Mestrado em Nutrição e Dietética Vegetariana

Apresentação do Programa

O mundo da nutrição e da alimentação humana, devido à sua relação direta com a saúde, é assunto de interesse de muitos profissionais, que precisam transportá-lo para seu campo de estudo/responsabilidade a fim de aplicá-lo de forma prática.

O avanço das ciências que sustentam a nutrição, como a bioquímica, a biologia molecular, a fisiopatologia, a toxicologia e a dietética tornam-na uma ciência fascinante, das mais modernas e aplicadas, que, além disso, requer ser contemplada não só com os olhos científicos, mas, também, humanos.

Neste contexto, a dieta vegetariana é proposta cada vez mais como um modelo alternativo de alimentação com base em princípios de ética, saúde e ecologia. O número de vegetarianos nos países ocidentais está crescendo de forma constante, e frente a esta demanda crescente, os profissionais ainda não têm a disposição ferramentas disponíveis para atender às necessidades de vegetarianos e indivíduos que desejam sê-lo.

Hoje, os profissionais precisam de uma formação continuada que permita alcançar um elevado nível de especialização, tal como é exigida diariamente pelos usuários/clientes/pacientes com os quais interagem e pelas instituições públicas e privadas onde atuam.

Surge, então, a necessidade de educar os profissionais de nutrição neste domínio específico, adequando-os às posições das organizações internacionais de alto nível científico (ver o parecer da American Dietetic Association de 2009) e colocando à disposição deles conceitos e habilidades deste ramo particular das Ciências da Alimentação.

A nossa experiência e metodologia educacional garantem uma formação universitária rigorosa e de qualidade.

A quem é dirigido

A metodologia de formação proposta juntamente com a clareza, amplitude e didática dos conteúdos permite dirigir o Mestrado em Nutrição e Dietética Vegetariana a profissionais que desenvolvem a sua atividade em posições relacionadas com a saúde, a indústria ou em empresas que querem se especializar em área da alimentação vegetariana.

Mestrado em Nutrição e Dietética Vegetariana tem como público-alvo:

  • Licenciados e Graduados em Ciências da Saúde que desejam atualizar ou aprofundar seus conhecimentos em Nutrição e Dietética Vegetariana.
  • Licenciados e Graduados que, devido ao seu exercício profissional, desejam se especializar em Nutrição e Dietética Vegetariana.
  • Licenciados ou Graduados universitários com interesse no assunto.
  • O Mestrado em Nutrição e Dietética Vegetariana é o complemento ideal para enriquecer qualquer formação em nível de graduação ou pós-graduação de qualquer pessoa interessada em se especializar no tema da alimentação vegetariana.

Titulação

A conclusão com sucesso do Programa permitirá que você obtenha a titulação do Mestrado em Nutrição e Dietética Vegetariana.

Após a conclusão com êxito do Programa, o aluno receberá o diploma emitido pela Universidade em que se matriculou.

Estrutura do Programa

A duração estimada para realização é de 18 meses.

No que diz respeito à distribuição dos tempos, estabelece-se que

  • Por ser um programa a distância e não estar sujeito a aulas presenciais, não se estabelece uma data específica de início, desta maneira, o aluno pode formalizar a matrícula em qualquer momento, sempre que houver vagas disponíveis.
  • O tempo máximo para concluir o programa é de 18 meses. Neste período, o aluno deve ter concluído com êxito todas as avaliações do programa.

A estrutura de créditos e horas do Mestrado em Nutrição e Dietética Vegetariana é apresentada na tabela a seguir:

  CRÉDITOSa DURAÇÃOb HORAS
1ª Parte: Módulo Obrigatório 58 15 580
2ª Parte: Projeto Final ou Dissertação de Mestrado 12 3 120
TOTAL 70 18 700

a. A estrutura de créditos e duração pode variar segundo o desenvolvimento das PPS. As PPS são obrigatórias conforme exigência da universidade que emite o título.
b. Duração em meses

Objetivos

Objetivo geral

  • Proporcionar conhecimentos para a compreensão adequada dos princípios teóricos e práticos que formam a base da dieta vegetariana em todas as suas variantes e implicações clínicas na prevenção e tratamento das principais doenças crônico-degenerativas.

Objetivos específicos

  • Desenvolver a capacidade de empatia com o cliente vegetariano, conhecer e respeitar as motivações de sua escolha.
  • Capacitar os profissionais nesta área da dietética, ainda pouco estudada, e atender com profissionalismo e sensibilidade humana os pedidos de clientes e pacientes vegetarianos.
  • Realizar uma análise crítica de uma prática dietética ou de um artigo sobre dietas vegetarianas, bem como organizar e participar em programas de educação nutricional relacionados com vegetarianismo.

Saídas Profissionais

Algumas das oportunidades de carreira do Mestrado em Nutrição e Dietética Vegetariana são:

  • Profissionais de Ciências da Saúde que desejam se especializar no campo da nutrição vegetariana.
  • Docentes em programas em programas de ensino dirigidos aos profissionais da saúde, dos serviços de restauração coletiva, de centros de informação ao consumidor, de associações de pacientes, escolas, centros comunitários e esportivos, etc.
  • Gerentes ou responsáveis por empresas de restauração coletiva (escolas, serviços de catering, hotéis, hospitais, lares de idosos, etc.).
  • Pesquisador científico sobre questões relacionadas com a alimentação vegetariana.
  • Técnico em um departamento de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da indústria farmacêutica ou alimentícia.
  • Técnico em um departamento de Marketing da indústria farmacêutica ou alimentícia.
  • Técnico em um departamento de Qualidade em uma indústria farmacêutica ou alimentícia.
  • Comercial em empresas alimentícias ou farmacêuticas com linhas de produtos vegetarianos.

Observação: O exercício das profissões é regulado pela legislação de cada país.

Plano de estudos

Consiste em atividades educacionais e interativas realizadas on-line, além de um projeto final de mestrado (ou dissertação), representando um total de 70 créditos ECTS (18 meses).

Cada atividade educativa é composta de uma série de módulos estruturados segundo uma ordem pedagógica precisa. Por sua vez, cada módulo é dividido em temas que organizam a documentação de uma maneira clara e específica.

A atividade interativa on-line é a participação em fóruns e conferências destinadas a estimular a capacidade crítica do aluno, visando a aquisição de novas habilidades e conhecimentos contidos na literatura científica médica.

Existem 10 módulos educativos, representando um total de 58 créditos; o projeto final abarca os 12 créditos restantes.

  • 1a PARTE: MÓDULO OBRIGATÓRIO (58 CRÉDITOS)

A primeira parte do Mestrado aborda as áreas temáticas de grande relevância e atualidade na Nutrição e Dietética Vegetariana a partir de uma perspectiva multidisciplinar própria desta Ciência

As disciplinas e respectivos créditos que compõem a 1.ª Parte: Módulo Obrigatório são apresentados na tabela a seguir:

  • 2PARTE: PRÁTICAS PRESENCIAIS SUPERVISIONADAS (8 CRÉDITOS)

A realização das Práticas Presenciais Supervisionadas é obrigatória conforme a exigência das universidade em que o aluno se matriculou.

O aluno deve desenvolver atividades profissionais próprias do programa em um contexto profissional autêntico. O aluno é o responsável por localizar o centro de práticas, que deve ser validado pela direção do Programa Acadêmico.

Os créditos que compõem o módulo são apresentados na tabela a seguir:

2PARTE: PRÁTICAS PRESENCIAIS SUPERVISIONADAS
# DISCIPLINAS CRÉDITOS
1 Práticas presenciais supervisionadas 8
TOTAL 8
  • 3PARTE: PROJETO FINAL DE MESTRADO (12 créditos)

O Projeto Final deve ser um caráter profissionalizante e estar relacionado com o âmbito laboral ao qual o programa cursado está alinhado.

O aluno deve desenvolver seu Projeto Final segundo as Normas para o Projeto Final.

Os créditos que compõem o módulo são apresentados na tabela a seguir:

3PARTE: PROJETO FINAL DE MESTRADO
# DISCIPLINAS CRÉDITOS
1 Projeto Final de Mestrado 12
TOTAL 12

Observação: O conteúdo do programa acadêmico pode estar submetido a ligeiras modificações, em função das atualizações ou das melhoras efetuadas.

Descrições dos Cursos

1ª PARTE: MÓDULO OBRIGATÓRIO

  1. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

    Esta disciplina é composta pelos seguintes temas:

    O método científico. Técnicas de pesquisa. O processo de pesquisa. A abordagem estatística para o processo de pesquisa. Estatística descritiva. Estatística diferencial - correlação e regressão. Relatório final da pesquisa.

  2. CARACTERIZAÇÃO DAS DIETAS VEGETARIANAS

    Esta disciplina é composta pelos seguintes temas:

    Motivações éticas da Dieta Vegetariana. Os alimentos da Dieta Vegetariana. Características gerais da Dieta Vegetariana. Guias alimentares e Nutrição Vegetariana. Adequação nutricional na Dieta Vegetariana. Modelos de Dieta Vegetariana. Modelos de Dietas Vegetarianas alternativas com risco de inadequação.

  3. NUTRIENTES

    Esta disciplina é composta pelos seguintes temas:

    Visão geral dos macronutrientes (carboidratos, lipídios, proteínas) e micronutrientes (vitaminas e minerais). Equilíbrio de água e eletrólitos. Fibra e fitocompostos. Aminoácidos e outros componentes nitrogenados considerados nutrientes essenciais.

  4. BIOQUÍMICA NUTRICIONAL

    Esta disciplina é composta pelos seguintes temas:

    Uma visão geral da anatomia e fisiologia do sistema digestivo com noções de anatomia comparada. Metabolismo e sua regulação. Integração metabólica. Sinais intracelulares e intercelulares. A regulação da expressão gênica. Destino metabólico dos carboidratos. Destino metabólico dos lipídios. Aminoácidos, nucleotídeos e outros compostos nitrogenados.

  5. ALIMENTOS DA DIETA VEGETARIANA

    Esta disciplina é composta pelos seguintes temas:

    Alimentos de origem vegetal: grãos, legumes, vegetais, frutas e frutos secos. Leite, ovos e produtos lácteos, mel. Alimentos de cultivo tradicional e orgânico. Métodos de conservação, preparação e cocção de alimentos.

  6. PRESENÇA E BIODISPONIBILIDADE DOS NUTRIENTES EM ALIMENTOS VEGETAIS

    Esta disciplina é composta pelos seguintes temas:

    Proteínas vegetais. Carboidratos. Gorduras vegetais (ênfase no omega-3). Vitaminas (ênfase na vitamina B12). Minerais (ênfase no ferro, cálcio, zinco, iodo). Fitocompostos.

  7. NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO ORGANISMO HUMANO

    Esta disciplina é composta pelos seguintes temas:

    Conceito de nutrição. A célula. Nutrientes. Produção de energia do corpo. Valor energético dos nutrientes e metas nutricionais. Guias alimentares onívoros. Guias alimentares vegetarianos.

  8. TABELAS DE COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS. ELABORAÇÃO DA DIETA VEGETARIANA

    Esta disciplina é composta pelos seguintes temas:

    Grupos de alimentos. A distribuição das refeições ao longo do dia. Tabelas de composição de alimentos. Elaboração de dietas vegetarianas.

  9. NUTRIÇÃO VEGETARIANA EM SITUAÇÕES FISIOLÓGICAS

    Esta disciplina é composta pelos seguintes temas:

    Nutrição vegetariana e gravidez. Nutrição vegetariana e lactação. Nutrição vegetariana na infância. Nutrição vegetariana na adolescência (com visão geral sobre distúrbios alimentares). Nutrição vegetariana no envelhecimento (com visão geral sobre a menopausa).

  10. NUTRIÇÃO VEGETARIANA EM SITUAÇÕES PATOLÓGICAS DE ALTA PREVALÊNCIA

    Esta disciplina é composta pelos seguintes temas:

    Evidência epidemiológica. Doenças cardiovasculares. Obesidade e sobrepeso. Diabetes mellitus. Hipertensão. Osteoporose. Câncer. Doenças neurodegenerativas. Prisão de ventre. Doença celíaca e outras doenças do sistema imunitário. Anemia. Interações entre medicamentos e alimentos de origem vegetal.

  11. ASPECTOS ESPECÍFICOS DA DIETA VEGETARIANA

    Esta disciplina é composta pelos seguintes temas:

    Nutrição escolar. Nutrição vegetariana no hospital (incluindo a nutrição enteral). Nutrição vegetariana e atividade física.

  12. OUTROS ASPECTOS DA DIETA VEGETARIANA

    Esta disciplina é composta pelos seguintes temas:

    Evolução humana e dieta. Vegetarianismo e impacto ambiental. História do vegetarianismo. Motivações éticas da opção vegetariana.

2PARTE: PRÁTICAS PRESENCIAIS SUPERVISIONADAS (PPS)

A realização das Práticas Presenciais Supervisionadas é obrigatória conforme a exigência das universidade em que o aluno se matriculou.

As Práticas Presenciais Supervisionadas (PPS) consistem em um conjunto de atividades a serem desenvolvidas individual e temporariamente, enfatizando o processo de aprendizagem e capacitação profissional, em centros ou instituições públicas ou privadas.

O desenvolvimento das PPS deve ser realizado segundo o Guia de PPS que a instituição proporcionará ao aluno. É importante informar aos alunos que eles serão responsáveis por localizar um centro de práticas no qual desejam realizá-las, e que este deve ser validado pela direção do Programa Acadêmico.

3PARTE: PROJETO FINAL (PF)

O projeto final deve ter um caráter profissionalizante deve ser uma proposta e/ou implementação de uma atuação com o objetivo de responder às necessidades detectadas em um determinado contexto profissional real, relacionado com o contexto profissional ao qual o curso está filiado.

O aluno deve desenvolver o seu Projeto Final de acordo com as Normas para o Projeto Final, que a instituição fornecerá ao aluno e servirá como guia em seu desenvolvimento, especialmente se não houver experiência na elaboração de projetos desse tipo.

 

Direção

  • Prof. Maurizio Battino. Professor de Bioquímica e Nutrição na Universidade Politécnica de Marche, Ancona, Itália. Diretor do Centro de Saúde e Nutrição na Universidade Europeia do Atlântico, Santander, Espanha.
  • Drª. Luciana Baroni. Presidente da Sociedade Científica de Nutrição Vegetariana, Itália.
  • Drª. Emma Espinosa. Professora de Medicina Interna na Universidade Politécnica de Marche, Ancona, Itália.

Professores e Autores

  • Prof. Maurizio Battino. Professor Associado de Bioquímica e Professor da Escola de Especialização em Ciência dos Alimentos, bem como professor de Bioquímica na Faculdade de Medicina da Universidade Politécnica da região de Marche. Coordenador do Primeiro e Segundo Níveis de Mestrado em Nutrição, desenvolvido em colaboração com a FUNIBER. Diretor da Área de Saúde e Nutrição da Fundação Universitária Iberoamericana.
  • Luciana Baroni, MD. Especialista em Geriatria e Neurologia no Mestrado Internacional em Nutrição e Dietética. Presidente da Sociedade Italiana Científica de Nutrição Vegetariana.
  • Marina Berati, Eng. Centro Internacional de Ecologia e Nutritão. Presidente da AgireOra Editions.
  • Chiara Bonetto, PhD. Doutora em Metodologia Estatística para a Pesquisa Científica. Departamento de Saúde Pública e Medicina Comunitária. Universidade de Verona, Itália.
  • Donata Decima, MD. Especialista em Neurologia no Mestrado Internacional em Nutrição e Dietética. Diretora do ambulatório para diagnóstico e tratamento de cefaleias. Hospital Villa Salus. Itália.
  • Mauro Destino, D.Sc. Especialista em Ciência dos Alimentos, Especialista em Química e Tecnologia de Alimentos. Nutricionista-chefe da Clínica distúrbios de peso e dieta. DIAITA Center, Mesagne, Itália.
  • Ilaria Fasan, RD. Unidade de Diabetologia, Nutrição Clínica, Obesidade e Doenças Metabólicas no Centro de Referência Regional de Pediatria para o Diabetes na Infância, Verona, Itália.
  • Roberto Fraioli, MD. Especialista em Ginecologia e Obstetrícia. Diretor do Centro para a Menopausa. Veneza, Itália.
  • Luisa Mondo, MD. Especialista em Medicina Preventiva e Higiene. Serviço Regional de Epidemiologia. Grugliasco, Itália.
  • Susanna Penco, ScD. Pesquisadora universitária. Especialista em Patologia Geral. Departamento de Medicina Experimental. Departamento de Patologia Geral. Genova, Itália.
  • Leonardo Pinelli, MD. Especialista em Pediatria e Endocrinologia. Vice-presidente da Sociedade Italiana Científica de Nutrição Vegetariana.
  • Luciano Proietti, MD. Especialista em Pediatria. Especialista em Cirurgia Pediátrica. Presidente da Sociedade Italiana de Nutrição Vegetariana
  • Vincenzino Siani, MD. Especialista em Medicina do Esporte, Doenças Metabólicas e Hepáticas, Medicina Espacial e Aeronáutica. Graduação em Ciências Naturais. Professor de Ecologia Nutricional no curso de especialização em Ciência da Nutrição Humana na Universidade de Roma Tor Vergata. Professor de Fisiologia e Dietética Aplicada ao Esporte na Escola de Esportes do Comitê Olímpico Nacional Italiano, Roma. Presidente da Sociedade Italiana de Nutrição Vegetariana
  • Massimo Tettamanti, PhD. Doutor em Ciências Químicas. Assessor do Mahatma Gandhi Center, Governo da Índia. Diretor do Centro Internacional de Nutrição e Ecologia.
  • Raffaella Zago, MD. Especialista em Ciência da Alimentação e Diretor da Clínica de Nutrição Clínica, Unidade Organizacional de Medicina. Hospital di Dolo, Itália.
  • Cristina Zuliani, MD. Especialista em Neurologia e em Doenças Inflamatórias e Degenerativas do Sistema Nervoso Central. Responsável pela clínica de esclerose múltipla. Unidade Operacional de Neurologia, Mirano, Itália.

Outros colaboradores:

  • Profª. Giovanna Curatola. Professora de Bioquímica, Professora na Escola de Especialização em Ciência dos Alimentos, Centro Interdepartamental de Promoção da Saúde e Educação em Saúde, Departamento de Nutrição da Escola de Medicina da Universidade Politécnica de Marche, Ancona, Itália.
  • Drª. Maria Soledad Ferreiro Cotorruelo. Graduada em Medicina e Cirurgia pela Universidade de Sevilha e em Odontologia pela Universidade de Granada. Doutora em Odontologia pela Universidade de Sevilha. Especialista em Medicina Preventiva e Higiene pela Universidade Politécnica de Marche. Mestre Internacional de Nutrição e Dietética pela Universidade de León. Colaboradora da Agência Regional de Saúde da região de Marche.
  • Prof. Dr. Javier Gonzalez Gallego. Professor de Fisiologia da Universidade de León.
  • Prof. Dr. Juan Llopis González. Professor de Fisiologia. Professor da Escola de Nutrição na Universidade de Granada.
  • Drª. Elisabetta Marotti. Médica, especialista em Nutrição Clínica. Médica autônoma. Membro da Equipe Multidisciplinar para os Caminhos da Psicoeducação Nutricional do Centro Interdepartamental de Educação em Saúde e Promoção da Saúde, Universidade Politécnica de Marche, Ancona, Itália.
  • Prof. Dr. José Mataix Verdú. Professor de Fisiologia. Diretor do Instituto de Nutrição e Tecnologia de Alimentos da Universidade de Granada, Espanha.
  • Prof. de Bruno Mezzetti. Professor de Arboricultura Geral e Cultivo de Árvores na Universidade Politécnica de Marche, Faculdade de Agricultura, Departamento de Ciências Ambientais e Produção Vegetal. Diretor do Departamento de Ciências Ambientais and Produção Agrícola da Universidade Politécnica de Marche. Presidente dos Cursos de Primeiro Nível para Bacharelado em Ciências e Mestrado em Ciência e Tecnologia Agrícola. Coordenador Local do Segundo Nível do Mestrado de e-Learning em Biossegurança de OGM.
  • Eduard Reinoso Zamora. Bacharelado em Ciência e Tecnologia de Alimentos e Especialização em Nutrição Humana e Dietética. Universidade de Barcelona. Espanha.
  • Profª. Drª. Pilar Sanchez Collados. Professora de Fisiologia da Universidade de León.
  • Sandra Cano Sumalla. Bacharelado em Ciência e Tecnologia de Alimentos e Especialização em Nutrição Humana e Dietética. Universidade de Barcelona.

Bolsa de Trabalho

A Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) destina periodicamente um valor econômico de caráter extraordinário para Bolsas de estudo em Formação FUNIBER.

Para solicitá-la, preencha o formulário de solicitação de informação que aparece no portal FUNIBER ou entre em contato diretamente com a sede da fundação em seu país para saber se é necessário proporcionar alguma informação adicional.

Uma vez que tenhamos recebido a documentação, o Comitê Avaliador examinará a idoneidade de sua candidatura para a concessão de um incentivo econômico na forma de Bolsa de estudo em Formação FUNIBER.