniel A. Sanabria Artunduaga. Doutor em Engenharia de Estradas, Canais e Portos (UNAL).
    • Dr. (c). D. Eduardo García Villena. Engenheiro Industrial e Mestre em Engenharia Ambiental (UPC).
    • Dr. (c). D. Kilian Tutusaus Pifarré. Licenciado em Ciências do Mar (ULPGC).
    • Engª. Diana I. Quintero Torres. Mestre em Engenharia Ambiental (Universidade Nacional de Colômbia).

    Bolsa de Trabalho

    A Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) destina periodicamente um valor econômico de caráter extraordinário para Bolsas de estudo em Formação FUNIBER.

    Para solicitá-la, preencha o formulário de solicitação de informação que aparece no portal FUNIBER ou entre em contato diretamente com a sede da fundação em seu país para saber se é necessário proporcionar alguma informação adicional.

    Uma vez que tenhamos recebido a documentação, o Comitê Avaliador examinará a idoneidade de sua candidatura para a concessão de um incentivo econômico na forma de Bolsa de estudo em Formação FUNIBER.