Mestrado em Projetos de Gestão Ambiental

Apresentação do Programa

O programa alcançou a unificação e complementaridade de duas áreas emergentes em pleno crescimento: projetos e meio ambiente. Embora os problemas ambientais não sejam recentes, a ciência que os aborda ainda está desenvolvendo os seus paradigmas e a visão de mundo que os constitui. Por outro lado, embora a prática de trabalhar em projetos tenha sua história, a constituição de uma área como uma disciplina do conhecimento também é nova.

O presente programa fornece os elementos centrais que nos permitem o conhecimento básico necessário para interpretar os fenômenos naturais e a afetação gerada pelas ações do ser humano, necessárias para aplicar no desenvolvimento de qualquer proposta de intervenção; fornecendo simultaneamente os conhecimentos, ferramentas, técnicas e metodologias mais utilizadas e disseminadas que permitirão ao aluno desenvolver propostas de intervenção factíveis e viáveis, com o formato do projeto, considerando todas as suas fases e principais aspectos: a gestão do alcance , a qualidade, o cronograma, os recursos, o orçamento e os riscos.

Em qualquer área em que desenvolvemos, podemos perceber a crescente necessidade de propostas de intervenção que favoreçam o desenvolvimento sustentável. Seja em atividade pública ou privada; no desenvolvimento de atividades extrativistas, produtivas ou de prestação de serviços; no desenvolvimento de novos empreendimentos ou na melhoria ou otimização dos processos atuais. Em todos os casos e campos de ação, devemos ser capazes de fazer uso otimizado e eficiente dos recursos, minimizando a geração de substâncias poluentes, emissões ou resíduos.

As práticas de desenvolvimento de projetos, aplicadas à gestão ambiental, potencializam suas capacidades e otimizam todo o processo que lhe diz respeito.

A quem é dirigido

O Mestrado em Projetos de Gestão Ambiental é voltado a profissionais com interesse especial em Gestão Ambiental, com ou sem experiência na área, envolvendo-se na resolução de conflitos ambientais visando à melhoria da qualidade de vida das pessoas, com alto comprometimento ético, social e comunitário.

O Mestrado forma profissionais da área de Project Management para atuar em posições gerenciais e como líderes de equipes de projeto em instituições públicas ou privadas, Organizações da Sociedade Civil (ONGs) e outras instituições em todas as áreas e recursos relacionados aos campos intermediários.

Titulação

A conclusão com êxito do Programa permitirá a obtenção do título de Mestrado em Projetos de Gestão Ambiental. Após a conclusão com sucesso do Programa, o aluno receberá o diploma concedido pela Universidade em que tenha se matriculado.

Certificación Profesional

Por meio do convênio de cooperação que a FUNIBER mantém com a Associação de Gestão de Projetos Argentina, AGPA e o Organismo de Certificação IPMA Argentina, OCIA, cada aluno tem a possibilidade de se tornar profissionalmente certificado como Técnico em Direção de Projetos IPMA Nível D.

Para se candidatar à Certificação Nível “D” da IPMA (Técnico em Direção de Projetos.) (*), o aluno deve estar inscrito para a certificação e ter concluído o Módulo de Desenho de Projeto.

A certificação consiste na realização de um exame ditado pelo OCIA.

(*) Exclusivo para alunos residentes na América

Para mais informação:

https://agpa.org.ar/ocia/

ocia@agpa.org.ar

Presentación de proyectos ante FIDBAN

A Fundación Innovación y Desarrollo (FIDBAN), patrocinada pela FUNIBER e outras instituições, é uma organização sem fins lucrativos que busca vincular projetos empreendedores rentáveis que precisam de financiamento com possíveis investidores de capital.

É uma rede internacional formada por Sessões em 30 países da Europa, América, África e Ásia. Mais informações: https://www.fidban.com/

Os grupos de trabalho do Mestrado terão a possibilidade de aplicar seus projetos à FIDBAN a possíveis investidores a fim de obter financiamento. Isso acontecerá assim que o anteprojeto acadêmico seja aprovado.

Haverá um prazo de apresentação por ano. Deverá ser devidamente publicado, bem como a notificação sobre a rodada de investimentos em que o projeto será apresentado.

Proceso para Postularse

Ao final do projeto preliminar, os interessados deverão apresentar seu projeto ao comitê do Departamento Acadêmico de Projetos, DAP, formado por profissionais especialistas em projetos, que autorizarão ou não a apresentação do projeto à FIDBAN.

As datas das rodadas de exposição do projeto serão informadas pela FIDBAN assim que os projetos forem selecionados.

O DAP acompanhará as partes interessadas durante o processo administrativo que elas devem cumprir.

Estrutura do Programa

A duração estimada do programa Mestrado em Projetos de Gestão Ambiental es de 900 horas (90 créditos).

Quanto à distribuição do tempo, é estabelecido que:

  • Por ser um programa a distância e não estar sujeito a aulas presenciais, não é estabelecida uma data de início específica, para que o aluno possa formalizar a matrícula a qualquer momento, desde que haja vagas disponíveis.
  • O tempo máximo disponível para o Programa é de vinte e quatro meses. Nesse período, o aluno deve ter sido aprovado em todas as atividades avaliadas e aprovado o Projeto Final de Mestrado ou Tese.

A estrutura de crédito do programa Mestrado em Projetos de Gestão Ambiental é mostrada na tabela a seguir. Note-se que a duração é meramente de orientação, porque a metodologia seguida integra os conhecimentos e habilidades a serem adquiridos em cada parte, por meio da integração de exercícios para adquirir conhecimentos e internalizar práticas de projetos em cooperação internacional:

Este programa tem a colaboração da AGPA, membro do IPMA.

A estrutura e os créditos correspondentes que compõem o programa são mostrados na tabela a seguir:

  CRÉDITOSa HORAS
1ª Parte: Desenho de Projetos 25 250
2ª Parte: Gestão de Projetos 26 260
3ª Parte: Direção de Projetos 29 290
4ª Parte: Projeto Final de Mestrado 10 100
TOTAL 90 900

a. A equivalência em créditos pode variar dependendo da universidade em que você se formar. Um (1) crédito ECTS (European Credit Transfer System) equivale a 10 + 15 horas. Se o aluno frequentar o Programa matriculado em uma universidade não pertencente ao Espaço Europeu de Educação Superior (EHEA), a relação entre créditos - horas pode variar.

Objetivos

Objetivo geral

  • Formar profissionais comprometidos com a melhoria da qualidade de vida do ser humano, que dominam as principais ferramentas e conceitos do Project Management, e possuem competências para dirigir projetos relacionados com a gestão ambiental.

Objetivos específicos

  • Aplicar, com uma abordagem teórica e prática, os principais elementos para a formulação e gestão de projetos ambientais, com uma visão correlacionada com o mercado globalizado multicultural.
  • Conhecer o papel dos diferentes envolvidos nos projetos ambientais e desenvolver competências para sua gestão em cada fase do ciclo de vida, em correspondência com os principais padrões internacionais em projetos.
  • Conhecer e distinguir os diferentes espaços de conhecimento que se cruzam transdisciplinarmente aos Projetos Ambientais.
  • Adquirir e usar ferramentas técnicas para a gestão de projetos ambientais, ensaiando o trabalho colaborativo.

Saídas Profissionais

Algumas das saídas profissionais do Programa de Projetos de Gestão Ambiental são:

  • Integrar equipes de estudo focadas em questões ambientais.
  • Integrar equipes interdisciplinares para trabalhar na elaboração e gerenciamento de projetos ambientais.
  • Liderar equipes que trabalham na elaboração ou execução de Projetos Ambientais.
  • Integrar ou coordenar equipes de consultoria dedicadas ao campo da gestão ambiental.
  • Administrar pequenos, médios ou megaprojetos, relacionados à gestão ambiental.
  • Organizações diretas, públicas e privadas, dedicadas à gestão ambiental.

Plano de estudos

O programa de Mestrado em Projetos de Gestão Ambiental possui uma estrutura curricular baseada 4 partes formativas:

Descrições dos Cursos

1ª PARTE: DISEÑO

  1. INTRODUÇÃO A PROJETOS

    A presente disciplina é introduzida, dentro de uma estrutura teórica e de maneira geral, os conceitos de "Projeto", tais como: fases do projeto, sistemas em projetos, O trabalho colaborativo e A gestão do conhecimento para o sucesso do projeto, a elaboração de projetos. A fim de estabelecer uma base de conhecimentos propícia ao desenvolvimento das seguintes disciplin

    INTRODUÇÃO GERAL E TEÓRICA
     AS FASES DO PROJETO
    SISTEMAS EM PROJETOS
    TRABALHO COLABORATIVO E A GESTÃO DO CONHECIMENTO PARA O SUCESSO DO PROJETO
  2. DESENHO DE SISTEMAS PROJETIVOS

    Fornece conceitos relacionados à identificação do cenário do projeto, os fatores que condicionarão a solução, a proposta do Problema Técnico, a formulação dos objetivos, os critérios com os quais o sucesso do projeto será avaliado, bem como a identificação e análise de todas as pessoas e as coisas envolvidas na solução do problema, entendidas como peças fundamentais no trilogia homem-sistema artificial-ambiente.

    CENÁRIO DO PROJETO
    PROBLEMA TÉCNICO
    PESSOAS E COISAS ENVOLVIDAS NA RESOLUÇÃO DO PROBLEMAS
  3. ANÁLISE DOS SERVIÇOS A PRESTAR

    O presente tema desenvolve, estuda e determina as condições de fornecimento e abastecimento entre as necessidades dos clientes e o que a ciência e a engenharia forneceriam como solução, considerando essa solução, como o próprio projeto, e requer que definamos o serviço "desejado" para obter como resultado do projeto.

    ANÁLISE DO FORNECIMENTO E DO ABASTECIMENTO
    O SERVIÇO DESEJADO E AS CONDIÇÕES DE PRESTAÇÃO
  4. ANÁLISE FUNCIONAL NO PROJETO

    Durante o desenvolvimento desta disciplina, pretendemos determinar as funções técnicas e de serviço a serem satisfeitas, pelo projeto que estamos projetando, por meio de "ferramentas conceituais", como a árvore de funções de serviço, a proposta do sistema de projeto, a análise de valor e qualidade na fase do projeto.

    ÁRVORE DE FUNÇÕES DE SERVIÇO
    PROPOSTA DO SISTEMA PROJETO
    ANÁLISE DO VALOR E QUALIDADE NA FASE DE PROJETO
  5. A ERGONOMIA NO PROJETO

    Essa disciplina trata da compreensão do papel das pessoas em suas atividades e usos, na solução de um projeto e em seu relacionamento com outras pessoas e com máquinas, para as quais é estabelecida uma classificação de usuários, medidas de segurança etc.

    O ESTADO DO BEM-ESTAR DOS USUÁRIOS DO SISTEMA E SUAS LIMITAÇÕES
    ERGONOMIA E SEGURANÇA DO SISTEMA
  6. SEGURANÇA E CONFIABILIDADE DO PROJETO

    Essa disciplina aborda temas relacionados ao entendimento de aspectos de segurança e viabilidade de uma solução de projeto, contemplando seus estados de vida, seu ciclo de vida, nível de sistema e seus componentes, incluindo pessoas, máquinas e suas relações.

    SEGURANÇA, RISCO E CONFIANÇA
    SEGURIDAD INDUSTRIAL, ORGANIZACIONAL E NORMATIVA
    NORMAS E PADRÕES DE SEGURANÇA
    TIPOS DE RISCO, CLASSIFICAÇÃO E GERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS
    FIABILIDADE E CONFIANÇA
  7. ASPECTOS ECONÔMICOS DO PROJETO

    Nessa disciplina é aprofundado o estudo dos aspectos econômicos do projeto, aqueles que permitem uma avaliação preliminar do projeto, consistindo em uma análise e classificação dos recursos necessários para o projeto e um cálculo inicial do orçamento e das despesas, a análise de fluxo e o cronograma de investimentos.

    RENTABILIDADE
    CUSTOS
    RENDIMENTOS
    FLUXOS
  8. ESPECIFICAÇÕES NO PROJETO

    Essa disciplina não permitirá aprender a detalhar, especificar e explicar o funcionamento, o detalhe e a constituição da potencial solução fornecida por um projeto.

    CONFIABILIDADE NO ABASTECIMENTO
    ÁRVORE DE FALHAS
    ESPECIFICAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DO PROJETO
  9. ELABORAÇÃO DO ANTEPROJETO

    Essa disciplina, por meio de temas como ferramentas de especificação, documentação e elaboração da proposta de projeto, nos ajudará a entender a importância da gestão como uma etapa subsequente ao projeto, sendo capaz de gerar uma proposta de gestão viável e sustentável.

    HERRAMIENTAS DE ESPECIFICACIÓN
    DOCUMENTACIÓN
    ELABORACIÓN DE LA PROPUESTA DE PROYECTO

2ª PARTE: GESTÃO

  1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PROJETOS

    A gestão/gerência de projetos é a administração de todos os recursos necessários para seu desenvolvimento, a disciplina apresenta o tema de uma maneira geral e engloba, entre outros, os seguintes tópicos: conceitos gerais da gestão de projetos e tipologias de projetos, fases do projeto e ciclo de vida do projeto. 

    GESTÃO E GERÊNCIA DE PROJETOS
    INTRODUÇÃO GERAL E TEÓRICA
    CONCEITOS GERAIS DA GESTÃO DE PROJETOS E TIPOLOGIAS DE PROJETOS
    FASES DO PROJETO E CICLO DE VIDA DO PROJETO
  2. PLANEJAMENTO E GESTÃO DE PROJETOS

    O planejamento e a gestão do projeto estão estreitamente ligados, pois é impossível pensar em gestão sem que esta seja planejada. Para isso, é necessário considerar alguns conceitos, Desenvolvimento do Plano do Projeto e controle de suas possíveis alterações, definição, administração e planejamento do alcance do projeto, escolhendo e aplicando as técnicas apropriadas para produzir um plano de ação.

    INTEGRAÇÃO E ALCANCE DO PROJETO
    DESENVOLVIMENTO DO PLANO DO PROJETO E CONTROLE DE SUAS POSSÍVEIS MUDANÇAS, DEFINIÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DO ALCANCE DO PROJETO
    PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DO PROJETO
    ESCOLHER E APLICAR AS TÉCNICAS ADEQUADAS PARA PRODUZIR UM PLANO DE AÇÃO
    TÉCNICAS ESPECÍFICAS DE PROGRAMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORRETA DO TEMPO
  3. ACOMPANHAMENTO E CONTROLE DO PROJETO

    Certamente o trabalho de acompanhamento e controle deve ser aquele que exige um maior compromisso, pois é dessa forma que a disciplina é apresentada de maneira geral com tópicos como: conhecer os fundamentos do controle de projetos e suas ferramentas e metodologias, ao particular, como ser o controle de recursos técnicos e humanos para garantir conformidade em tempo, qualidade e custos.

    COMUNICAÇÕES E CIRCUITOS DE RELATÓRIOS
    DESENHO E DESENVOLVIMENTO DE TODOS OS ELEMENTOS CONSTITUTIVOS DA REDE DE INFORMAÇÃO
    PROJETO ESTRATÉGICO DO CIRCUITO DE INFORMAÇÃO
    REPLANEJAMENTO E CONTROLE DE PROGRESSO
    AVALIAÇÃO E ANÁLISE DO PROGRESSO PREVISTO DO PROJETO
    MODELOS DE ANTECIPAÇÃO
    CONTROLE DE RECURSOS TÉCNICOS E HUMANOS PARA GARANTIR CONFORMIDADE EM TEMPO, QUALIDADE E CUSTOS
  4. EVALUACIÓN DE PROYECTOS

    A avaliação de projetos concentra-se na tarefa de compreender e estruturar, engenharia financeira, mediante inúmeras ferramentas técnico-econômicas, para aprender a ver projetos não apenas por meio de planos de detalhes ou fluxogramas, mas também de planilhas do desenvolvimento econômico financeiro.

    FORMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS
    ETAPAS E ESTRUTURA DE FINANCIAMENTO DE UM PROJETO
    AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE CRESCIMENTO DE UM NEGÓCIO
    GESTÃO E ANÁLISE DE RISCOS
    AVALIAÇÃO DE EMPRESAS
  5. GESTÃO DE RESÍDUOS

    A gestão integral de resíduos sólidos é introduzida a partir da estratégia de minimização, reutilização, reciclagem e formas de recuperação de energia estabelecidas pela União Europeia, envolvendo os diferentes tipos de resíduos existentes: Resíduos Sólidos Urbanos (RSU), resíduos industriais e resíduos rurais. Da mesma forma, são revisadas as principais diretrizes estabelecidas pela legislação para classificar e caracterizar um determinado tipo de resíduo. Alguns tópicos abordados na disciplina são:

    GESTÃO INTEGRAL DOS RESÍDUOS
    RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU)
    TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS
    RESÍDUOS INDUSTRIAIS
    RESÍDUOS RURAIS
    GESTÃO DE RESÍDUOS E PROTEÇÃO DO CLIMA
  6. GESTÃO DE RISCOS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL

    É sobre como o desenvolvimento, em sua concepção predominante, transformou nossa espécie em uma praga, e entende desastres como expressões da incapacidade das comunidades humanas de interagir harmoniosamente com a dinâmica da natureza; e, simultaneamente, como expressão dos esforços do sistema imunológico ou sistema de autorregulação da biosfera, para se libertar da praga.

    UMA CONCEPÇÃO DOS DESASTRES COMO REAÇÃO DA BIOSFERA CONTRA A AÇÃO DA PRAGA.
    O QUE É UM RISCO? O QUE É UM DESASTRE?
    A GESTÃO DE RISCOS COMO FERRAMENTA PARA A COEVOLUÇÃO ENTRE O SER HUMANO E A BIOSFERA
    AS "ETAPAS" DE UM DESASTRE E O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM CADA UMA DELAS
  7. COMUNICAÇÃO DO PROJETO

    O tema comprometido nesta disciplina é sobre a comunicação de projetos "dentro" e "fora" dele, para os três níveis de usuários, desde conceitos básicos de circuitos de comunicação até estruturas mais complexas de comunicação estratégica, em que se compromete a imagem do mesmo no imaginário social.

    ANÁLISE E IDENTIFICAÇÃO DO CONCEITO E IDENTIDADE DO PROJETO
    APLICAR MODELOS DE ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A MISSÃO-VISÃO PRÉ-DETERMINADA PARA O PROJETO
    ESTRATÉGIA COMUNICATIVA E DESENVOLVIMENTO DE PLANOS DE COMUNICAÇÃO AOS DIFERENTES NÍVEIS DE RECEPTORES DO PROJETO
    FERRAMENTAS ESTRATÉGICAS DE COMUNICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DA COMUNICAÇÃO
    ESTUDO DO MERCADO RECEPTOR
  8. PRODUTO E MEIO AMBIENTE

    A partir da definição de uma série de conceitos ambientais e socioeconômicos básicos, envolvidos no conceito de desenvolvimento sustentável, concentra-se na relação entre produto e ambiente, considerando o ambiente como (todo) o ambiente ao redor do produto e dos quais o produto também fará parte. Nesta questão, a inovação desempenha um papel de liderança, pois deve considerar o ambiente e o impacto futuro que o produto causará nele, como o primeiro condicionador da criatividade.

    CONCEITOS AMBIENTAIS BÁSICOS
    DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
    PROBLEMÁTICA AMBIENTAL GLOBAL
    RELAÇÕES COM PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO. RUMO AO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE
    AMBIENTE E SUA RELAÇÃO COM A INOVAÇÃO APLICADA AOS PRODUTOS
  9. AMBIENTE EM PROJETOS URBANOS - ARQUITETÔNICOS

    A partir da definição de uma série de conceitos ambientais e socioeconômicos básicos, envolvidos no conceito de desenvolvimento sustentável, aprofundam-se os antecedentes e os problemas causados pelos impactos ambientais das atividades humanas, desde uma escala global até a intervenção urbana e arquitetônico, fornecendo uma série de princípios que orientam a ação.

    CONCEPTOS AMBIENTALES BÁSICOS
    EL DESARROLLO SOSTENIBLE
    PROBLEMÁTICA AMBIENTAL GLOBAL
    RELACIONES CON LOS PROCESOS DE DESARROLLO. HACIA EL CONCEPTO DE SOSTENIBILIDAD
    EL AMBIENTE COMO POTENCIAL PRODUCTIVO
    RETOS ACTUALES DEL DESARROLLO SOSTENIBLE
    CRITERIOS ORIENTADORES DE UN NUEVO DESARROLLO

3ª PARTE: DIREÇÃO

  1. INTRODUÇÃO À GESTÃO AMBIENTAL

    Integra os conceitos gerais e introdutórios sobre as implicações da gestão ambiental no campo dos projetos. Os benefícios e oportunidades que acompanham sua implementação correta e as estratégias de gerenciamento mais adequadas.

    VISÃO DO SISTEMA
    GESTÃO DE CRITÉRIOS AMBIENTAIS APLICADOS A DIFERENTES ÁREAS
    CONDICIONADORES E LIMITAÇÕES
    GESTÃO DE RISCOS, CONTINGÊNCIAS E POTENCIALIDADES
  2. TRATAMENTO DE ÁGUAS

    É feita uma descrição dos principais usos da água (doméstica, industrial e agrícola), influenciando a adoção de um conjunto de boas práticas e as possibilidades de reutilização, análise e estratégias de tratamento por meios físicos, químicos e biológicos. Da mesma forma, foi adicionado um capítulo dedicado a tratamentos avançados de purificação, que em muitos casos constitui o único tratamento possível quando se trata de eliminar um contaminante muito específico. Alguns temas abordados na disciplina são:

    A GESTÃO DA ÁGUA COMO RECURSO
    CARACTERIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUÁRIAS
    PRÉ-TRATAMENTO
    TRATAMENTO PRIMÁRIO
    TRATAMENTO SECUNDÁRIO
    TRATAMENTO DE LODOS
    TRATAMENTOS AVANÇADOS DE DEPURAÇÃO
    CASOS PRÁTICOS
  3. TÉCNICAS DE RESOLUCIÓN DE CONFLICTOS Y NEGOCIACIÓN

    Essa disciplina, que na prática todos nós precisamos e ainda mais na vida profissional, aponta-nos os conhecimentos teóricos e práticos, para resolução de conflitos, estratégias de resolução e habilidades básicas para sua resolução.

    INTRODUÇÃO À ANÁLISE DOS CONFLICTOS
  4. POLUIÇÃO DO SOLO

    Do ponto de vista eminentemente técnico, é realizado o estudo das propriedades mais comuns do solo, descrevendo seus principais constituintes e diferenciando-os de natureza orgânica e inorgânica. Da mesma forma, é realizada uma revisão da degradação e contaminação do solo, mostrando algumas técnicas de recuperação do solo. Alguns temas abordados na disciplina são:

    O ESTUDO DO SOLO
    CARACTERÍSTICAS GEOQUÍMICAS DOS SOLOS
    PROPRIEDADES DO SOLO
    DEGRADAÇÃO E POLUIÇÃO DO SOLO
    CASOS PRÁTICOS
  5. POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA

    A composição e estrutura química da atmosfera, bem como a origem e os determinantes da poluição são estudados. Além disso, há um impacto sobre a química dos poluentes atmosféricos, sua dispersão na atmosfera e os efeitos sobre o ambiente. Finalmente, os procedimentos de amostragem e análise e as medidas corretivas ou de final de linha empregados para cumprir a legislação atual sobre emissões de partículas ou gases na atmosfera são explicados em detalhes. Alguns tópicos abordados na disciplina são:

    DESCRIÇÃO DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA
    NATUREZA DOS POLUENTES ATMOSFÉRICOS
    FONTES E PROCESSOS DE CONTAMINAÇÃO
    CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA
    AMOSTRAGEM E ANÁLISE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA
    CASOS PRÁTICOS
  6. AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL

    É necessária uma série de definições para relacionar e quantificar, dentro da legislação vigente, os diferentes impactos que uma atividade pode ter sobre o meio ambiente, as diferentes classificações de impactos com base em vários critérios e de acordo com as razões que as caracterizam, as metodologias mais comuns que permitirão o estudo das possíveis alterações ambientais e, finalmente, as referências aos procedimentos administrativos a serem seguidos para a declaração de impacto ambiental. Alguns tópicos abordados na disciplina são:

    DEFINIÇÕES E CONCEITOS BÁSICOS
    TIPOLOGIA E CARACTERIZAÇÃO DE IMPACTOS
    CONTEÚDO E METODOLOGIA GERAL DA EIA.
    OUTROS MÉTODOS DE IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMPACTOS
  7. AUDITORIAS AMBIENTAIS

    Neste tema, os termos e conceitos mais comuns usados ao se referir a auditorias ambientais (AMA’s) são estudados. Após conhecer este instrumento de análise da gestão ambiental, são descritos seus objetivos e alcance, bem como os diferentes tipos de auditorias. As fases para realizar uma AMA também são estudadas e um manual de auditoria é fornecido, que é uma ferramenta muito útil para lidar com uma grande quantidade de informações, para que os alunos possam gerar seus próprios arquivos e adaptá-los a cada caso específico. Alguns temas abordados na disciplina são:

    INTRODUCCIÓN
    PROCESO DE UNA AUDITORÍA AMBIENTAL (AMA)
    CASO PRÁCTICO: AUDITORÍA DE UNA EMPRESA DEDICADA A LA ALIMENTACIÓN
    MANUAL DE AUDITORÍA
  8. GESTIÓN AMBIENTAL DE LA EMPRESA

    As diretrizes para a implementação de um sistema de gestão ambiental em qualquer tipo de empresa, de acordo com a norma internacional ISO 14001 ou EMAS Europeia, são fornecidas de maneira muito visual e com uma grande profusão de gráficos, incluindo um caso prático de aplicação a uma empresa fabricação de peças metálicas. Alguns tópicos abordados na disciplina são:

    EMPRESA E AMBIENTE
    OS SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA (SGMA)
    A NORMA ISO 14001
    CASOS PRÁTICOS
  9. DIREÇÃO E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

    Esta disciplina-se concentra no pensamento estratégico aplicado à direção e fornece um treinamento em ferramentas e mecanismos que facilitam a gestão contemporânea, aceitando a gestão de mudanças como algo inerente a ambientes instáveis e variáveis, nos quais as organizações operam. Os temas abordados na disciplina são:

    A GESTÃO DA MUDANÇA COMO SUBSTRATO DA DIREÇÃO ESTRATÉGICA
    A DIREÇÃO ESTRATÉGICA COMO UM MODELO DE MUDANÇA
    A IMPLANTAÇÃO DA DIREÇÃO ESTRATÉGICA. AS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

4ª PARTE: PROJETO FINAL DE MESTRADO

A última etapa do programa é o Projeto Final de Mestrado, que é um documento individual e é regido por um procedimento formal estabelecido pelas universidades.

Deverão ser seguidos o regulamento e obrigatoriedades exigidos pela universidade que concede o título, revisando os requisitos de apresentação, conteúdo e aprovação, entre outros. Cada aluno é responsável pelo cumprimento das exigências e de conhecer os regulamentos e normativas.

Para iniciar o PFM será necessário ter um grau de progresso de pelo menos 66% do programa acadêmico e ter concluído o módulo de Desenho de Projetos.

O PFM é um trabalho com rigor metodológico, em que a partir de um trabalho de pesquisa é formulado um projeto que evidencia a aquisição de conhecimentos e competências abordados durante o programa.

Durante a PFM, o aluno contará com a assessoria de um tutor que o guiará durante o desenvolvimento do trabalho e alimentará o progresso em suas diferentes etapas. Os retornos do tutor têm prazos de resposta diferentes, de acordo com o nível de avanço no processo.

O relatório final, aceito pelo responsável, será submetido e qualificado a uma banca avaliadora que determinará se o PFM atende aos requisitos exigidos.

De acordo com a universidade que fará a titulação, o desenvolvimento da PFM pode exigir a realização de uma defesa oral.


Nota: O conteúdo do programa acadêmico pode estar sujeito a pequenas modificações, dependendo das atualizações ou melhorias feitas.

Direção

  • Dr. Roberto M. Álvarez. Diretor do Departamento de Projetos da Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI.
  • Dr. Luis Dzul López. Reitor da Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI.
  • Dr. Eduardo García Villena. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI. Diretor da Área de Meio Ambiente, Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI.

Professores e Autores

  • Dr. Alberto Vera. Professor da Universidad Nacional de Lanús. Argentina. Professor da Área de Projetos - UNINI.
  • Dr. Santiago Brie. Professor da Universidad Nacional de Lanús. Argentina. Professor da Área de Projetos - UNINI.
  • Dr. Antonio Eduardo Fuenzalida. Professor da Universidad Mayor. Chile. Professor da Área de Projetos - UNINI.
  • Dr. Federico Fernández Díez. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI.
  • Dra. Martha Velasco. Professora da Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI.
  • Dr. Miguel Ángel López Flores. Professor Pesquisador do Instituto Politécnico Nacional de México.
  • Dr. Víctor Jiménez. Professor da Universidad Metropolitana de México.
  • Dr. Benjamín Otto Ortega Morales. Diretor Geral de Estudos de Pós-graduação e Pesquisa da Universidad Autónoma de Campeche.
  • Dra. Izel Márez. Professora da Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI.
  • Dra. Olga Capó Iturrieta. Responsável da Área de Projetos do Instituto de Investigaciones Agropecuarias (INIA), Chile.
  • Dr. Antoine Ngue. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI.
  • Dra. Elena Sánchez. Professora da Universidad Europea del Atlántico.
  • Dr. Leonardo Ribeiro. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI.
  • Dr. (c) Marcelino Diez. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI.
  • Dra. (c) Lina Patricia Pulgarín Osorio. Professora da Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI.
  • Dr. (c) Nelson Yepes. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI.
  • Dra. (c) Silvana Marín Garat. Professora da Universidad Internacional Iberoamericana - UNINI. Pesquisadora da Universidade URcamp – RS – Brasil.
  • Dr. (c) Pablo Urquizó. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI.
  • Dr. (c) Gonzalo Prudencio. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI.
  • Dr. (c) Wánderson Cássio Oliveira Araujo. Professor da Universidade Federal de Rondônia. Professor da Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI.
  • Dra. (c) Elisângela dos Santos Faustino Röder. Professora da Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI.
  • Dra. (c) Magdalena Peña. Professora da Universidad de la República, Uruguai. Professora da Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI.
  • Dra. (c) Mariela Rodríguez. Professora da Universidad Católica de Santa Fe, Argentina. Professora da Universidad Internacional Iberoamericana – UNINI.

Bolsa de Trabalho

A Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) destina periodicamente um valor econômico de caráter extraordinário para Bolsas de estudo em Formação FUNIBER.

Para solicitá-la, preencha o formulário de solicitação de informação que aparece no portal FUNIBER ou entre em contato diretamente com a sede da fundação em seu país para saber se é necessário proporcionar alguma informação adicional.

Uma vez que tenhamos recebido a documentação, o Comitê Avaliador examinará a idoneidade de sua candidatura para a concessão de um incentivo econômico na forma de Bolsa de estudo em Formação FUNIBER.