Mestrado em Desenho, Gestão e Direção de Projetos

Apresentação do Programa

O avanço da ciência e da engenharia de projetos tem representado mudanças importantes nas diversas facetas da execução de um projeto.

Tais mudanças têm produzido uma maior rigorosidade nos aspectos de gestão, com um instrumental metodológico mais completo e exato. Igualmente, todos os aspectos de direção têm cobrado mais realce graças à importância da participação dos recursos humanos no desenvolvimento de um projeto. Ante os contínuos fracassos de projetos surge a imperante necessidade de consolidar e elevar a qualidade da etapa de desenho, entendendo tal etapa como o processo criativo e cognitivo de conceber e formular os fundamentos de um projeto, o que demanda uma gestão do conhecimento e uma direção adequadas.

O programa de Mestrado em Desenho, Gestão e Direção de Projetos (MDGDP) une estes 3 elementos com o objetivo de formar de maneira integral um especialista em projetos, com a capacidade, a habilidade e os conhecimentos de

  • Desenhar um projeto;
  • Gerir sua projeção a partir da iniciação à reflexão pós-mortem; e
  • Dirigir todos os esforços humanos individuais e coletivos aos objetivos do projeto e aos interesses dos afetados.

Graças a esta visão integradora, o programa do Mestrado em Desenho, Gestão e Direção de Projetos requer e consegue conjugar todos os elementos atuais da ciência e da engenharia de projetos que incluem:

  • A compreensão dos processos criativos de geração de idéias a serem projetadas;
  • A interpretação das normas e padrões internacionais de gestão de projetos; e
  • As habilidades gerenciais e executivas que permitem dirigir o esforço de levar adiante um projeto.

A quem é dirigido

A metodologia de formação proposta somada à clareza, à amplitude e à didática do desenho dos conteúdos, permite dirigir o Mestrado em Desenho, Gestão e Direção de Projetos a profissionais com formação universitária de todas as áreas de conhecimento, que tenham a inquietude de se envolver no mundo dos projetos de uma maneira responsável e com uma alta disciplina de estudo, que desejam desempenhar-se no campo da docência e da pesquisa de projetos e/ou no campo profissional, exercendo cargos executivos e de assessoria em projetos

Titulação

A conclusão com sucesso do Programa permitirá que você obtenha a titulação do Mestrado em Desenho, Gestão e Direção de Projetos.

Após a conclusão com êxito do Programa, o aluno receberá o diploma emitido pela Universidade em que se matriculou.

Estrutura do Programa

A duração estimada do programa Mestrado em Desenho, Gestão e Direção de Projetos é de 900 horas (90 créditos)a.

Com relação à distribuição do tempo se estabelece que:

  • Por ser um curso a distância e não estar sujeito a aulas presenciais, não se estabelece uma data específica de início, razão pela qual o aluno pode formalizar a matrícula em qualquer momento, desde que haja vagas disponíveis;
  • Por motivos acadêmicos e de aprendizagem, dispõe-se de uma duração mínima do Programa de vinte e um meses, contabilizados a partir da data de entrega do primeiro tomo até a data de recebimento da última atividade avaliada;
  • O tempo máximo do qual se dispõe para realizar o Programa é de vinte e quatro meses. Neste período de tempo, o aluno deverá superar com êxito todas as atividades avaliadas e aprovada a Dissertação de Mestrado.

A estrutura de créditos do programa de Mestrado em Desenho, Gestão e Direção de Projetos se apresenta na seguinte tabela. Deve-se destacar que a duração é meramente orientativa, pois a metodologia seguida integra o conhecimento e habilidades a adquirir em cada parte, mediante exercícios integradores de aquisição de conhecimento e interiorização de práticas projetuais:

  CRÉDITOSa DURAÇÃOb HORAS
1ª Parte: Desenho 27 7 270
2ª Parte: Gestão 25 8 250
3ª Parte: Direção 28 6 280
4ª Parte: Dissertação de Mestrado 10 3 100
TOTAL 90 24 900

a. A equivalência em créditos pode variar de acordo com a universidade que titula 
b. Duração em meses

Objetivos

Objetivo geral

  • Formar profissionais que adquiram um pensamento criativo, executivo e gerencial apto para o desenho, a gestão e a direção de projetos.

Objetivos específicos

  • Proporcionar e utilizar uma metodologia adequada ao desenho de um projeto que responda a uma seqüência predeterminada de avanço e que permita sua aplicação imediata aos casos específicos e articulados e que, por sua vez, permita dominar e compreender os fatores de motivação, intencionalidade, finalidade e teleologia de um projeto;
  • Determinar e analisar as atividades e responsabilidades do Diretor de Projetos em cada um de seus âmbitos de competência e propor ferramentas para cumprir cada uma das fases do ciclo de vida de um projeto e abranger cada uma das áreas de conhecimento de um projeto (integração, alcance, tempo, custos, qualidade, recursos, comunicações, riscos e abastecimento, entre outras);
  • Aprender a interpretar padrões internacionais relacionados ao campo de projetos, aplicados nas fases de um projeto e que facilitem a posterior certificação dos estudantes ante entidades como International Project Mangement Association (IPMA), Associación Española de Ingeniería de Proyectos (AEIPRO) ou o Project Management Institute (PMI);
  • Compreender e dirigir os processos de criação, geração, formulação e difusão de conhecimento individual e coletivo em termos de tarefas colaborativas e cooperativas, que facilitem e potencializem a emergência de soluções viáveis, concretas e sustentáveis a problemas do mundo real, e cuja consecução se manifeste na figura de um projeto.

Saídas Profissionais

Algumas das saídas profissionais do programa Mestrado em Desenho, Gestão e Direção de Projetos são:

  • Diretores de programa;
  • Diretores operacionais;
  • Gerentes de oficina de projetos;
  • Consultores em projetos;
  • Gestores de projetos de inovação tecnológica e do conhecimento;
  • Pesquisadores no campo da ciência projetual e do trabalho profissional no campo de projetos.

Plano de estudos

O programa de Mestrado em Desenho, Gestão e Direção de Projetos apresenta uma estrutura curricular baseada em 4 partes formativas:

  • 1ª PARTE: DESENHO

A primeira parte do Desenho de Projetos permite introduzir metodologias de trabalho para gerar e gerir eficientemente a avaliação de tal desenho e o conhecimento gerado ao longo deste.

As disciplinas e as horas correspondentes que compõem a primeira parte se apresentam na seguinte tabela:

Estas disciplinas, apesar de serem independentes, complementam-se e estão estruturadas de forma a propiciar o avanço dos estudos, de acordo com uma ordem pedagógica coerente. Cada uma divide-se em unidades temáticas básicas ou capítulos, relacionados diretamente com um ou mais de um exercício prático, incluindo material de apoio teórico e acompanhamento personalizado do tutor da área. Devido ao fato de que a etapa de desenvolvimento/elaboração de projeto permite correções, o aluno não poderá ser aprovado por disciplina cursada, ocorrendo essa aprovação quando tiver chegado ao final de cada módulo completo, recebendo, nesse momento, a qualificação atribuída a cada uma das disciplinas.

  • 2ª PARTE: GESTÃO

A segunda parte de Gestão desenvolve todas as áreas componentes da Gestão de um Projeto e o seu alcance. Pretende-se assim proporcionar uma visão profunda e totalizadora de todos os temas possíveis a serem administrados no momento de gerir um projeto, independente do tipo e da fianalidade, e apresentar ao aluno todas as ferramentas existentes atualmente no mercado para realizar esta atividade. Esta segunda parte entrega o conhecimento para o cumprimento dos padrões formativos estabelecidos pelo IPMA, pela AEIPRO e pelo PMI.

As disciplinas e as horas correspondentes que compõem a segunda parte se apresentam na seguinte tabela:

Estas disciplinas, apesar de serem independentes entre si, estão estruturadas segundo uma ordem pedagógica coerente. Cada uma se divide em unidades temáticas básicas ou capítulos, cujo conteúdo inclui material impresso que se deve estudar para responder satisfatoriamente às diversas atividades de avaliação.

  • 3ª PARTE: DIREÇÃO

A terceira parte de Direção desenvolve temas relacionados exclusivamente com a atividade do Diretor de projeto, destacando suas responsabilidades e missões em cada área na qual participa, abrangendo as grandes etapas e tarefas de um projeto, algumas próprias da gestão (início, planejamento e desenho, execução e controle, e fechamento e pós-mortem) e outras de índole estratégica, para cobrir temas de programas ou portfolios de projetos.

As disciplinas e as horas correspondentes que compõem a terceira parte se apresentam na seguinte tabela:

Estas disciplinas, apesar de serem independentes entre si, estão estruturadas segundo uma ordem pedagógica coerente. Cada uma se divide em unidades temáticas básicas ou capítulos, cujo conteúdo inclui material impresso que se deve estudar para responder satisfatoriamente às diversas atividades de avaliação.

  • 4ª PARTE: PROJETO FINAL OU DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Devido à natureza da metodologia, a Dissertação de Mestrado é a extensão natural de um projeto realizado pelo aluno ao longo do programa de Mestrado em Desenho, Gestão e Direção de Projetos. A Dissertação de Mestrado, cuja carga letiva é de 100 horas, tem como objetivo apresentar um trabalho completo que apresente o desenvolvimento total de um projeto, contemplando a possibilidade de sua execução concreta, de acordo com os lineamentos e detalhes da proposta apresentada.

4ª PARTE: PROJETO FINAL OU DISSERTAÇÃO DE MESTRADO
# DISCIPLINAS HORAS
1 Dissertação de Mestrado 100
TOTAL 100

Descrições dos Cursos

1ª PARTE: DISEÑO

  1. INTRODUÇÃO A PROJETOS

    A presente disciplina nos introduz, dentro de um marco teórico e de maneira geral a conceitos de "Projeto", como ser: fases do projeto, sistemas em projetos, o trabalho colaborativo e a gestão do conhecimento para o êxito do projeto, o desenho de projetos. Para poder assim estabelecer uma base de conhecimentos propicia para o desenvolvimento das seguintes disciplinas.

    INTRODUÇÃO GERAL E TEÓRICA
    AS FASES DO PROJETO
    SISTEMAS EM PROJETOS
    O TRABALHO COLABORATIVO E A GESTÃO DO CONHECIMENTO PARA O ÊXITO DO PROJETO
  2. DESENHO DE SISTEMAS PROJETUAIS

    Faz-se uma classificação dos resíduos industriais, avaliando aspectos tais como sua caracterização, coleta, transporte, etc. Assim, incide-se na minimização como ferramenta preventiva na gestão e na incorporação de tecnologias limpas e adoção de boas práticas nas atividades industriais. Por sua vez, expõem-se em detalhe as diferentes técnicas de tratamento deste tipo de resíduos: físico-químico, biológico e térmico.

    CENÁRIO DO PROJETO
    PROBLEMA TÉCNICO
    PESSOAS E INTERESSES ENVOLVIDOS NA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA
  3. ANÁLISE DOS SERVIÇOS A PRESTAR

    O presente tema desenvolve, estuda e determina as condições de fornecimentos entre as necessidades dos clientes e o que a ciência e a engenharia contribuiriam como solução, considerando esta solução, como o projeto em si mesmo, e nos exige definir o serviço "desejado" a obter como resultante do projeto.

    ANÁLISE DO FORNECIMENTO
    O SERVIÇO DESEJADO E AS CONDIÇÕES DE PRESTAÇÃO
  4. ANÁLISE FUNCIONAL NO PROJETO

    Durante o desenvolvimento da presente disciplina, pretende-se determinar as funções técnicas e de serviços a satisfazer, pelo projeto que estamos desenhando, por meio de "ferramentas conceituais" como ser, a árvore de funções de serviço, a proposta do sistema projeto, a análise do valor e qualidade na fase de desenho.

    ÁRVORE DE FUNÇÕES DE SERVIÇO
    PROPOSTA DO SISTEMA PROJETO
    ANÁLISE DO VALOR E QUALIDADE NA FASE DE DESENHO
  5. A ERGONOMIA NO PROJETO

    Esta disciplina se ocupa de compreender o papel das pessoas em suas atividades e usos, na solução de um projeto e sua relação com outras pessoas e com máquinas, estabelecendo-se uma classificação de usuários, medidas de segurança, etc.

    O ESTADO DO BEM-ESTAR DOS USUÁRIOS DO SISTEMA E SUAS LIMITAÇÕES
    ERGONOMIA E SEGURIDADE DO SISTEMA
  6. SEGURANÇA E CONFIABILIDADE NO PROJETO

    A presente disciplina recorre a temas relacionados a compreender aspectos de segurança e viabilidade de uma solução de projeto contemplando seus estados e ciclo de vida em nível de sistema e de seus componentes, incluindo as pessoas, as máquinas e suas relações.

    SEGURANÇA, RISCO E CONFIABILIDADE
    SEGURANÇA INDUSTRIAL, ORGANIZACIONAL E NORMA
    NORMAS E PADRÕES DE SEGURANÇA
    TIPOS DE RISCO, CLASSIFICAÇÃO E GERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS
    CONFIABILIDADE E CONFIANÇA
  7. O MEIO AMBIENTE NO PROJETO

    Por meio do estudo de sustentabilidade no projeto, no ecoprojeto, no impacto ambiental e na análise de ciclo de vida que são os temas a serem aprofundados na presente disciplina, pretenderemos compreender o entorno de uma solução de projeto em seus estados e ciclo de vida em nível de sistema e de seus componentes.

    SUSTENTABILIDADE NO PROJETO
    ECOPROJETO
    IMPACTO AMBIENTAL
    ANÁLISE DE CICLO DE VIDA
  8. AS ESPECIFICAÇÕES NO PROJETO

    Esta disciplina permitirá aprender a descrever, especificar e explicar o funcionamento, detalhe e constituição da potencial solução fornecida por um projeto.

    CONFIABILIDADE NO FORNECIMENTO
    ÁRVORE DE FALHAS
    ESPECIFICAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DO PROJETO
  9. ELABORAÇÃO DO ANTEPROJETO

    Esta disciplina, por meio de temas tais como ferramentas de especificação, documentação, elaboração da proposta de projeto, ajudará a compreender a importância da gestão como passo posterior ao projeto e ser capaz de gerar uma proposta de gestão viável e sustentável.

    FERRAMENTAS DE ESPECIFICAÇÃO
    DOCUMENTAÇÃO
    ELABORAÇÃO DA PROPOSTA DE PROJETO

2ª PARTE: GESTÃO

  1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PROJETOS

    A gestão/gerência de projetos é a administração de todos os recursos necessários ao desenvolvimento, a presente disciplina nos introduz no tema de forma geral e abrangendo, entre outros, os seguintes temas: conceitos gerais da gestão de projetos e de tipologias de projetos, fases do projeto e ciclo de vida do projeto.

    GESTÃO E GERÊNCIA DE PROJETOS
    INTRODUÇÃO GERAL E TEÓRICA
    CONCEITOS GERAIS DA GESTÃO DE PROJETOS E DE TIPOLOGIAS DE PROJETOS
    FASES DO PROJETO E CICLO DE VIDA DO PROJETO
  2. PLANEJAMENTO E GESTÃO DE PROJETOS

    O planejamento e a gestão de projetos se encontram estreitamente vinculadas, pois é impossível pensar em gestão sem que esta se encontre planejada. Para isto é necessário ter presente alguns conceitos, desenvolvimento do Plano do projeto e controle de suas possíveis mudanças, definição, administração e planejamento do alcance do projeto, escolher e aplicar as técnicas adequadas para realizar um plano de ação.

    INTEGRAÇÃO E ALCANCE DO PROJETO
    DESENVOLVIMENTO DO PLANO DO PROJETO E CONTROLE DE SUAS POSSÍVEIS MUDANÇAS, DEFINIÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DO ALCANCE DO PROJETO
    PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DO PROJETO
    ESCOLHER E APLICAR AS TÉCNICAS ADEQUADAS PARA PRODUZIR UM PLANO DE AÇÃO
    TÉCNICAS ESPECÍFICAS DE PROGRAMAÇÃO E CORRETA ADMINISTRAÇÃO DOS TEMPOS
  3. FERRAMENTAS INFORMÁTICAS DE GESTÃO DE PROJETOS

    A presente disciplina se ocupa de apresentarmos as principais ferramentas informáticas de apoio à gestão do projeto, ensinando-nos além disso conhecer suas vantagens. Todo projeto requer gerência e, ao mesmo tempo, para cumpri-lo é necessário o conhecimento e manejo de ferramentas informáticas de acordo com o tipo de cada projeto.

    FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS
    Estudo geral do avanço da técnicas de informação e comunicação aplicáveis à gestão de projetos.
    SOFTWARE DE GESTÃO
    Conhecimentos específicos dos programas informáticos de uso massivo para a gestão de projetos.
  4. ACOMPANHAMENTO E CONTROLE DO PROJETO

    Seguramente o trabalho de acompanhamento e controle deve requerer um maior compromisso, por essa razão a disciplina se apresenta de uma forma geral com temas como: conhecer os fundamentos do controle de projetos e suas ferramentas e metodologias, até o particular, como ser o controle de recursos técnicos e humanos para assegurar o cumprimento em tempo, qualidade e custos.

    COMUNICAÇÕES E CIRCUITOS DE REPORTAGENS
    DESENHO E DESENVOLVIMENTO DE TODOS OS ELEMENTOS CONSTITUTIVOS DA CADEIA DE INFORMAÇÃO
    DESENHO ESTRATÉGICO DO CIRCUITO INFORMATIVO
    REPLANEJAMENTO E CONTROLE DE AVANÇO
    AVALIAÇÃO E ANÁLISE DO AVANÇO PREVISTO DO PROJETO
    MODELOS DE ANTECIPAÇÃO
    CONTROLE DE RECURSOS TÉCNICOS E HUMANOS PARA ASSEGURAR O CUMPRIMENTO EM TEMPO, EM QUALIDADE E EM CUSTOS
  5. AVALIAÇÃO DE PROJETOS

    A avaliação de projetos nos centra na tarefa de compreender e estruturar, engenharias financeiras por meio de numerosas ferramentas técnico-econômicas, para assim aprender a ver projetos não só por meio de planos de detalhes, os diagramas de fluxos, mas além disso por planilhas de desenvolvimento econômico financeiro.

    FORMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS
    ETAPAS E ESTRUTURA DE FINANCIAMENTO DE UM PROJETO
    AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE CRESCIMENTO DE UM NEGÓCIO
    ANÁLISE E MANEJO DE RISCO
    VALORAÇÃO DE EMPRESAS
  6. GESTÃO DA CONFIANÇA: QUALIDADE E RISCO

    A gestão da Confiança está centralizada principalmente na avaliação e no conhecimento dos fundamentos da qualidade nos projetos e suas ferramentas e metodologias, aprender a planejar, assegurar e controlar a qualidade e o risco.

    PLANEJAMENTO DA QUALIDADE
    GARANTIA E CONTROLE DE QUALIDADE
    CONTROLE DOS PROCESSOS E DO ALCANCE DE OBJETIVOS EM TEMPO E FORMA
    RESPOSTA CORRETA ÀS NECESSIDADES PLANEJADAS INICIALMENTE
    PLANOS DE QUALIDADE
  7. GESTÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

    Esta disciplina oferece uma visão global do papel do diretor de Recursos Humanos no século XXI, revisando as áreas de atividade da gestão e a integração à estratégia empresarial.

    PANORÂMICA SOBRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO NOS RH
    PANORÂMICA DE FUNÇÕES DO DIRETOR DE RH
    AS NOVAS TECNOLOGIAS NA GESTÃO DE RH E OS SISTEMAS DE CONTROLE DE GESTÃO DE RH
  8. ISO 45001

    Nesta disciplina, apresenta-se o modelo ativo e o planejamento da atividade preventiva como um elemento básico e fundamental de qualquer modelo de gestão de prevenção de riscos ocupacionais, instrumentalizado na norma ISO 45001:2018, bem como as informações documentadas necessárias e os requisitos de auditoria. Alguns temas abordados na disciplina são:

    O PAPEL DA PREVENÇÃO NA GESTÃO GLOBAL DA EMPRESA
    Antecedentes. O sistema de reativo de ação. Elementos do sucesso do sistema ativo de ação. Integração da atividade preventiva. Como é realizada a integração da prevenção de riscos ocupacionais? O que é um sistema de destão da prevenção de riscos ocupacionais. Tipos de modelos de gestão. Responsabilidades da direção.
    PLANEJAMENTO DE ATIVIDADE PREVENTIVA NA EMPRESA
    Introdução. Definição de planejamento preventivo. Planejamento por objetivos e normas de procedimento. Aspectos do planejamento das atividades preventivas. Procedimento geral do planejamento.
    A NORMA ISO 45001:2018
    Introdução. Antecedentes da norma ISO 45001:2018. Estrutura de alto nível: o anexo SL. Principais mudanças da ISO 45001:2018 em relação à OHSAS 18001: 2007. Prioridades na implementação. Certificação de sistema de gestão SST segundo a norma ISO 45001:2018. Transição da especificação para a norma ISO 45001: 2018.
    IMPLANTAÇÃO DA NORMA ISO 45001:2018
    Introdução. Objeto e campo de aplicação. Referências normativas. Termos e definições Contexto da organização. Liderança e participação dos trabalhadores. Planejamento. Apoio. Operação. Avaliação do desempenho.
    INFORMAÇÃO DOCUMENTADA DO SISTEMA DE GESTÃO SST, SEGUNDO A ISO 45001:2018
    Introdução. Nível I: manual de gestão da segurança e saúde no trabalho (não obrigatório). Nível II: procedimentos. Nível III: instruções. Nível IV: registros. Controle da documentação.
    AUDITORIA DE PREVENÇÃO DE RISCOS OCUPACIONAIS.
    Conceitos gerais sobre auditorias de prevenção. Princípios de auditoria. Objetivos das auditorias de prevenção. Tipos de auditoria de prevenção de riscos ocupacionais. O processo de auditoria. Avaliação da auditoria de prevenção de riscos ocupacionais. Requisitos necessários para realizar uma auditoria de prevenção de riscos ocupacionais.
  9. COMUNICAÇÃO DO PROJETO

    O tema comprometido na presente disciplina trata da comunicação de um projeto "externo" e "interno", aos três níveis de usuários, desde conceitos básicos de circuitos de comunicação até estruturas mais complexas de comunicação estratégica, nas quais se compromete a imagem no imaginário social.

    ANÁLISE E IDENTIFICAÇÃO DO CONCEITO E IDENTIDADE DO PROJETO
    APLICAR MODELOS DE ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A MISSÃO-VISÃO PREDETERMINADA PARA O PROJETO
    ESTRATÉGIA COMUNICATIVA E DESENVOLVIMENTO DE PLANOS DE COMUNICAÇÃO AOS DIFERENTES NÍVEIS DE RECEPTORES DO PROJETO
    FERRAMENTAS ESTRATÉGICAS DE COMUNICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DA COMUNICAÇÃO
    ESTUDO DO MERCADO RECEPTOR

3ª PARTE: DIREÇÃO

  1. ENTORNOS VIRTUAIS DE TRABALHO COLABORATIVO

    A presente disciplina incorpora o aluno ao "mundo" das tecnologias associadas ao trabalho colaborativo no qual o objetivo do trabalho é alcançar as metas grupais, abrangendo desde a gestão de equipes organizacionais até a gestão de equipes a distancia midiatizados por entornos virtuais de trabalho.

    FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO INDIVIDUAL
    GESTÃO DE GRUPOS E DE EQUIPES
    FUNDAMENTOS DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL
    PROCESSOS DE GESTÃO POR ENTORNOS VIRTUAIS
    ENTORNOS VIRTUAIS DE TRABALHO COLABORATIVO
  2. GESTÃO SEM DISTÂNCIAS

    Esta disciplina permite conhecer o complexo processo, suas ferramentas, as possíveis metodologias e tipos da gestão off-shore de um projeto. A gestão de projetos realizada a distância. Para poder conhecer este tema em profundidade, é preciso falar de conceitos tais como: Construção cooperativa e colaborativa do conhecimento e modelos cooperativos de participação com suportes tecnológicos de informação.

    CONSTRUÇÃO COOPERATIVA E COLABORATIVA DO CONHECIMENTO
    MODELOS COOPERATIVOS DE PARTICIPAÇÃO COM SUPORTES TECNOLÓGICOS DE INFORMAÇÃO
    TELE-ENGENHARIA DISTRIBUTIVA E GESTÃO OFF-SHORE: DIREÇÃO E ADMINISTRAÇÃO A DISTÂNCIA, UTILIZANDO OS ÚLTIMOS RECURSOS TECNOLÓGICOS PENSADOS PARA ESTE FIM.
    ESTUDO E AVALIAÇÃO DE NOVOS CENÁRIOS DE TRABALHO A DISTÂNCIA.
  3. TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO EM PÚBLICO

    Esta disciplina tem atualmente um protagonismo crescente na direção de projetos já que forma diretores em habilidades de promoção de projetos e de seu produto, para conseguir investidores ou ao menos ser importante ao mercado receptor. Para isto é necessário o conhecimento de estratégias comunicacionais e saber definir os elementos característicos do projeto, que conformarão a sua imagem.

    COMUNICAÇÃO DA PROPOSTA E DOCUMENTOS DE UM PROJETO E TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E GRÁFICA PARA OS PROJETISTAS
  4. ADMINISTRAÇÃO E DIREÇÃO DE EMPRESAS

    Esta disciplina trata certamente de introduzir o aluno aos conceitos e técnicas de administração e direção de empresas. Cobrindo temas desde teorias organizacionais, até as novas formas organizacionais na nova economia, seja para Empresas de Serviço, Empresas de Tecnologia, PyMEs e Empresas Familiares.

    INTRODUÇÃO ÀS TEORIAS ORGANIZACIONAIS
    ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS
    TIPOS DE EMPRESAS
    AS FUNÇÕES EMPRESARIAIS
    NOVAS FORMAS ORGANIZACIONAIS NA NOVA ECONOMIA
    TIPOS DE EMPRESAS
    Empresas de Serviço. Empresas de Tecnologia. PyMEs. Empresas Familiares. Casos de Estudo.
    PASSOS NA CRIAÇÃO DE UMA EMPRESA
  5. DIREÇÃO E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

    Esta disciplina se enfoca no pensamento estratégico aplicado à direção e oferece um treinamento em ferramentas e mecanismos que facilitam a gestão contemporânea, aceitando a gestão da mudança como algo inerente aos entornos instáveis e variáveis em que se desenvolvem as organizações.

    Alguns temas abordados na disciplina são:

    A GESTÃO DA MUDANÇA COMO SUBSTRATO DA DIREÇÃO ESTRATÉGICA
    A mudança pessoal e organizacional. Alguns modelos para implementar uma mudança organizacional. A resistência à mudança. A participação no processo de mudança estratégica.
    A DIREÇÃO ESTRATÉGICA COMO UM MODELO DE MUDANÇA
    O pensamento estratégico e a direção estratégica. Apresentação de um modelo de planejamento estratégico validado internacionalmente. A matriz SWOT como um valioso instrumento do planejamento estratégico.
    A IMPLANTAÇÃO DA DIREÇÃO ESTRATÉGICA. AS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS
    Cenários estratégicos. A visão. Análise do sistema de valores que sustentará a estratégia. Elaboração de estratégias empresariais. Objetivos e critérios de medida. Novos negócios. Crescimento. Consolidação. Revitalização.
  6. TÉCNICAS DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS E NEGOCIAÇÃO

    Esta disciplina, que necessitamos na prática e mais ainda na vida profissional nos forma com conhecimentos teóricos e práticos para a resolução de conflitos, estratégias de resolução e habilidades básicas para sua resolução.

    INTRODUÇÃO À ANÁLISE DOS CONFLITOS
    Estratégias e métodos para resolvê-los e competências e habilidades necessárias na resolução de conflitos na empresa.
  7. TÉCNICAS DE DIREÇÃO DE EQUIPES DE TRABALHOS

    A presente disciplina apresenta diferentes técnicas de condução e direção de equipes de trabalho nas quais o importante é o recurso humano com o qual contamos e ao qual devemos "cuidar". Para isto é necessário conhecer além disso ferramentas de gestão que assegurem uma administração destes recursos de uma menor eficiência.

    CONCEITO DE GRUPO E EQUIPE
    Suas características diferenciais. Aplicações práticas para motivar. Equipes de trabalho. A competência vinculada ao trabalho em equipe. Os membros e as funções em uma equipe de trabalho.
  8. GESTÃO DO CONHECIMENTO E APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL

    Durante o curso desta disciplina conseguiremos identificar e analisar cada uma das tipologias do conhecimento geradas nas empresas para sua gestão, diagnóstico, distribuição e disponibilidade da informação; como fatores-chave de êxito. A gestão de conhecimento é uma "atividade" que deve estar presente em toda atividade profissional e mais ainda quando se está em um cargo de decisão que é o de um diretor.

    GESTÃO DO CONHECIMENTO
    Conhecimento e gestão, objetivos da gestão do conhecimento, propriedades e tipos, ferramentas e implantação.
    NOVOS PARADIGMAS EM DOCÊNCIA E PESQUISA
    e-Learning.
    APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL E MODELOS DE MATURIDADE
  9. E-BUSINESS E SUA INTEGRAÇÃO COM OS SISTEMAS CORPORATIVOS DE GESTÃO

    Esta disciplina propicia uma ampla e extensa visão do conceito e da noção de integração empresarial mediante a informação, revisando a integração sob os aspectos organizacional e tecnológico, e os conceitos essenciais da integração baseada em TICs como ERP, SCM e CRM.

    VISÃO ORGANIZACIONAL DA INTEGRAÇÃO: FORNECIMENTOS, CLIENTES E SISTEMAS
    Introdução. Fundamentos. Cadeia de valor. Exemplo de Integração de Cadeias de fornecimentos. Reflexões.
    VISÃO TECNOLÓGICA DA INTEGRAÇÃO: ASPECTOS CONCEITUAIS DE INTEGRAÇÃO E-BUSINESS
    Importância de e-business. Mudança organizacional. Estratégia do negócio. E-Business: implementação.
    SISTEMAS DE PLANEJAMENTO EMPRESARIAL (ERP)
    Aspectos conceituais. Integração na gestão da informação. Integração dos ERPs. Seleção do fornecedor. Impacto estratégico no retorno do investimento.
    GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ERA DIGITAL
    Introdução. A mudança nas empresas. Gestão de recursos humanos. A tecnologia na gestão de recursos humanos.
    GESTÃO DAS RELAÇÕES DE FORNECEDORES (SCM)
    Introdução. A cadeia de fornecimentos. Definição. Gestão da cadeia de fornecimentos. Implementação do SCM no e-business. Reflexões.
    GESTÃO DE RELAÇÕES DOS CLIENTES (CRM)
    Introdução. Aspectos conceituais. Estratégia. Implementação. Seleção do fornecedor. Integração.

4ª PARTE: PROJETO FINAL OU DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

A última parte do Mestrado é destinada à realização da Dissertação de Mestrado. Este trabalho é uma melhoria do projeto realizado ao longo das 3 partes anteriores conforme se resolviam os diversos exercícios.

O objetivo é apresentar um documento completo que apresente o desenvolvimento total da Dissertação de Mestrado proposta, contemplando a possibilidade de sua execução concreta, de acordo com os lineamentos e detalhes exigidos na respectiva norma. A Dissertação do Mestrado deve ser uma contribuição ao campo de projetos com um forte componente aplicado e respeitando a doutrina e a teoria do campo de projetos.


Observação: O conteúdo do programa acadêmico pode estar submetido a leves modificações, em função das atualizações ou das melhorias efetuadas.

Direção

Direção Acadêmica

  • Dr. Sergio Balarezzo Saldaña. Vice-reitor de pesquisa da Universidad de Piura. Peru.
  • Dr. Roberto M. Álvarez. Doutor em Engenharia de Projetos, pela Universidad Politécnica de Cataluña, Espanha, Mestre em Gerenciamento de projeto e de desenho, pela Politécnica de Milán, Itália. Professor da Universidad de Buenos Aires, Argentina. Diretor da Fundación Universitaria Iberoamericana (FUNIBER) Argentina.

Professores e Autores

  • Dr. Santos Gracia Villar. Doutor em Engenharia Industrial.
  • Dr. Christian A. Estay Niculcar. Doutor em Projetos de Inovação Tecnológica. Professor da Universidad Santa María - Campus Guayaquil, Equador. Diretor da Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) Equador.
  • Dra. Olga Capó Iturrieta. Responsável da Área de Projetos do Instituto de Investigaciones Agropecuarias (INIA), Chile.
  • Dr. José Rodríguez. Doutor em Engenharia Civil. Responsável da Área de Gestão Ambiental de Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) Perú.
  • Dr. Roberto M. Álvarez. Doutor em Engenharia de Projetos, pela Universidad Politécnica de Cataluña, Espanha, Mestre em Gerenciamento de projeto e de desenho, pela Politécnica de Milán, Itália. Professor da Universidad de Buenos Aires, Argentina. Diretor da Fundación Universitaria Iberoamericana (FUNIBER) Argentina.
  • Dr. (c) Gregorio Urriola. Prof. da Universidad Tecnológica de Panamá. Diretor da FUNIBER Panamá.
  • Dr. (c) Javier Fernández Ros. Professor do Departamento de Projetos de Engenharia da Universidad Politécnica de Cataluña (UPC). Responsável da Área de Projetos daFundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) Espanha.
  • Lic. Alberto Gaspar Vera. Arquiteto. Mestre em Planificação. Professor da Universidad Nacional de Lanús. Argentina.

Bolsa de Trabalho

A Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) destina periodicamente um valor econômico de caráter extraordinário para Bolsas de estudo em Formação FUNIBER.

Para solicitá-la, preencha o formulário de solicitação de informação que aparece no portal FUNIBER ou entre em contato diretamente com a sede da fundação em seu país para saber se é necessário proporcionar alguma informação adicional.

Uma vez que tenhamos recebido a documentação, o Comitê Avaliador examinará a idoneidade de sua candidatura para a concessão de um incentivo econômico na forma de Bolsa de estudo em Formação FUNIBER.