Mestrado em Direção Estratégica de Organizações de Saúde

Apresentação do Programa

Os Sistemas de Saúde foram evoluindo lentamente, convertendo-se em estruturas cada vez mais complexas e que necessitam de pessoas capazes de administrar, de maneira eficiente, as organizações que esses profissionais formam.

Mestrado em Direção Estratégica de Organizações de Saúde procura oferecer uma formação completa com ferramentas e conceitos que possibilitem aos profissionais a tomada de decisões apropriadas na direção, administração, avaliação e planejamento dos processos necessários para o cumprimento dos objetivos institucionais. Tudo isso por meio de conhecimentos teóricos, análise de casos práticos e exercícios que proporcionam ao participante um avanço na compressão da gestão desse tipo de organização.

Mestrado em Direção Estratégica de Organizações de Saúde procura, além disso, oferecer um novo enfoque em consonância com as mudanças do mercado e de conduta dos usuários, visando à melhoria da qualidade dos serviços oferecidos nos estabelecimentos de saúde.

A quem é dirigido

Mestrado em Direção Estratégica de Organizações de Saúde é destinado a profissionais do setor que buscam seu desenvolvimento em áreas administrativas, de gestão e direção de qualquer estabelecimento de saúde, seja público ou privado, adquirindo e potencializando os conhecimentos necessários que permitam a prestação de um serviço de qualidade aos usuários.

Titulação

Ao finalizar o Programa com êxito, o aluno receberá um diploma expedido pela universidade em que se matriculou, com o patrocínio da Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER).

Estrutura do Programa

O Mestrado está distribuído em 5 blocos obrigatórios de conteúdos.

A duração estimada do programa do Mestrado em Direção Estratégica de Organizações de Saúde é de 900 horas (90 créditos).

Em relação à distribuição do tempo, estabelece-se que:

Respecto a la distribución del tiempo se establece que:

  • Por ser um Programa a distância e não estar sujeito a aulas presenciais, não existe uma data específica para seu início, razão pela qual o aluno pode formalizar a matrícula em qualquer momento, desde que haja vagas disponíveis;
  • Por motivos acadêmicos e de aprendizagem, dispõe-se de uma duração mínima do Programa de 12 meses (um ano).
  • O tempo máximo disponibilizado para o término do Programa é de 24 meses. Nesse período de tempo, o aluno deve ter sido aprovado com êxito em todas as atividades (avaliadas) e no Projeto Final de Mestrado ou Dissertação.

A estrutura de créditos do Mestrado em Direção Estratégica de Organizações de Saúde é apresentada na tabela abaixo:

  CRÉDITOSa DURAÇÃOb HORAS
1ª Parte: Gestão de Recursos Humanos na Área da Saúde (Obrigatória) 10 3 100
2ª Parte: Gestão em Saúde e Projetos (Obrigatória) 34 9 340
3ª Parte: Sistemas de Saúde e Ferramentas Científicas (Obrigatória) 14 3 140
4ª Parte: Habilidades Diretivas para a Gestão em Saúde (Obrigatória) 19 5 190
5ª Parte: Projeto Final de Mestrado ou Dissertação (Obrigatória) 13 4 130
TOTAL 90 24 900

a. La equivalência em créditos pode variar de acordo com a universidade que titula.
b. Duração em meses.

Objetivos

Objetivo geral

  • Formar profissionais altamente qualificados quanto ao conhecimento das áreas mais importantes relacionadas ao Planejamento Estratégico de Organizações de Saúde e ao uso de ferramentas para um desempenho de excelência nos cargos de gestão e direção de tais entidades.

Objetivos específicos

  • Conhecer as ferramentas necessárias para a Gestão de Recursos Humanos na área da Saúde.
  • Conhecer os diferentes Sistemas de Saúde.
  • Aprender a elaborar projetos.
  • Realizar um estudo aprofundado dos principais aspectos da economia da saúde.
  • Conhecer e compreender os conceitos fundamentais relacionados às finanças e à economia dentro do setor de saúde.
  • Aprofundar o estudo dos principais conceitos epidemiológicos e de bioestatística.
  • Conhecer em profundidade os recursos e ferramentas necessárias para uma adequada Gestão em Saúde.
  • Conceder habilidades de direção básicas para desenvolver-se com êxito no ambiente de trabalho.
  • Conhecer os aspectos mais importantes relacionados à Metodologia da Pesquisa Científica.

Saídas Profissionais

Mestrado em Direção Estratégica de Organizações de Saúde capacita o aluno para assumir cargos com funções em Direção de Hospitais, Postos de Saúde, Centros Geriátricos e ONGs. Também para assumir cargos de gestão em diferentes departamentos dentro dessas entidades. Por outro lado, podem desempenhar funções em docência e pesquisa.

Plano de estudos

O programa de Mestrado em Direção Estratégica de Organizações de Saúde possui uma estrutura curricular baseada em cinco partes formativascomplementares para oferecer uma formação integral:

  • 1ª PARTE: GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NO ÂMBITO SANITÁRIO (100 HORAS)

A primeira parte permite compreender as complexas relações humanas, abordando todos os elementos necessários para uma adequada gestão e direção de pessoas no setor da saúde. Conhecendo também as vantagens de uma gestão por competências e a importância da mudança dentro das organizações. A finalidade é compreender as pessoas em nosso ambiente laboral.

As disciplinas e horas correspondentes à primeira parte se apresentam na tabela a seguir:

1ª PARTE: GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NO ÂMBITO SANITÁRIO
# DISCIPLINAS HORAS
1 Gestão Estratégica de RH 40
2 Avaliação do Desempenho e Gestão por Competências 30
3 Estrutura e Mudança Organizacional 30
  TOTAL 100
  • 2ª PARTE: GESTÃO SANITÁRIA E PROJETOS (340 HORAS)

A segunda parte permite ter uma visão geral da empresa, das funções, dos processos e componentes, assim como compreender a linguagem empresarial e dos negócios. Esta parte também permite compreender o processo estratégico, as principais ferramentas do marketing na atenção de pessoas, a importância da qualidade e segurança dos usuários dos serviços e todo o essencial no âmbito dos projetos. A finalidade é entender as organizações e dominar sua linguagem.

As disciplinas e horas correspondentes à segunda parte se apresentam na tabela a seguir:

  • 3ª PARTE: SISTEMAS DE SAÚDE E FERRAMENTAS CIENTÍFICAS (140 HORAS)

A terceira parte nos oferece um panorama sobre a realidade dos sistemas de saúde, apresentando as ferramentas epidemiológicas e estatísticas necessárias para uma correta elaboração e interpretação de estudos científicos, bastante utilizados no campo sanitário. A finalidade é saber como administrar o setor de saúde e as principais ferramentas que medem suas mudanças.

As disciplinas e horas correspondentes à terceira parte se apresentam na tabela a seguir:

3ª PARTE: SISTEMAS DE SAÚDE E FERRAMENTAS CIENTÍFICAS
# DISCIPLINAS HORAS
1 Sistemas de Saúde 40
2 Epidemiologia Clínica 50
3 Bioestatística 50
  TOTAL 140
  • 4ª PARTE: HABILIDADES DIRETIVAS PARA A GESTÃO SANITÁRIA (190 HORAS)

Na quarta parte são abordados todos os temas pertinentes à direção, psicologia do indivíduo, sociologia de grupos e equipes, e ao desenvolvimento pessoal. A finalidade é que o estudante compreenda todas as facetas, pessoais, individuais, coletivas e organizacionais do comportamento humano que lhe permitam um melhor desenvolvimento no âmbito laboral.

As disciplinas e horas correspondentes à quarta parte se apresentam na tabela a seguir:

  • 5ª PARTE: PROJETO FINAL/DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

A quinta parte é composta pela disciplina de Metodologia da Pesquisa Científica, que orienta para a realização do Projeto Final ou Dissertação de Mestrado. Esta parte visa apresentar um trabalho completo que abarque o desenvolvimento total de um projeto, contemplando a possibilidade de sua execução concreta, de acordo com os lineamentos e detalhes da proposta apresentada.

As disciplinas e horas correspondentes à quinta parte se apresentam na tabela a seguir:

5ª PARTE: PROJETO FINAL/DISSERTAÇÃO DE MESTRADO
# DISCIPLINAS HORAS
1 Metodologia da Pesquisa Científica 30
2 Projeto Final/Dissertação de Mestrado 100
  TOTAL 130

O Projeto Final ou Dissertação de Mestrado, cuja carga letiva é de 10 créditos, tem o objetivo de apresentar um trabalho completo que abarque o desenvolvimento total de um projeto, contemplando a possibilidade de sua execução concreta, de acordo com os lineamentos e detalhes da proposta apresentada.

Descrições dos Cursos

1ª PARTE: GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NO ÂMBITO SANITÁRIO 

  1. GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS:

    Essa disciplina está orientada a delimitar o âmbito conceitual e metodológico para que se possa reconhecer o enfoque sistêmico e estratégico da atual Gestão de Recursos Humanos (GRH) e a importância da Equipe para alcançar os objetivos.

    PANORÂMICA SOBRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO NOS RH.
    PANORÂMICA DAS FUNÇÕES DO DIRETOR DE RH.
    AS NOVAS TECNOLOGIAS NA GESTÃO DE RH E NOS SISTEMAS DE CONTROLE DE GESTÃO DE RH.
    TEORIA DA MOTIVAÇÃO DO COMPORTAMENTO HUMANO.
    FORMAÇÃO DE EQUIPES COMO FATOR ESTRATÉGICO.
    ÊNFASE EM EQUIPES.
    GESTÃO POR DEPARTAMENTOS.
  2. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E GESTÃO POR COMPETÊNCIAS:

    Essa disciplina explica a necessidade de recorrer a determinados pressupostos teórico-metodológicos para inserir na prática o enfoque por competências na GRH, de recorrer ao processo de formação como única via sustentável de manter revitalizadas essas competências e seu desenvolvimento, e de utilizar a avaliação do desempenho como processo de retroalimentação para a revitalização e o desenvolvimento das referidas competências profissionais.

    A GESTÃO DO DESEMPENHO BASEADA EM COMPETÊNCIAS.
    CRITÉRIOS DO DESEMPENHO.
    FASES DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO.
    AVALIAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS.
    A ENTREVISTA DE AVALIAÇÃO.
    PREPARAÇÃO DE UM PERFIL DE COMPETÊNCIA.
    REVISÃO DOS PERFIS DE COMPETÊNCIA DO POSTO.
    DESENVOLVIMENTO DA GESTÃO ESTRATÉGICA COM BASE NO POTENCIAL.
  3. ESTRUTURA E MUDANÇA ORGANIZACIONAL:

    Essa disciplina mostra o processo de transformação que tem ocorrido nas atuais organizações e analisa as tendências futuras a serem enfrentadas.

    EVOLUÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES.
    CENÁRIOS E AVALIAÇÃO ORGANIZACIONAL.
    A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL.
    A MUDANÇA COMO UM ASPECTO DECISIVO NA DIREÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS.
    OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA ORGANIZAÇÃO.

2ª PARTE: GESTÃO SANITÁRIA E PROJETOS

  1. ADMINISTRAÇÃO E DIREÇÃO DE EMPRESAS:

    Essa disciplina apresenta ao estudante os conceitos e técnicas de administração e direção em termos gerais e específicos das organizações de saúde.

    A EMPRESA.
    ORGANIZAÇÃO EMPRESARIAL.
    POLÍTICA, DIREÇÃO E GESTÃO ORGANIZACIONAL.
    INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL: INFORMAÇÃO, COMUNICAÇÃO E CONHECIMENTO (ICC).
    DESENVOLVIMENTO, CONSOLIDAÇÃO, CRESCIMENTO E EMPREENDEDORISMO DE NEGÓCIOS.
    O HOSPITAL COMO EMPRESA DE SERVIÇOS.
  2. ECONOMIA DA SAÚDE:

    Essa disciplina abrange os fatores macroeconômicos que exercem influência na área da saúde. Mostra aspectos relacionados com a teoria econômica, como o consumo, o gasto sanitário, a oferta e a demanda sanitária e aspectos relevantes do financiamento.

    SETOR SAÚDE E ECONOMIA.
    DEMANDA DE ASSISTÊNCIA SANITÁRIA.
    OFERTA DE ASSISTÊNCIA SANITÁRIA.
    A EFICÁCIA, AS FALHAS DE MERCADO E O INTERVENCIONISMO PÚBLICO.
    O GASTO SANITÁRIO E AS REFORMAS EM SAÚDE. O MERCADO FARMACÊUTICO.
    ANÁLISE ECONÔMICA DE COMPORTAMENTOS NÃO SAUDÁVEIS.
    SAÚDE E MACROECONOMIA.
    FINANCIAMENTO EM SAÚDE.
  3. CONTROLE E GESTÃO DE CUSTOS:

    Essa disciplina é considerada introdutória para a área. Nela são revisados os conceitos fundamentais de contabilidade para, a seguir, centrar-se nos temas essenciais do controle e gestão de custos. Permite compreender o papel da informação nas organizações mediante a geração e análise de orçamentos, entendido como o fundamento dos processos diretivos e de planejamento estratégico.

    CONTABILIDADE ANALÍTICA DE CUSTOS.
    CONTABILIDADE E CONTROLE DE GESTÃO.
    CONTROLE DE RESULTADOS EMPRESARIAIS.
    TÓPICOS DE INTERESSE VINCULADOS À CONTABILIDADE DE GESTÃO.
  4. DIREÇÃO FINANCEIRA:

    O objetivo dessa disciplina é destacar os aspectos mais relevantes que configuram conceitualmente a direção financeira de qualquer organização de saúde.

    EMPRESA E FINANÇAS EMPRESARIAIS.
    ESTADOS FINANCEIROS COMO BASE DO DIAGNÓSTICO EMPRESARIAL.
    A ANÁLISE DA LIQUIDEZ OPERATIVA.
    A ANÁLISE DOS CUSTOS DA ESTRUTURA FINANCEIRA.
    A ANÁLISE DAS DECISÕES DE INVESTIMENTO.
    A ANÁLISE DA RENTABILIDADE DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO.
  5. PLANEJAMENTO SANITÁRIO:

    Essa disciplina procura trabalhar os conceitos mais importantes do planejamento estratégico em saúde, modelos, alcance do processo e avaliações dos serviços de saúde.

    O PLANEJAMENTO EM SAÚDE.
    TÉCNICAS QUALITATIVAS EM PLANEJAMENTO SANITÁRIO.
    TÉCNICAS QUANTITATIVAS EM PLANEJAMENTO SANITÁRIO.
    MODELOS DE PLANEJAMENTO.
    PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TÁTICO E DE PROCESSOS.
    ALCANCE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO.
    AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES E DA UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS.
  6. GESTÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE:

    Essa disciplina trabalha os principais conceitos de gestão de serviços sanitários, aspectos técnicos e de implementação de sistemas que permitam melhorar a gestão.

    A GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE.
    ASPECTOS TÉCNICOS DO CONTROLE DE GESTÃO.
    IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE DE GESTÃO.
  7. MARKETING EM SAÚDE:

    Essa disciplina procura trabalhar os principais conceitos de marketing sanitários para compreender o usuário e chegar a ele com maior facilidade.

    DEFINIÇÕES DE MARKETING.
    VANTAGENS.
    MARKETING NEGATIVO.
    DINÂMICA E ORIENTAÇÃO.
    SENSIBILIDADE PARA COM O USUÁRIO.
    O PRODUTO E O PROCESSO PRODUTIVO NO HOSPITAL.
  8. QUALIDADE ASSISTENCIAL E SEGURANÇA DOS PACIENTES:

    Essa disciplina procura trabalhar o melhoramento da qualidade dos serviços de saúde, tendo clara a importância dos pacientes nos processos.

    COMPONENTES E IMPORTÂNCIA.
    GESTÃO POR PROCESSOS.
    PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DA QUALIDADE.
    CONTROLE DA QUALIDADE.
    MARCO CONCEITUAL DA SEGURANÇA CLÍNICA DO PACIENTE.
    GESTÃO DO RISCO SANITÁRIO.
    PREVENÇÃO DOS EFEITOS COLATERAIS.
  9. PLANEJAMENTO E GESTÃO DE PROJETOS:

    Essa disciplina é de natureza operacional e pretende mostrar as ferramentas para desenvolver um plano operacional a partir de um plano estratégico.

    O PROJETO.
    GESTÃO DA INTEGRAÇÃO E DO ALCANCE: PLANEJAMENTO

3ª PARTE: SISTEMAS DE SAÚDE E FERRAMENTAS CIENTÍFICAS

  1. SISTEMAS DE SAÚDE:

    Essa disciplina oferece conhecimentos a respeito de políticas e os diferentes sistemas sanitários. Aprender a realizar o diagnóstico de um sistema de saúde e conhecer mais a fundo o que é a atenção primária, sua importância e implicações.

    POLÍTICAS E SISTEMA SANITÁRIO.
    MODELOS SANITÁRIOS.
    SISTEMAS DE SAÚDE NA ASSISTÊNCIA PÚBLICA.
    DIAGNÓSTICO DE UM SISTEMA DE SAÚDE.
    A ATENÇÃO PRIMÁRIA E SUA IMPORTÂNCIA.
  2. EPIDEMIOLOGIA CLÍNICA:

    Essa disciplina traz as ferramentas básicas para compreender a epidemiologia e aplicá-la a estudos sanitários. Também dá orientações sobre como realizar uma pesquisa de qualidade na internet.

    EPIDEMIOLOGIA CLÍNICA: METODOLOGIA E APLICAÇÕES.
    A CONDUÇÃO DE ESTUDOS DE MEDICINA BASEADA EM EVIDÊNCIAS.
    AVALIAÇÃO DE INSTRUMENTOS.
    DOCUMENTAÇÃO CIENTÍFICA E ACESSO À BASE DE DADOS E SITES DA INTERNET DA ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE.
  3. BIOESTATÍSTICA:

    Essa disciplina demonstra os conceitos e as ferramentas necessárias para compreender e utilizar as ferramentas estatísticas nos estudos de saúde, bem como compreender as descobertas relatadas em outros estudos.

    ESTATÍSTICA DESCRITIVA.
    DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS.
    MEDIDAS DE CENTRALIZAÇÃO E DE DISPERSÃO.
    RELAÇÃO ENTRE TRÊS VARIÁVEIS.
    ANÁLISE ESTRATIFICADA.
    CONFUSÃO E INTERAÇÃO.
    PROPORÇÕES E PROBABILIDADE.
    TEOREMA DE BAYES.
    DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADES.
    INFERÊNCIA ESTATÍSTICA.
    DISTRIBUIÇÃO NORMAL E TEOREMA CENTRAL DO LIMITE.
    TAMANHO DA AMOSTRA PARA ESTIMATIVA.
    DESENHO DE CASO CONTROLE.
    TABELAS DE CONTINGÊNCIA.
    ANÁLISE DE VARIÂNCIA.
    REGRESSÃO LINEAR.
    POTÊNCIA ESTATÍSTICA DE UMA PESQUISA.
    TAMANHO DA AMOSTRA PARA ESTIMATIVA.
  4. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA:

    Estudo de técnicas e etapas da pesquisa científica, análise entre variáveis, pautas para a organização de dados e elaboração de raciocínios lógicos para comparar populações.

    O MÉTODO CIENTÍFICO.
    AS TÉCNICAS DE PESQUISA.
    O PROCESSO DE PESQUISA.
    RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA.

4ª PARTE: HABILIDADES DIRETIVAS PARA A GESTÃO SANITÁRIA

  1. GESTÃO DO TEMPO E DIREÇÃO DE REUNIÕES:

    Disciplina fundamental para aprender a otimizar as reuniões de trabalho através do desenvolvimento e uma boa preparação. Também oferece critérios e técnicas para a gestão do próprio tempo dentro do marco da função diretiva.

    A GESTÃO DO TEMPO E A EFICÁCIA DO DIRIGENTE.
    PRINCÍPIOS DE PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO DIRIGENTE.
    A DELEGAÇÃO, CONCEITOS, DIFICULDADES E VANTAGENS.
    O PROCESSO DE DELEGAÇÃO.
  2. ESTRESSE E BURNOUT:

    Essa disciplina ensina como administrar as situações de estresse e burnout dentro da organização empresarial, dotando o aluno dos conhecimentos teórico-práticos necessários.

    CONCEITOS, ENFOQUES MAIS IMPORTANTES NO ENFRENTAMENTO DO ESTRESSE NO TRABALHO.
    TÉCNICAS E FERRAMENTAS PARA A GESTÃO DO ESTRESSE.
    FATORES CAUSADORES DO ESTRESSE NO TRABALHO.
    INCIDÊNCIAS DO ESTRESSE EM FUNÇÃO DE VARIÁVEIS PESSOAIS.
  3. RESOLUÇÃO/TRANSFORMAÇÃO DE CONFLITOS NO ÂMBITO SANITÁRIO:

    O objetivo da disciplina é que os alunos consolidem uma formação conceitual e prática que permita intervir como mediadores de conflitos em instituições de Saúde.

    ANÁLISE PSICOSSOCIAL DOS AGENTES SANITÁRIOS: PACIENTES, PROFISSIONAIS E INSTITUIÇÕES.
    A ATENÇÃO NA SAÚDE: MULTIPLICIDADE DE AGENTES.
    TEORIA E PRÁTICA DA MEDIAÇÃO E A NEGOCIAÇÃO NOS CONFLITOS GERADOS NA ÁREA DA SAÚDE.
  4. TÉCNICAS DE DIREÇÃO E LIDERANÇA ORGANIZACIONAL:

    O objetivo geral dessa disciplina é conhecer e aprofundar os estudos em estilos de liderança e direção, sua relação, diferenças, importância e enfoques teóricos, assim como as competências e habilidades necessárias para seu exercício.

    FUNÇÕES DA LIDERANÇA E DA DIREÇÃO HARD E SOFT.
    A LIDERANÇA FUNCIONAL NAS ORGANIZAÇÕES.
    OS MODELOS E ESTILOS DE LIDERANÇA.
    RECONHECIMENTO E FLEXIBILIZAÇÃO DO ESTILO PRÓPRIO.
    A LIDERANÇA E SUA RELAÇÃO COM OS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS.
    A DIREÇÃO POR OBJETIVOS.
  5. TÉCNICAS DE DIREÇÃO DE EQUIPES DE TRABALHO:

    Essa disciplina oferece os elementos teóricos e práticos a respeito dos grupos e equipes de trabalho, suas características e as técnicas e ferramentas para sua gestão eficaz.

    CONCEITOS DE GRUPO E DE EQUIPE, SUAS CARACTERÍSTICAS DIFERENCIAIS.
    APLICAÇÕES PRÁTICAS PARA MOTIVAR EQUIPES DE TRABALHO.
    A COMPETÊNCIA VINCULADA AO TRABALHO EM EQUIPE.
    OS MEMBROS E FUNÇÕES EM UMA EQUIPE DE TRABALHO.
  6. TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL:

    A disciplina identifica os elementos que intervêm em um processo de comunicação, cataloga esses elementos e descreve as funções das diferentes pessoas que fazem parte do processo de comunicação em um ambiente de trabalho.

    A COMUNICAÇÃO: ASPECTOS GERAIS.
    MODELOS DE COMUNICAÇÃO E SEUS PARTICIPANTES.
    O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO.
    MEIOS PARA A COMUNICAÇÃO.
    BARREIRAS À COMUNICAÇÃO.
    TÉCNICAS E FERRAMENTAS PARA UMA COMUNICAÇÃO EFETIVA.
    QUALIDADES PESSOAIS PARA SER UM BOM COMUNICADOR.
    COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO NO HOSPITAL.

5ª PARTE: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA E PROJETO FINAL DE MESTRADO OU DISSERTAÇÃO

  1. Metodologia da Pesquisa Científica:

    Estudo de técnicas e etapas da pesquisa científica, análise entre variáveis, pautas para a organização de dados e elaboração de raciocínios lógicos para comparar populações.

    O MÉTODO CIENTÍFICO.
    AS TÉCNICAS DE PESQUISA.
    O PROCESSO DE PESQUISA.
    RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA.
  2. PROJETO FINAL OU DISSERTAÇÃO

    O Projeto Final de Mestrado deve ser um trabalho original e pessoal. Além disso, deve representar uma contribuição com um forte componente aplicado, baseado nos módulos anteriores.

    Previamente à elaboração do PFM, o estudante deverá ter lido as orientações para sua realização, localizadas no ícone Biblioteca Virtual, dentro do Campus. Do mesmo modo, deverá enviar a seu tutor/a um relatório com o título do projeto que será realizado, um índice aproximado e uma breve explicação, seguindo o formato do modelo estabelecido nas orientações.

    Esse material requer acompanhamento pessoal por parte do tutor do Projeto Final de Mestrado, o qual orientará o aluno em seu desenvolvimento e indicará, caso acredite ser necessário, qualquer leitura adicional que deva ser realizada.

    O tutor dará sua aprovação para a apresentação definitiva do PFM. Uma vez terminado o Projeto, este deverá ser entregue em formato digital para avaliação final por parte de uma banca nomeada entre os demais tutores do Mestrado. O sistema de avaliação do PFM levará em consideração uma ponderação entre a apresentação, originalidade do tema, estrutura e o conteúdo do trabalho.


Observação: O conteúdo do programa acadêmico pode ser submetido a ligeiras modificações em função das atualizações ou das melhorias efetuadas.

Direção

Direção Acadêmica

  • Dr. Maurizio Battino. Diretor da Área de Saúde e Nutrição da Fundação Universitária Iberoamericana. Pesquisador em Bioquímica e porfessor da Scuola di Specializzazione in Scienza dell'Alimentazione.
  • Dra. Silvia Aparicio. Doctora en Ciencias Económicas por la Universidad Autónoma de Madrid y Licenciada en Administración y Dirección de Empresas por la Universidad de Cantabria. Directora Académica Internacional del Área de Desarrollo Directivo, Organización Empresarial y Recursos Humanos de la Fundación Universitaria Iberoamericana, FUNIBER.

Coordenação Geral Acadêmica

  • Dra.(c) Irma Domínguez Azpíroz. Coordenadora Internacional Área de Saúde.
  • Dra. (c) Carmen Lilí Rodríguez Velasco. Coordenadora Internacional Área de Organização Empresarial, Desenvolvimento Diretivo e RH.

Coordenação do Programa

  • Dra. (c) Vivian Lipari Zegarra. Doutora candidata. Mestrado em Saúde Pública da Universidade do Chile e Mg. (c) de Administração de Serviços de Saúde da Universidad Federico Villarreal do Peru.

Professores e Autores

  • Dr. David Barrera Gómez. Doutor Engenheiro pela Universidad Politécnica de Cataluña e MBA pela Escuela Técnica Superior de Ingenieros Industriales de Barcelona, UPC. Consultor de negócios, tecnologia e soluções empresariais. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana.
  • Dr. Roberto M. Álvarez. Doutor em Engenharia de Projetos pela Universidad Politécnica de Cataluña, Espanha. Mestrado em Gerenciamento de Projeto e de Desenho pela Politécnica de Milão, Itália. Professor da Universidad de Buenos Aires, Argentina. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana.
  • Dr. Luis Vivanco Sierralta. Plataforma de Bioética. Centro de Investigación Biomédica de La Rioja (CIBIR). Espanha.
  • Dr. José Manuel Figueroa González.Doutor em Engenharia de Projetos, pela Universidad Politécnica de Cataluña, Espanha. Mestrado em Recursos Humanos pela EAE Business School, Barcelona. Diretor do Departamento de Inovação, Negócios e Novas Tecnologias. Universidad Internacional Iberoamericana.
  • Dr. Sergio Balarezzo Saldaña. Reitor de Pesquisa da Universidad de Piura. Peru.
  • Dr. Manuel Maeda Takeuchi. Professor de Programas de Engenharia e Administração de Empresas, Universidad de Piura, Peru. Experiência Gerencial em Administração, Projetos de Corporação, Administração de Operações e Administração e Finanças.
  • Dr. Francisco J. Hidalgo Trujillo. Doutor em Engenharia de Projetos: Ambiente, Segurança, Qualidade e Comunicação, pela Universidad Politécnica de Cataluña. Assessor e consultor de organizações. Analista de processos estratégicos e de desenvolvimento empresarial.
  • Dra. Cristina Hidalgo González. Doutora em Ciências Empresariais pela Universidad de León. Professora Titular do Departamento de Economia Aplicada da Universidad de León.
  • Dr. (c) Saúl Domingo Soriano. Doutor candidato pela Universidad de León. Mestre em Direção Geral de Empresas pelo Institut Català de Tecnologia de Barcelona. Mestre em Consultoria e Tecnologias da Informação e-Business pela Universidad de Las Palmas de Gran Canaria, Espanha. Diretor de Projetos Finais de Mestrado e Especializações, FUNIBER.
  • Dra. (c) Vivian Lipari Zegarra. Doutora candidata. Mestrado em Saúde Pública da Universidade do Chile e Mg. (c) de Administração de Serviços de Saúde da Universidad Federico Villarreal do Peru.
  • Dra. (c) Carmen Lilí Rodríguez Velasco. Doutorado em Educação, pela Universidad Internacional Iberoamericana (em processo). Mestrado em Psicologia Laboral e Organizacional pela Universidad de La Habana, Cuba. Coordenadora Acadêmica Internacional da Área Desenvolvimento Diretivo, Organização Empresarial e Recursos Humanos, FUNIBER.
  • Dra. (c) Diana Patricia Cortés Díaz.Doutorado em Projetos, pela Universidad Internacional Iberoamericana (em processo). Mestrado em Recursos Humanos e Gestão do Conhecimento da Universidad de León (Espanha). Consultora especializada em Direito Laboral e Segurança Social. Coordenadora Acadêmica do Programa Mestrado em Direção Estratégica do Conhecimento e suas Especializações.
  • Dra. (c) Ana Godoy Magdaleno. Doutorado em Psicologia pela Universidad del País Vasco (em processo de finalização). Diploma de Estudos Avançados pela Universidad del País Vasco. Especialista em Mediação: âmbitos de atuação e técnicas aplicadas à resolução de conflitos, pela Universidad Complutense de Madrid. Coordenadora Acadêmica do Programa Mestrado em Resolução de Conflitos e Medialção e suas Especializações.
  • Ms. María Eugenia Luna Borgaro. Mestrado em Recursos Humanos e Gestão do Conhecimento da Universidad de León, Espanha. Expert em Gestão de Recursos Humanos e Habilidades Diretivas. Professora da FUNIBER.
  • Mg. Lucía Odette Castillo. Mestrado em Administração e Direção de Recursos Humanos (USACH). Enfermeira Chefe do Hospital Clínico da Universidad de Chile.
  • Mg. Helia Silva Bustos. Magíster em Saúde Pública (Universidad de Chile). Docente da Universidad de Chile de Salud Pública.
  • Mg. Tania Herrera Martínez Máster of Business da Universidad Queensland, Austrália. Magíster em Gestão para a Globalização da Universidad de Chile e Mestrado em Saúde Pública da Universidad de Chile. Licenciada em Medicina pela Univ. de Chile.
  • Mg. Laura Prieto Parra. Magíster em Saúde Pública da Universidad de Chile. Coordenadora Acadêmica dentro do Mestrado de Saúde Pública da Universidad de Chile.
  • Mg. Javiera Parro Fluxá. Magíster em Saúde Pública da Universidad de Chile. Docente da Área de Pesquisa da Universidad de los Andes, Chile.
  • Mg. CD. Lucia Vassallo Gjurinovic. Magíster em Gerência de Serviços de Saúde. Auditor Interno em Sistemas de Gestão de Qualidade ISO 9001:2008. Especialista em Autoavaliação Universitária (Assembleia Nacional de Reitores). Supervisor de Clínica Especializada em Odontologia - Facultad de Odontología – Universidad San Martín de Porres. Peru.
  • MD. Juan Manuel Diminich Paredes. Especialista em Auditoria Médica (RNA em trâmite). Auditor Líder ISO 9001: 2008. Membro da Sociedade Peruana de Auditoria Médica. Superintendente de Saúde Ocupacional – Mineradora Chinalco, Peru.

Bolsa de Trabalho

A Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) destina periodicamente um valor econômico de caráter extraordinário para Bolsas de estudo em Formação FUNIBER.

Para solicitá-la, preencha o formulário de solicitação de informação que aparece no portal FUNIBER ou entre em contato diretamente com a sede da fundação em seu país para saber se é necessário proporcionar alguma informação adicional.

Uma vez que tenhamos recebido a documentação, o Comitê Avaliador examinará a idoneidade de sua candidatura para a concessão de um incentivo econômico na forma de Bolsa de estudo em Formação FUNIBER.