Mestrado em Competências Profissionais em Projetos

Apresentação do Programa

Em um mundo cada vez mais exigente e competitivo, os profissionais que aspiram a participar de equipes de projeto ou que têm aspirações de liderar ou coordenar equipes de trabalho devem ser capazes de demonstrar competências para ocupar esses lugares, ou seja, habilidades, conhecimentos, valores e aptidões. Nos projetos, isso implica uma atitude proativa, positiva, impulsora e comprometida; uma maneira de trabalhar e de enfrentar os desafios, com intenções de progresso contínuo e em que a experiência agrega conhecimento, consolidando uma maneira de agir e atuar em equipe.

Atualmente, todas as áreas de trabalho exigem um alto grau de competitividade e competência de seus profissionais. O valor agregado dos programas da área refere-se a essa nova maneira de capacitar todas as pessoas que buscam aperfeiçoar suas próprias qualidades e habilidades, adotando as virtudes e as vantagens competitivas que proporciona o trabalho em projetos e suas ferramentas.

Aumentar as chances de sucesso em um projeto dependerá em grande parte da competência das pessoas que o desenvolvem, o que determinará as capacidades para gerenciar a qualidade de seus processos, as expectativas em relação ao processo, o cronograma, os recursos e as partes interessadas e suas pretensões.

A quem é dirigido

O Mestrado em Competências Profissionais em Projetos é orientado a formar profissionais em todas as áreas, dinâmicos, criativos e motivados para liderar projetos. Também para aqueles interessados em participar de equipes de trabalho de projeto ou em direcioná-las, com uma visão estratégica para implementar projetos comprometidos social e culturalmente.

O Mestrado forma profissionais da área de Project Management para atuar em posições gerenciais e líderes de equipes de projeto em instituições públicas ou privadas, Organizações da Sociedade Civil (ONGs) e outras instituições em todas as áreas e recursos relacionados aos campos intervenientes.

Titulação

A conclusão com êxito do Programa permitirá a obtenção do Mestrado em Competências Profissionais em Projetos. Após a conclusão com sucesso do Programa, o aluno receberá o diploma concedido pela Universidade em que tenha se matriculado.

Certificação Profissional

Por meio do convênio de cooperação que a FUNIBER mantém com a Associação de Gestão de Projetos Argentina, AGPA e o Organismo de Certificação IPMA Argentina, OCIA, cada aluno tem a possibilidade de se tornar profissionalmente certificado como Técnico em Direção de Projetos IPMA Nível D.

Para se candidatar à Certificação de Nível “D” do IPMA (Técnico em Direção de Projetos.) (*), O aluno deve estar inscrito para a certificação e ter concluído o Módulo de Elaboração do Projeto.

A certificação consiste na realização de um exame ditado pela OCIA.

(*) Exclusivo para estudantes residentes na América

Para mais informações:
https://agpa.org.ar/ocia/
ocia@agpa.org.ar

Apresentação de projetos à FIDBAN

A Fundación Innovación y Desarrollo (FIDBAN), patrocinada pela FUNIBER e outras instituições, é uma organização sem fins lucrativos que busca vincular projetos empreendedores rentáveis que precisam de financiamento com possíveis investidores de capital.

É uma rede internacional formada por Sessões em 30 países da Europa, América, África e Ásia. Mais informações: https://www.fidban.com/

Os grupos de trabalho do Mestrado terão a possibilidade de aplicar seus projetos à FIDBAN a possíveis investidores a fim de obter financiamento. Isso acontecerá assim que o anteprojeto acadêmico seja aprovado.

Haverá um prazo de apresentação por ano. Deverá ser devidamente publicado, bem como a notificação sobre a rodada de investimentos em que o projeto será apresentado.

Processo de Candidatura

Ao final do projeto preliminar, os interessados deverão apresentar seu projeto ao comitê do Departamento Acadêmico de Projetos, DAP, formado por profissionais especialistas em projetos, que autorizarão ou não a apresentação do projeto à FIDBAN.

As datas das rodadas de exposição do projeto serão informadas pela FIDBAN assim que os projetos forem selecionados.

O DAP acompanhará as partes interessadas durante o processo administrativo que elas devem cumprir.

Estrutura do Programa

A duração estimada do programa Mestrado em Competências Profissionais em Projetos é de 900 horas (90 créditos).

Quanto à distribuição do tempo, é estabelecido que:

  • Por se tratar de um Programa a distância e não estar sujeito a aulas presenciais, não é estabelecida uma data específica de início, para que o aluno possa formalizar a inscrição a qualquer momento, desde que haja vagas disponíveis.
  • O tempo máximo disponível para concluir o programa é de vinte e quatro meses. Nesse período, o aluno deve ter sido aprovado em todas as atividades avaliadas e o Projeto Final de Mestrado ou Tese ter sido aprovado.

A estrutura de crédito do programa de Mestrado em Competências Profissionais em Projetos é mostrada na tabela a seguir. Deve-se notar que a duração é meramente de orientação, uma vez que metodologia seguida integra os conhecimentos e habilidades a serem adquiridos em cada parte, mediante integração de exercícios para adquirir conhecimento e internalizar as práticas do projeto.

Este programa tem a colaboração da AGPA, membro do IPMA.

A estrutura e os créditos correspondentes que compõem o programa são mostrados na tabela a seguir:

  CRÉDITOSa HORAS
1ª Parte: Desenho de Projetos 25 250
2ª Parte: Competências Pessoais 15 150
3ª Parte: Competências Contextuais 16.5 165
4ª Parte: Competências Práticas 23.5 235
5ª Parte: Projeto Final de Mestrado 10 100
TOTAL 90 900

a. A equivalência em créditos pode variar dependendo da universidade em que você se formar. Um (1) crédito ECTS (European Credit Transfer System) equivale a 10 + 15 horas. Se o aluno frequentar o Programa matriculado em uma universidade não pertencente ao Espaço Europeu de Educação Superior (EHEA), a relação entre créditos - horas pode variar.

Objetivos

Objetivo general

  • Desenvolver competências em direção de projetos, formando profissionais que dominem e apliquem conceitos técnicos e éticos e orientem-se para um plano de carreira como diretores de projeto.

Objetivos específicos

  • Analisar e interpretar o relacionamento entre portfólios, programas e projetos e como eles são enquadrados nas organizações permanentes.
  • Adquirir conhecimentos e habilidades para a direção de projetos, trabalhando em colaboração com profissionais de diferentes disciplinas.
  • Aplicar, com uma abordagem teórica e prática, os elementos-chaves para a formulação e gestão de projetos, com uma visão correlacionada com o mercado globalizado multicultural.
  • Adquirir e aplicar ferramentas para a análise de cenários e gestão de stakeholders, que contribuam para reduzir riscos e aumentar as chances de sucesso nos projetos.
  • Conhecer e interpretar as implicações de cada fase do ciclo de vida do projeto, identificando o papel do diretor do projeto.
  • Utilizar uma metodologia adequada à elaboração de um projeto, que permita sua aplicação a casos específicos.
  • Conhecer normas internacionais relacionadas à área de projetos, para facilitar a solicitação a certificações.

Saídas Profissionais

Algumas das oportunidades profissionais do programa de Competências Profissionais em Projetos:

  • Direção e gestão de projetos interdisciplinares em todas as áreas comprometidas com o Project Management.
  • Participação em equipes de trabalho interdisciplinares e multiculturais.
  • Consultoria em management.
  • Participação em equipes de estudo e pesquisa associada à direção e gestão de projetos.

Plano de estudos

O programa de Mestrado em Competências Profissionais em Projetos possui uma estrutura curricular baseada em 5 partes de formativas:

  • 1ª PARTE: DESENHO DE PROJETOS (250 HORAS)

O bloco Desenho do Projeto permite introduzir metodologias de trabalho para gerar e gerenciar com eficiência a avaliação do projeto e o conhecimento gerado ao longo dele.

O conhecimento adquirido em todas as disciplinas será avaliado mediante uma série de exercícios. A ideia é que, uma vez que esses exercícios tenham sido estudados e suas dúvidas sejam resolvidas, você inicie o trabalho de aplicar o conhecimento das disciplinas ao desenvolvimento de seu próprio projeto, durante todo o curso, com o apoio e aconselhamento da consultoria acadêmica.

  • 2ª PARTE: COMPETÊNCIAS PESOAIS (150 HORAS)

O Módulo de Competências Pessoais é composto por disciplinas que têm como objetivo a aquisição de ferramentas e competências que fazem a direção de um projeto em relação à liderança, comunicação, relacionamentos, compromissos, etc. que deve ter um Orientador de Projeto para poder cumpra com sua tarefa da melhor maneira.

Essas disciplinas, apesar de independentes, são estruturadas de acordo com uma ordem pedagógica coerente. Cada uma é dividida em unidades temáticas básicas ou capítulos, cujo conteúdo inclui o material impresso que o aluno recebe, para facilitar o processo de elaboração das atividades de avaliação.

  • 3ª PARTE: COMPETÊNCIAS CONTEXTUAL (165 HORAS)

O Módulo Competência Contextual inclui o conhecimento e as competências básicas sobre o contexto do projeto e todos os elementos que o compõem.

3ª PARTE: COMPETÊNCIAS CONTEXTUAIS
# DISCIPLINAS HORAS
1 Direção e Planejamento Estratégico 30
2 Marco Lógico 30
3 Sucesso na Direção de Projetos 50
4 Cultura e Clima Organizacional 25
5 Produto e Meio Ambiente 30
TOTAL 165

Essas disciplinas, apesar de independentes entre si, estão estruturadas de acordo com uma ordem pedagógica coerente. Cada um é dividido em unidades temáticas básicas ou capítulos, cujo conteúdo inclui o material impresso que o aluno recebe, para facilitar o processo de desenvolvimento das atividades de avaliação.

  • 4ª PARTE: COMPETÊNCIAS PRÁTICAS (235 HORAS)

Esse bloco de disciplinas está relacionado às características técnicas que devem ser levadas em consideração na direção de um projeto, bem como os condicionantes do mesmo.

Esses sujeitos, apesar de independentes, são estruturados de acordo com uma ordem pedagógica coerente. Cada um é dividido em unidades temáticas básicas ou capítulos, cujo conteúdo inclui o material impresso que o aluno recebe, para facilitar o processo de desenvolvimento das atividades de avaliação.

  • 5ª PARTE: PROJETO FINAL DE MESTRADO (100 HORAS)

Esse bloco de disciplinas está relacionado às características técnicas que devem ser levadas em consideração na direção de um projeto, bem os condicionantes do mesmo.

5ª PARTE: PROJETO FINAL DE MESTRADO
# DISCIPLINAS HORAS
1 Projeto Final de Mestrado 100
TOTAL 100

Descrições dos Cursos

1ª PARTE: ELABORAÇÃO DO PROJETO

  1. INTRODUÇÃO A PROJETOS

    A presente disciplina é introduzida, dentro de uma estrutura teórica e de maneira geral, os conceitos de "Projeto", tais como: fases do projeto, sistemas em projetos, trabalho colaborativo e gestão do conhecimento para o sucesso do projeto, a elaboração de projetos. A fim de estabelecer uma base de conhecimentos propícia ao desenvolvimento das seguintes disciplinas.

    INTRODUÇÃO GERAL E TEÓRICA
    AS FASES DO PROJETO
    SISTEMAS EM PROJETOS
    TRABALHO COLABORATIVO E A GESTÃO DO CONHECIMENTO PARA O SUCESSO DO PROJETO
  2. DESENHO DE SISTEMAS PROJETIVOS

    Fornece conceitos relacionados à identificação do cenário do projeto, os fatores que condicionarão a solução, a proposta do Problema Técnico, a formulação dos objetivos, os critérios com os quais o sucesso do projeto será avaliado, bem como a identificação e análise de todas as pessoas e as coisas envolvidas na solução do problema, entendidas como peças fundamentais no trilogia homem-sistema artificial-ambiente.

    CENÁRIO DO PROJETO
    PROBLEMA TÉCNICO
    PESSOAS E COISAS ENVOLVIDAS NA RESOLUÇÃO DO PROBLEMAS
  3. ANÁLISE DOS SERVIÇOS A PRESTAR

    O presente tema desenvolve, estuda e determina as condições de fornecimento e abastecimento entre as necessidades dos clientes e o que a ciência e a engenharia forneceriam como solução, considerando essa solução, como o próprio projeto, e requer que definamos o serviço "desejado" para obter como resultado do projeto.

    ANÁLISE DO FORNECIMENTO E DO ABASTECIMENTO
    O SERVIÇO DESEJADO E AS CONDIÇÕES DE PRESTAÇÃO
  4. ANÁLISE FUNCIONAL NO PROJETO

    Durante o desenvolvimento desta disciplina, pretendemos determinar as funções técnicas e de serviço a serem satisfeitas, pelo projeto que estamos projetando, por meio de "ferramentas conceituais", como a árvore de funções de serviço, a proposta do sistema de projeto, a análise de valor e qualidade na fase do projeto.

    ÁRVORE DE FUNÇÕES DE SERVIÇO
    PROPOSTA DO SISTEMA PROJETO
    ANÁLISE DO VALOR E QUALIDADE NA FASE DE PROJETO
  5. A ERGONOMIA NO PROJETO

    Essa disciplina trata da compreensão do papel das pessoas em suas atividades e usos, na solução de um projeto e em seu relacionamento com outras pessoas e com máquinas, para as quais é estabelecida uma classificação de usuários, medidas de segurança etc.

    O ESTADO DO BEM-ESTAR DOS USUÁRIOS DO SISTEMA E SUAS LIMITAÇÕES
    ERGONOMIA E SEGURANÇA DO SISTEMA
  6. SEGURANÇA E CONFIABILIDADE DO PROJETO

    Essa disciplina aborda temas relacionados ao entendimento de aspectos de segurança e viabilidade de uma solução de projeto, contemplando seus estados de vida, seu ciclo de vida, nível de sistema e seus componentes, incluindo pessoas, máquinas e suas relações.

    SEGURANÇA, RISCO E CONFIANÇA
    SEGURIDAD INDUSTRIAL, ORGANIZACIONAL E NORMATIVA
    NORMAS E PADRÕES DE SEGURANÇA
    TIPOS DE RISCO, CLASSIFICAÇÃO E GERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS
    FIABILIDADE E CONFIANÇA
  7. ASPECTOS ECONÔMICOS DO PROJETO

    Nessa disciplina é aprofundado o estudo dos aspectos econômicos do projeto, aqueles que permitem uma avaliação preliminar do projeto, consistindo em uma análise e classificação dos recursos necessários para o projeto e um cálculo inicial do orçamento e das despesas, a análise de fluxo e o cronograma de investimentos.

    RENTABILIDADE
    CUSTOS
    RENDIMENTOS
    FLUXOS
  8. ESPECIFICAÇÕES NO PROJETO

    Essa disciplina não permitirá aprender a detalhar, especificar e explicar o funcionamento, o detalhe e a constituição da potencial solução fornecida por um projeto.

    CONFIABILIDADE NO ABASTECIMENTO
    ÁRVORE DE FALHAS
    ESPECIFICAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DO PROJETO
  9. ELABORAÇÃO DO ANTEPROJETO

    Essa disciplina, por meio de temas como ferramentas de especificação, documentação e elaboração da proposta de projeto, nos ajudará a entender a importância da gestão como uma etapa subsequente ao projeto, sendo capaz de gerar uma proposta de gestão viável e sustentável.

    FERRAMENTAS DE ESPECIFICAÇÃO
    DOCUMENTAÇÃO
    ELABORAÇÃO DA PROPOSTA DO PROJECTO

2ª PARTE: COMPETÊNCIA PESSOAIS

  1. TÉCNICAS DE DIREÇÃO DA EQUIPES DE TRABALHOS

    A presente disciplina nos apresenta diferentes técnicas de condução e direção de equipes de trabalho, em que o principal que contamos é o recurso humano, o qual devemos "cuidar". Para isso, também é necessário conhecer ferramentas de gestão que garantam a administração desses recursos de maneira eficiente.

    CONCEITO DE GRUPO E EQUIPE
  2. TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO INTERPERSONAL

    Interprete a comunicação como um processo integrador e sistêmico. Caracterizar a esfera cognitiva, afetiva e autorreguladora na comunicação interpessoal. Interpretar expressões emocionais na comunicação interpessoal. Diferenciar habilidades e competências na comunicação interpessoal. Determinar e otimizar as comunicações interpessoais.

    INTRODUÇÃO À COMUNICAÇÃO
    A PERSONALIDADE E A COMUNICAÇÃO
    AS COMUNICAÇÕES NA ATIVIDADE LABORAL
    A COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL NA ATIVIDADE LABORAL
    AS COMPETÊNCIAS E A COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL
  3. RELAÇÕES ENTRE INOVAÇÃO, CRIATIVIDADE, PRODUTIVIDADE E COMPETITIVIDADE

    Atualmente, existem dois pares de componentes indispensáveis ao desenvolver um projeto do qual resultará em: inovação e criatividade, que funcionam em alta porcentagem como sinônimos, produtividade e competitividade, que, embora não sejam sinônimos, dependem um do outro.
    Ao mesmo tempo, existe um forte vínculo em ambas as direções entre os dois pares, por um lado a competitividade dependerá de uma alta porcentagem do grau de inovação do produto e, por outro lado, a produtividade pode condicionar sua criatividade.
    Paralelamente à relação entre pares, cada uma das quatro áreas de trabalho se relaciona com as outras três independentemente.

    CONCEITOS: INOVAÇÃO, CRIATIVIDADE, PRODUTIVIDADE E COMPETITIVIDADE
    INOVAÇÃO ESTRATÉGICA
    CRIATIVIDADE AO SERVIÇO DA PRODUÇÃO
    EXIGÊNCIAS DA COMPETITIVIDADE
    ADMINISTRAÇÃO DAS QUATRO ÁREAS
  4. RESOLUÇÃO/TRANSFORMAÇÃO DE CONFLITOS NO ÂMBITO ORGANIZACIONAL

    É feito uma revisão detalhada do Conflito e da Negociação no âmbito das organizações e, especialmente, em relação às relações de trabalho.

    INTRODUÇÃO À TEORIA DE CONFLITO NAS ORGANIZAÇÕES
    ASPECTOS PSICOSSOCIAIS DO CONFLITO NAS RELAÇÕES TRABALHISTAS
    ESTRUTURAS E PROCESSOS DE NEGOCIAÇÃO NO ÂMBITO EMPRESARIAL
  5. COMUNICAÇÃO DO PROJETO

    O tópico envolvido nesta disciplina é sobre a comunicação de um projeto "dentro" e "fora" dele, para os três níveis de usuários, desde conceitos básicos de circuitos de comunicação até estruturas mais complexas de comunicação estratégica, em que se compromete a imagem do mesmo no imaginário social.

    ANÁLISE E IDENTIFICAÇÃO DO CONCEITO E IDENTIDADE DO PROJETO
    AOS DIFERENTES NÍVEIS DE RECEPTORES DO PROJETO
    ESTRATÉGIA COMUNICATIVA E DESENVOLVIMENTO DE PLANOS DE COMUNICAÇÃO
    FERRAMENTAS ESTRATÉGICAS DE COMUNICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO
    ESTUDO DO MERCADO RECEPTOR
  6. GESTÃO E DIREÇÃO DE OPERAÇÕES

    Esta disciplina abrange as atividades incluídas na gestão de operações e logística, a partir dos aspectos mais estratégicos relacionados às decisões de longo prazo, como projeto e definição de produtos (o que oferecemos?) E o projeto e análise do processo (Como conseguimos isso?), passando pelas decisões de planejamento tático e operacional presentes na atividade a médio e curto prazo (quanto, como e onde a oferecemos?), com o apoio indiscutível das atividades logísticas que tornam viável o plano. Nesse sentido, a logística é revisada como a maneira de responder aos requisitos pelo menor custo possível. Alguns tópicos abordados na disciplina são:

    ELABORAÇÃO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO
    A GESTÃO DA REDE DE FORNECIMENTO
    A FUNÇÃO DE COMPRAS E ABASTECIMENTO

3ª PARTE: COMPETÊNCIAS CONTEXTUAIS

  1. DIREÇÃO E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

    Esta disciplina-se concentra no pensamento estratégico aplicado à direção e fornece um treinamento em ferramentas e mecanismos que facilitam a gestão contemporânea, aceitando a gestão de mudanças como algo inerente a ambientes instáveis e variáveis, nos quais as organizações operam. Os temas abordados na disciplina são:

    A GESTÃO DA MUDANÇA COMO SUBSTRATO DA DIREÇÃO ESTRATÉGICA
    A DIREÇÃO ESTRATÉGICA COMO UM MODELO DE MUDANÇA
    A IMPLANTAÇÃO DA DIREÇÃO ESTRATÉGICA. AS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS
  2. MARCO LÓGICO

    Esta disciplina apresenta a metodologia do Marco Lógico a fim de compreender sua complexidade e conhecer o processo do ciclo de vida de um projeto a partir da perspectiva do marco lógico.

    ORIGEM E EPISTEMOLOGIA DO PLANEJAMENTO POR OBJETIVOS
    ETAPAS DA ABORDAGEM DO MARCO LÓGICO: ANÁLISE DE PARTICIPAÇÃO, ANÁLISE DOS PROBLEMAS, ANÁLISE DOS OBJETIVOS, ANÁLISE DAS ALTERNATIVAS, MATRIZ DE PLANEJAMENTO DE PROJETO E ANÁLISE DE VIABILIDADE
    GESTÃO DO CICLO DO PROJETO
  3. SUCESSO NA DIREÇÃO DE PROJETOS

    A disciplina revisa detalhadamente os conceitos mais relevantes da direção de projetos, bem como as ferramentas necessárias para realizar um projeto com sucesso.

    GESTÃO DAS FERRAMENTAS DE DIREÇÃO DE PROJETOS
    GERENCIAMENTO DA INCERTEZA
    TOMADA DE DECISÕES
  4. CULTURA E CLIMA ORGANIZACIONAL

    O texto analisa os conceitos e abordagens teóricas mais relevantes da cultura e do clima organizacional, suas relações, as tipologias e métodos de estudo, além de como lidar e resolver disfunções.

    A CULTURA EMPRESARIAL E SUA RENTABILIDADE
    OS ESTILOS CULTURAIS E O PAPEL DO LÍDER NA GESTÃO EFICAZ
    O CLIMA E SUA INFLUÊNCIA NOS RESULTADOS DA ORGANIZAÇÃO
  5. PRODUCTO E MEIO AMBIENTE

    A partir da definição de uma série de conceitos ambientais e socioeconômicos básicos, envolvidos no conceito de desenvolvimento sustentável, concentra-se na relação entre produto e ambiente, considerando o ambiente como (todo) o ambiente ao redor do produto e dos quais o produto também fará parte.
    Nesta questão, a inovação tem um papel de liderança, pois deve considerar o meio ambiente e o impacto futuro que o produto causará nele, como o primeiro condicionador da criatividade.

    CONCEITOS AMBIENTAIS BÁSICOS
    O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
    PROBLEMÁTICA AMBIENTAL GLOBAL
    RELAÇÕES COM OS PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO. RUMO AO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE
    O AMBIENTE E SEU RELACIONAMENTO COM A INOVAÇÃO APLICADA AOS PRODUTOS

4ª PARTE: COMPETÊNCIAS PRÁTICAS

  1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PROJETOS

    A gestão/gerência de projetos é a administração de todos os recursos necessários para seu desenvolvimento, a disciplina apresenta o tema de uma maneira geral e engloba, entre outros, os seguintes tópicos: conceitos gerais da gestão de projetos e tipologias de projetos, fases do projeto e ciclo de vida do projeto.

    GESTÃO E GERÊNCIA DE PROJETOS
    INTRODUÇÃO GERAL E TEÓRICA
    CONCEITOS GERAIS DA GESTÃO DE PROJETOS E TIPOLOGIAS DE PROJETOS
    FASES DO PROJETO E CICLO DE VIDA DO PROJETO
  2. PLANEJAMENTO E GESTÃO DE PROJETOS

    O planejamento e a gestão do projeto estão estreitamente ligados, pois é impossível pensar em gestão sem que esta seja planejada. Para isso, é necessário considerar alguns conceitos, Desenvolvimento do Plano do Projeto e controle de suas possíveis alterações, definição, administração e planejamento do alcance do projeto, escolhendo e aplicando as técnicas apropriadas para produzir um plano de ação.

    INTEGRAÇÃO E ALCANCE DO PROJETO
    DESENVOLVIMENTO DO PLANO DO PROJETO E CONTROLE DE SUAS POSSÍVEIS MUDANÇAS, DEFINIÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DO ALCANCE DO PROJETO
    PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DO PROJETO
    ESCOLHER E APLICAR AS TÉCNICAS ADEQUADAS PARA PRODUZIR UM PLANO DE AÇÃO
    TÉCNICAS ESPECÍFICAS DE PROGRAMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORRETA DO TEMPO
  3. ADMINISTRAÇÃO DO TEMPO E DIREÇÃO DE REUNIÕES

    O objetivo desta disciplina é destacar a importância das habilidades de comunicação no desenvolvimento de reuniões de trabalho por meio de uma boa preparação, bem como o uso de estratégias para otimizar a direção dos grupos de trabalho nas organizações. Alguns temas abordados na disciplina são:

    GESTÃO EFICAZ DO TEMPO
  4. FERRAMENTAS DE INFORMÁTICA DA GESTÃO DE PROJETOS

    Esta disciplina trata da apresentação das principais ferramentas de informática de apoio à gestão de projetos, ensinando-nos também a conhecer suas vantagens. Todo projeto precisa ser gerenciado e, ao mesmo tempo, para concluir isso, são necessários o conhecimento e a gestão de ferramentas de acordo com a tipologia de cada projeto.

    FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS
    SOFTWARE DE GESTÃO
  5. GESTÃO DA CONFIANÇA: QUALIDADE E RISCO

    A gestão de Confiança concentra-se principalmente em avaliar e conhecer os fundamentos da qualidade em projetos e suas ferramentas e metodologias, aprender a planejar, garantir e controlar a qualidade e os riscos.

    PLANEJAMENTO DA QUALIDADE
    GARANTIA E CONTROLE DE QUALIDADE
    CONTROLE DOS PROCESSOS E DO ALCANCE DE OBJETIVOS EM TEMPO E FORMA
    RESPOSTA CORRETA ÀS NECESSIDADES PLANEJADAS INICIALMENTE
    PLANOS DE QUALIDADE
  6. AVALIAÇÃO DE PROJETOS

    É abordada a identificação e quantificação das receitas e custos do projeto, com o objetivo de determinar sua contribuição para a criação de valor e desenvolvimento econômico, na perspectiva de um exercício criativo e dinâmico, no qual o avaliador desempenha um papel muito importante, é ele quem deve garantir que os orçamento sobre os quais a avaliação se baseia gozem de um alto grau de certeza.

    NOÇÕES BÁSICAS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS
    FLUJO DE CAJA PARA LA EVALUACIÓN DE PROYECTOS
    INDICADORES DE RENTABILIDAD
    TASA DE DESCUENTO
    ANÁLISIS DE PROYECTOS CON DISTINTA VIDA ÚTIL
    RIESGO E INCERTIDUMBRE EN LA EVALUACIÓN DE PROYECTOS
    VALUACIÓN DE INTANGIBLES
  7. ACOMPANHAMENTO E CONTROLE DO PROJETO

    Certamente o trabalho de acompanhamento e controle deve ser aquele que exige um maior compromisso, pois é dessa forma que a disciplina é apresentada de maneira geral com tópicos como: conhecer os fundamentos do controle de projetos e suas ferramentas e metodologias, ao particular, como ser o controle de recursos técnicos e humanos para garantir conformidade em tempo, qualidade e custos.

    COMUNICAÇÕES E CIRCUITOS DE RELATÓRIOS
    DESENHO E DESENVOLVIMENTO DE TODOS OS ELEMENTOS CONSTITUTIVOS DA REDE DE INFORMAÇÃO
    PROJETO ESTRATÉGICO DO CIRCUITO DE INFORMAÇÃO
    REPLANEJAMENTO E CONTROLE DE PROGRESSO
    AVALIAÇÃO E ANÁLISE DO PROGRESSO PREVISTO DO PROJETO
    MODELOS DE ANTECIPAÇÃO
    CONTROLE DE RECURSOS TÉCNICOS E HUMANOS PARA GARANTIR CONFORMIDADE EM TEMPO, QUALIDADE E CUSTOS
  8. ESTRUTURA E MUDANÇA ORGANIZACIONAL

    A disciplina mostra o processo de transformação que ocorreu nas organizações atuais e analisa as tendências futuras que elas devem enfrentar.

    EVOLUÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES
    CENÁRIOS E AVALIAÇÃO ORGANIZACIONAL
    A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL
    A MUDANÇA COMO ASPECTO DECISIVO NA DIREÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS
    OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA ORGANIZAÇÃO

5ª PARTE: PROJETO FINAL DE MESTRADO

A última etapa do programa é o Projeto Final de Mestrado, que é um documento individual e é regido por um procedimento formal estabelecido pelas universidades.

Deverão ser seguidos o regulamento e obrigatoriedades exigidos pela universidade que concede o título, revisando os requisitos de apresentação, conteúdo e aprovação, entre outros. Cada aluno é responsável pelo cumprimento das exigências e de conhecer os regulamentos e normativas.

Para iniciar o PFM será necessário ter um grau de progresso de pelo menos 66% do programa acadêmico e ter concluído o módulo de Desenho de Projetos.

O PFM é um trabalho com rigor metodológico, que a partir de um trabalho de pesquisa é formulado um projeto que evidencia a aquisição de conhecimentos e competências em direção de projetos.

O PFM deve conter a apresentação de um projeto no qual as diretrizes a serem usadas no processo de gerenciamento sejam definidas e explicadas durante todo o ciclo de vida do projeto, e o domínio das ferramentas adquiridas durante o curso de mestrado seja demonstrado.

Durante a PFM, o aluno contará com a assessoria de um tutor que o guiará durante o desenvolvimento do trabalho e alimentará o progresso em suas diferentes etapas. Os retornos do tutor têm prazos de resposta diferentes, de acordo com o nível de avanço no processo.

O relatório final, aceito pelo responsável, será submetido e qualificado a uma banca avaliadora que determinará se o PFM atende aos requisitos exigidos.

De acordo com a universidade que fará a titulação, o desenvolvimento da PFM pode exigir a realização de uma defesa oral.


Nota: O conteúdo do programa acadêmico pode estar sujeito a pequenas modificações, dependendo das atualizações ou melhorias feitas.

Direção

  • Dr. Roberto M. Álvarez. Diretor do Departamento de Projetos da Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI.
  • Dr. Luis Dzul López. Reitor da Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI.

Professores e Autores

  • Dr. Alberto Vera. Professor da Universidad Nacional de Lanús. Argentina. Professor da Área de Projetos - UNINI.
  • Dr. Santiago Brie. Professor da Universidad Nacional de Lanús. Argentina. Professor da Área de Projetos - UNINI.
  • Dr. Antonio Eduardo Fuenzalida. Prof. da Universidad Mayor. Chile. Professor da Área de Projetos - UNINI.
  • Dr. Emmanuel Soriano Flores. Professor da Universidad Europea del Atlántico.
  • Dr. Federico Fernández Díez. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI.
  • Dr. Miguel Ángel López Flores. Professor Pesquisador do Instituto Politécnico Nacional de México.
  • Dr. Eduardo García Villena. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI. Diretor da Área de Meio Ambiente, Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI.
  • Dr. José del Carmen Zavala Loria. Professor da Universidad Autónoma del Estado de Morelos. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI.
  • Dra. Izel Márez. Professora da Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI.
  • Dr. Antoine Ngue. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI.
  • Dr. (c) Marcelino Diez. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI.
  • Dr. (c) Nelson Yepes. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI.
  • Dra. (c) Silvana Marín Garat. Professora da Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI. Pesquisadora da Universidad URcamp – RS – Brasil.
  • Dr. (c) Pablo Urquizó. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI.
  • Dr. (c) Gonzalo Prudencio. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI.
  • Dr. (c) Wánderson Cássio Oliveira Araujo. Professor da Universidad Federal de Rondônia. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI.
  • Dra. (c) María Eugenia Luna Borgaro. Professora da Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI.
  • Dra. (c) Elisângela dos Santos Faustino Röder. Professora da Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI.
  • Dra. (c) Magdalena Peña. Professora da Universidad de la República, Uruguay. Professora da Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI.
  • Dra. (c) Mariela Rodríguez. Professora da Universidad Católica de Santa Fe, Argentina. Professora da Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI.

Bolsa de Trabalho

A Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) destina periodicamente um valor econômico de caráter extraordinário para Bolsas de estudo em Formação FUNIBER.

Para solicitá-la, preencha o formulário de solicitação de informação que aparece no portal FUNIBER ou entre em contato diretamente com a sede da fundação em seu país para saber se é necessário proporcionar alguma informação adicional.

Uma vez que tenhamos recebido a documentação, o Comitê Avaliador examinará a idoneidade de sua candidatura para a concessão de um incentivo econômico na forma de Bolsa de estudo em Formação FUNIBER.