Negócios e Comércio Internacional

Apresentação do Programa

Um mundo cada vez mais competitivo exige que um profissional tenha uma formação integral em cada uma das áreas que compõem o tecido de uma empresa. A crise criou a necessidade de expandir as operações empresariais para os novos mercados emergentes. Os profissionais, para poderem enfrentar este desafio, precisam conhecer e desenvolver as habilidades necessárias para gerir o ingresso em um novo mercado e competir com sucesso nele.

O programa de Negócios e Comércio Internacional da FUNIBER tem como objetivo que os participantes adquiram conhecimentos sólidos sobre o funcionamento do comércio internacional. Os módulos que compõem o programa visam oferecer ao profissional ferramentas e habilidades necessárias para projetar um processo de internacionalização de uma empresa, assim como para gerir de forma eficiente uma empresa multinacional.

A quem é dirigido

A estrutura do presente programa permite que este esteja voltado a Diretores de PMEs que queiram internacionalizar suas atividades empresariais e a licenciados e profissionais que objetivam ampliar suas expectativas de trabalho no campo dos negócios internacionais, entre outros.

Titulação

Os Diplomas serão expedidos pela Universidade na qual o aluno esteja matriculado, com o Patrocínio da Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER).

Estrutura do Programa

A duração estimada para a realização do programa de Negócios e Comércio Internacional é de 490 horas (49 créditos).

Sobre a distribuição de tempo, determina-se que:

  • Por ser um Programa de ensino a distância e não estar sujeito a aulas presenciais, não se estabelece uma data específica de início, razão pela qual o aluno pode efetuar a matrícula a qualquer momento, sempre que houver vagas disponíveis.
  • Por motivos acadêmicos e pedagógicos a duração mínima do Programa é de três meses.
  • O tempo máximo disponível para a realização do Programa é de um ano. Neste período, o aluno deve entregar todas as avaliações correspondentes às disciplinas. No caso da Especialização ou Pós-graduação, também se realiza o Trabalho Final de Especialização

A estrutura de créditos do Programa de Negócios e Comércio Internacional apresenta-se na seguinte tabela:

  CRÉDITOSa DURAÇÃOb HORAS
1ª Parte: Disciplinas 39 9 390
2ª Parte: Trabalho Final de Curso 10 3 100
TOTAL 49 12 490

a. A equivalência em créditos pode variar de acordo com a universidade que titule 
b. Duração em meses

Objetivos

Objetivo geral:

  • O programa de Negócios e Comércio Internacional da FUNIBER está orientado ao desenvolvimento de uma formação integral destinada a conhecer e projetar um plano de internacionalização de uma empresa e para desenvolver as habilidades necessárias para administrar uma empresa internacional de maneira eficiente, propondo modelos de negócios aplicáveis aos diversos mercados internacionais.

Objetivos específicos

  • Ensinar o uso das ferramentas necessárias para identificar oportunidades de negócio nos mercados internacionais e a implementá-las de maneira eficiente.
  • Conhecer as fases de internacionalização de uma empresa e analisar os meios pertinentes para definir o plano para torná-las efetivas.
  • Desenvolver a capacidade de análise crítica para a escolha de mercados internacionais de acordo com o risco, a liquidez e a rentabilidade dos investimentos no estrangeiro.
  • Desenvolver as técnicas de uso e de gestão de uma empresa multinacional com uma perspectiva estratégica em diferentes departamentos de marketing, exportações, finanças, RH, RSC, logística e Gerência.

Saídas Profissionais

Algumas das possíveis saídas profissionais do programa de Negócios e Comércio Internaciona são as seguintes:

  • Diretores gerais.
  • Diretor de Marketing.
  • Diretor de Logística.
  • Assessor Empresarial.
  • Chefe de Departamento de Exportações.

Plano de estudos

O Programa de Negócios e Comércio Internacional é composto por 10 disciplinas e um Trabalho Final de Curso ou Projeto chamado de Trabalho Final de Especialização.

  • 1ª PARTE: DISCIPLINAS (390 HORAS)

As disciplinas permitem conhecer e compreender como funcionam os Negócios e o Comércio Internacional a partir de seus fundamentos teóricos e conceituais, orientando o participante a utilizar estas ferramentas, gerando um valor diferencial que possa ser convertido em benefícios tangíveis para uma empresa internacional.

As disciplinas e a carga horária correspondentes que compõem a primeira parte apresentam-se na seguinte tabela:

  • 2ª PARTE: TRABALHO FINAL DE ESPECIALIZAÇÃO (100 HORAS)

No caso da Especialização ou Pós-graduação, a última fase do Programa será destinada à elaboração do Projeto.

DISICIPLINA HORAS
TRABALHO FINAL DE ESPECIALIZAÇÃO 100

Descrições dos Cursos

1ª PARTE: DISICIPLINAS

  1. ECONOMIA INTERNACIONAL: PANORAMA MUNDIAL

    Esta disciplina pretende oferecer ao estudante uma visão global dos negócios, para que possa compreender como opera a globalização dentro da sociedade da informação e das comunicações, as relações e o comércio internacional.

    A ECONOMIA
    Introdução. Tipos de economia. A economia internacional O processo econômico.
    O CICLO E A CRISE ECONÔMICA
    Causas, efeitos e oportunidades.
    MOEDA, CRÉDITO E BANCO
    A macroeconomia. A Balança de Pagamentos. Composição da balança de pagamentos. A contabilidade nacional. Desequilíbrios econômicos da atualidade.
    OS TIPOS DE MUDANÇAS E O MERCADO DE DIVISAS
    Tipos de mudanças. Classes de tipos de mudanças. O Mercado de divisas. Os tipos de juros.
    O PRODUTO NACIONAL
    Produção e política econômica internacional.
    O MERCADO DE CAPITAIS
    O Banco Internacional. As operações bancárias internacionais.
    A GLOBALIZAÇÃO
    Relação do processo de globalização com a economia internacional. Economias emergentes. Resultados do processo de globalização.
  2. COMÉRCIO INTERNACIONAL

    O conteúdo desta disciplina abrange todos os aspectos fundamentais para ensinar a utilizar os mecanismos operacionais dos agentes intervenientes no processo de exportação, identificando as variáveis mais importantes para determinar o ingresso em um novo mercado.

    COMÉRCIO INTERNACIONAL
    Operaciones temporales, definitivas, en tránsito. Régimen de Perfeccionamiento Activo.
    OPERAÇÕES NO COMÉRCIO EXTERIOR
    Operações temporais, definitivas, em trânsito. Regime de Aperfeiçoamento Ativo.
    AGENTES DO COMÉRCIO INTERNACIONAL
    Estado. Empresas. Organismos internacionais. Introdução. Realidade Mundial (organizações e relações internacionais). Globalização (conceito, globalização econômica). Organismos internacionais. Processos de Integração.
    MERCADOS INTERNACIONAIS
    Introdução. Características. Mercado Nacional e Mercado Internacional. Estruturação empresarial. Indicadores do Comércio Exterior.
    FORMAS DE INTEGRAÇÃO ECONÔMICA
    Zona de Livre Comércio, União Tarifária, União Aduaneira, União político-econômica.
    A UNIÃO EUROPEIA
    Medidas de Efeito Equivalente. Controles de Qualidade. Política Agrária Comum. A Livre Prática.
    OS TRATADOS DE LIVRE COMÉRCIO
    Introdução. Benefícios. Objetivos oficiais. Zonas de Livre Comércio. Objetivos fiscais de um TLC.
    OS MERCADOS EMERGENTES
    Crescimento, industrialização e produção.
    A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO
    Introdução. Funções. Propriedade Intelectual. Acordos ADPIC. A OMC e o Meio Ambiente.
  3. A INTERNACIONALIZAÇÃO DA EMPRESA: PLANO E ESTRATÉGIAS

    Esta disciplina está projetada para abarcar em uma mesma plataforma todos os aspectos relevantes para determinar a viabilidade de internacionalização de uma empresa, desenvolvendo sistemas de trabalho e meios operacionais confiáveis para obter uma posição competitiva nos mercados internacionais.

    A INTERNACIONALIZAÇÃO DE UMA EMPRESA
    Motivos. Elementos prévios a analisar. Critérios e fatores a considerar na hora de ingressar em um mercado. Fases para a internacionalização de uma empresa. Funções do Departamento de Internacionalização de uma Empresa.
    A DIREÇÃO ESTRATÉGICA COMO UM MODELO DE MUDANÇAS
    Introdução. O pensamento estratégico e a direção estratégica. Apresentação de um modelo de mudanças estratégicas validado internacionalmente. A matriz DAFO. Casos Práticos.
    A IMPLANTAÇÃO DA DIREÇÃO ESTRATÉGICA
    Introdução. Cenários estratégicos. A visão. Análise do sistema de valores que sustentará a estratégia. Elaboração de estratégias empresariais. Objetivos e critérios de medida. Novos Negócios: crescimento, consolidação, revitalização. Casos práticos.
    MODELOS DE GESTÃO INTERNACIONAL
    Organização. Estilo de Direção. Estrutura Funcional. Sistemas de Trabalho. Processos. Projetos para a internacionalização. Meios Operacionais. Meios Linguísticos. Meios Logísticos.
    A EMPRESA E O VALOR DIFERENCIAL
    O Valor Acrescido e o Valor Diferencial. Casos Práticos.
    A CADEIA DE VALOR E A COMPETITIVIDADE EM ÂMBITO INTERNACIONAL
  4. GESTÃO ESTRATÉGICA DE RH EM ÂMBITO INTERNACIONAL

    Esta disciplina visa promover o uso das novas técnicas para a correta gestão de pessoas em uma plataforma internacional.

    ESTRATÉGIA E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS EM ÂMBITO EMPRESARIAL INTERNACIONAL
    A gestão estratégica dos recursos humanos. Diferenciar modelos de gestão de recursos humanos que possibilitem a manifestação sistemática e estratégica para um ambiente internacional.
    GRH: TECNOLOGIA PARA DIAGNÓSTICO, PROJEÇÃO E CONTROLE
    Construir uma tecnologia para diagnóstico, projeção e controle da gestão de recursos humanos para uma multinacional.
    PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE RH E OTIMIZAÇÃO DE PLANILHAS INTERNACIONAIS
    Interpretar o processo integrador e sistemático que constitui o planejamento estratégico dos recursos humanos. Determinar e otimizar planilhas em relação a seus principais indicadores tangíveis e intangíveis, atendendo às necessidades de cada filial comercial.
    CONFIGURAÇÃO DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA MULTINACIONAL
    Divisão de negócio. Áreas funcionais. Órgãos de Gestão Internacional. Estilos de Direção aplicados ao modelo de internacionalização.
    VALORAÇÃO DE CARGO
    Descrição de ocupações. Processos de seleção e recrutamento internacional. A motivação laboral.
  5. MARKETING INTERNACIONAL E MARKETING DIGITAL

    O objetivo desta disciplina é que o participante compreenda o funcionamento do marketing no âmbito internacional e consiga determinar e analisar como adequar o preço, a distribuição e a comunicação aos valores culturais do novo mercado.

    MARKETING E ORGANIZAÇÃO
    Política, gestão e direção comercial. Marketing. Conceito e estratégia de marketing. Organização comercial. Política comercial (marketing estratégico). Gestão e Direção comercial (marketing tático e operacional).
    ANÁLISE DE MERCADOS INTERNACIONAIS
    Análise comercial e adaptação às mudanças do mercado, segmentação, comportamento consumidor-comprador internacional. Pesquisa de mercados internacionais. Adaptação às mudanças do mercado para a internacionalização de um produto.
    FUNÇÃO COMERCIAL
    Política, gestão e direção de marcas, produtos e/ou serviços. Publicidade e propaganda: informação e comunicação no marketing. Comercialização e distribuição do produto e/ou serviço.
    TÉCNICAS DE MARKETING INTERNACIONAL
    Técnicas de venda e negociação comercial. Gestão de relações com clientes (CRM).
    MARKETING INTERNACIONAL
    Comércio Internacional, mercados exteriores e política de marketing. Mercados globais e áreas mundiais de comércio internacional. Estratégia comercial e internacional. Estratégia exportadora. Plano de marketing internacional.
    PLANO DE AÇÃO COMERCIAL
    Processo de planejamento, execução e controle da estratégia de marketing. Projeto de estratégias de marketing. Plano comercial (plano de marketing e vendas).
    MARKETING DIGITAL
    Como atrair visitas a uma página web. Como funciona um buscador. As nove técnicas. SEO. Page Rank, Densidade e relevância de palavras. Google Local e Google Places. SEM. Adwords. Publicidade Digital. Diretórios e Market Places. Email marketing. Relações públicas. Os Blogs. A web 2.0.
  6. INOVAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E PESQUISA: ESTRATÉGIAS PARA GERIR

    Esta disciplina pretende ensinar a utilizar o P D i como uma forma de crescimento empresarial no âmbito internacional.

    FUNDAMENTOS EM GESTÃO DA INOVAÇÃO
    Definição. Fontes da inovação. A criatividade. Formas de se beneficiar da criatividade. Empresas internacionais e a inovação. Exemplos e casos práticos.
    AS REGRAS DA INOVAÇÃO
    Elaboração do processo de inovação internacional.
    A EMPRESA INTERNACIONAL E A INOVAÇÃO
    Estrutura e a inovação. Aplicação das regras de inovação em uma empresa internacional. Características de empresários inovadores internacionais.
    TIPOS DE INOVAÇÃO
    Inovação Acrescida, Inovação radical, Inovação Aberta, Inovação em Management: Inovação nos processos produtivos.
    MODELOS DE INOVAÇÃO INTERNACIONAL
    Desenvolvimento e implementação. Geração de conceitos novos. Técnicas e ferramentas para o desenvolvimento de projetos de inovação em âmbito internacional. Análise de tendências dos mercados internacionais. A tecnologia e a inovação.
    GESTÃO DE PESSOAS E SISTEMAS DE GESTÃO INTERNACIONAL
    A liderança e a inovação. Incentivos e recompensas para inovação em sistemas de gestão internacional.
  7. OPERAÇÕES E LOGÍSTICA INTERNACIONAL

    Esta disciplina revisa os conceitos fundamentais dos custos para, em seguida, centrar-se nos temas essenciais da logística internacional, no controle e na gestão de custos de inventário em âmbito internacional.

    CUSTOS
    Conceitos fundamentais. Cálculo da margem no canal de distribuição. Margem percentual. O ponto de equilíbrio. Aplicações do ponto de equilíbrio. Alavancagem operacional: aumento de ventas e aumento de benefícios. Consideração em relação ao conceito de custos.
    CUSTOS PARA A TOMADA DE DECISÕES
    Esquema da conta de resultados para a tomada de decisões. Custos conjuntos. Custos de oportunidade. Custo fixo. Custos fixos comuns.
    LOGÍSTICA INTERNACIONAL
    Desafios e oportunidades. O ambiente logístico mutável. Objetivos da gestão logística. Os custos da logística. Estratégia e planejamento da logística e da cadeia de fornecedores. Planejamento da cadeia de fornecedores. Áreas de planejamento logístico. As linhas de fornecimento e distribuição globais. Fatores especiais das cadeias de fornecimento globais. Organização para a logística global.
    INVENTÁRIO INTERNACIONAL
    Definição e tipos de inventário. Tipos de inventários e suas funções. Medição do rendimento dos sistemas de inventário. Custos associados aos inventários. Distribuição de inventários por valor: O sistema ABC. Sistemas de inventário. Variação das hipóteses ideais de partida. Abastecimento de pedidos simultâneos. Sistemas de controle de inventários. Considerações sobre a implantação de sistemas de controle de inventários.
    DISTRIBUIÇÃO INTERNACIONAL
    Introdução. Direção estratégica da distribuição. A logística de distribuição e o futuro. Organização da distribuição. Planejamento da rede de distribuição. Dados para o planejamento da rede. Sistemas de distribuição multiescala. DRP: Distribution Resource Planning. Planejamento dos recursos de distribuição.
    FORMALIDADES ADUANEIRAS
    Tarifas. O Sistema Harmonizado. A nomenclatura combinada. O TARIC. O INTRSTAT. A informação aduaneira vinculante. Valor na aduana. Sistema de valorização. Acordos preferenciais. Os Transbordos.
  8. AS VENDAS E A NEGOCIAÇÃO EM ÂMBITO INTERNACIONAL

    Esta disciplina pretende ensinar como realizar a negociação com perspectiva estratégica. Abordar todos os fundamentos que integram uma estratégia de negociação para conseguir entabular e fechar com sucesso um processo de negociação em âmbito internacional.

    GESTÃO DAS VENTAS INTERNACIONAIS
    Introdução. Psicologia das ventas internacionais. A lei dos 10 por cento. Análise de situação. Motivações psicológicas dominantes nos clientes. Riscos do comprador.
    ESTRATÉGIAS E TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO
    Pontos fortes e fracos. Ameaças e Oportunidades. Terrenos de Negociação. Atenção ao cliente em âmbito internacional.
    OS INCOTERMS 2010
    Introdução. História. Funcionalidade. Classificação. Como escolher o INCOTERM adequado. Tratados Internacionais.
    CLASSES DE VENDAS INTERNACIONAIS
    A venda direta. O agente comercial internacional. Requisitos. Contratação. Vantagens e desvantagens.
    DISTRIBUIÇÃO
    Introdução, requisitos, vantagens e desvantagens. Requisitos jurídicos relevantes. Sociedades de Comércio Exterior. Os consórcios de exportação. A Joint Venture. Franquias. O Contrato de Franquia. As Feiras Internacionais.
    O CRÉDITO DOCUMENTAL
    Conceito. Características. Classes. Modalidades. As novas regras da UCP 600.
    FORMAS DE PAGAMENTO INTERNACIONAL
    O cheque pessoal, cheque bancário, ordem de pagamento, ordem de pagamento documental, remessas simples, garantias, remessas.
  9. DIREÇÃO FINANCEIRA E INVESTIMENTOS NO MERCADO INTERNACIONAL

    Esta disciplina está orientada ao desenvolvimento dos aspectos mais significativos que compõem a direção financeira de qualquer empresa internacional, ensinando a elaborar balanços, conta de resultados ou qualquer outro tipo de informação que afete a tomada de decisões sobre investimento e financiamento.

    EMPRESA E FINANÇAS INTERNACIONAIS
    Introdução. A função financeira na empresa. O objetivo financeiro da empresa. A estrutura financeira da empresa. As finanças e a saúde econômica da empresa. As finanças e as qualidades financeiras da empresa. As trajetórias econômico-financeiras tipificadas. A direção financeira e os estados financeiros. A direção financeira e a normalização financeiro-contábil.
    OS ESTADOS FINANCEIROS
    A relevância diretiva dos estados econômico-financeiros. A equação básica do balanço. A conta de perdas e ganhos.
    A ANÁLISE DOS RESULTADOS DE GESTÃO
    A análise do benefício de exportação (BAIT). A análise do BAT. O benefício líquido (BN). A análise integrada da CPG. A análise da CPG analítica.
    A ANÁLISE DA RENTABILIDADE OPERACIONAL DA EMPRESA
    A rentabilidade econômica (RE). As políticas geradas da RE. A rentabilidade financeira (RF). As políticas de geração da RF. O fator de alavancagem financeira.
    A ANÁLISE DA RENTABILIDADE DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO
    Método do valor presente líquido (VPL). Método da taxa interna de rentabilidade (TIR). Análise comparativa entre o VPL e o TIR. Método do período de recuperação (pay-back). O cálculo do cash-flow financeiro. O risco econômico nos investimentos.
    ELABORAÇÃO E CONTROLE DE ORÇAMENTOS
    Definição de orçamento. Elaboração de um orçamento. Controle de orçamentos. A atividade do controle na gestão empresarial.
    ALGUMAS IDEIAS PARA A ANÁLISE CONTÁBIL FINANCEIRA
    Os instrumentos apresentados pelos estados financeiros. Mecânica do fluxo de fundos. Caixa gerado pelas operações (CGO). Conclusão.
    ANÁLISE DA RENTABILIDADE DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO
    Método do valor presente líquido (VPL). Método da taxa interna de rentabilidade (TIR). Análise comparativa entre o VPL e o TIR. Método do período de recuperação (pay-back). O cálculo do cash-flow financeiro. O risco econômico nos investimentos.
    O PLANO FINANCEIRO
    Introdução. Títulos mais relevantes. Caso Prático.
  10. ASPECTOS JURÍDICOS E FISCAIS PARA A INTERNACIONALIZAÇÃO

    Esta disciplina reúne a informação necessária para poder compreender quais são os princípios fundamentais que regem os contratos internacionais e as normas internacionais de informação financeira.

    DIREITO EMPRESARIAL
    Introdução ao Direito no ambiente empresarial. Análise jurídica da empresa. Pessoas jurídicas em âmbito internacional. Formas de constituição em diferentes mercados internacionais. As obrigações mercantis internacionais. Vantagens e desvantagens de cada forma de constituição mercantil.
    OS CONTRATOS INTERNACIONAIS
    Aspectos fundamentais. Princípios. Elemento Pessoal. Classes. A compra/venda internacional. Os contratos de intermediação internacional. O contrato de agência. O contrato de distribuição. Convênios e Tratados Internacionais.
    AS NIF
    Aplicação das Normas Internacionais de Informação Financeira. Origem das Normas Internacionais de Informação Financeira: o IASB. O âmbito conceitual da IASB. Os estados financeiros das NIIF. Conta de perdas e ganhos. Estado de fluxo de efetivo. Estado de mudanças no patrimônio líquido. A memória. Operação contábil sob as NIIF. Imobilizado material. Imobilizado imaterial. Instrumentos financeiros. Existências. Provisões e partidas. Contingentes. Outras partidas. As obrigações tributárias internacionais.

2ª PARTE: TRABALHO FINAL DE ESPECIALIZAÇÃO

A última Fase do programa está destinada à realização do Trabalho Final de Especialização, que poderá ser iniciado antes do término da 1ª Parte: Disciplinas, já que neste momento o aluno terá desenvolvido as habilidades necessárias para iniciar o trabalho.

O objetivo é apresentar um documento completo que abarque o desenvolvimento total do trabalho proposto, contemplando a possibilidade de sua execução na prática, de acordo com o delineado e detalhado no Trabalho Final de Curso apresentado. O trabalho deve ser uma contribuição a alguns dos campos estudados ou a relação entre eles, tanto teórica quanto praticamente, respeitando os conceitos, as teorias e as disciplinas relacionados.


Nota: O conteúdo do programa acadêmico pode estar sujeito a pequenas modificações em função das atualizações ou das melhorias realizadas.

Direção

  • Dra. Silvia Aparicio. Doctora en Ciencias Económicas por la Universidad Autónoma de Madrid y Licenciada en Administración y Dirección de Empresas por la Universidad de Cantabria. Directora Académica Internacional del Área de Desarrollo Directivo, Organización Empresarial y Recursos Humanos de la Fundación Universitaria Iberoamericana, FUNIBER.
  • Dra. Cristina Hidalgo González Doutora em Ciências Empresariais pela Universidad de León. Professora Titular do Departamento de Economia Aplicada da Universidad de León.
  • Dr. Rubén Calderón Iglesias Doutor em Economia pela Universidad Antonio de Nebrija, Espanha. Reitor da Universidad Europea del Atlántico.
  • Dr. Eduardo Silva. Doutor em Projetos pela Universidad Internacional Iberoamericana. Mestre em Direção e Gestão de Empresas Internacionais pela Universidad Autónoma de Barcelona. Advogado e Notário pela Universidad Rafael Landívar. Advogado do Departamento Jurídico-Legal da Fundação Universitária Iberoamericana. Diretor Executivo da Fundação Universitária Iberoamericana, sede Guatemala.

Professores e Autores

  • Dra. Cristina Hidalgo González. Professora do Departamento de Economia Aplicada da Universidad de León.
  • Dr. Salvador Rus Rufino. Professor Titular da Universidad de León.
  • Dr. Sergio Balarezzo Saldaña. Vice-reitor de pesquisa da Universidad de Piura. Peru.
  • Dr. Francisco J. Hidalgo Trujillo. Doutor UPC. Diretor da Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) México.
  • Dr. Eugeni Aguiló Pérez. Catedrático de Economia Aplicada da Universitat de les Illes Balears.
  • Dr. Luis Morales. Diretor da Escuela de Postgrado da Universidad Mayor de San Simón. Bolívia.
  • Dr. Manuel Maeda. Universidad de Piura. CAME-Lima. Peru.
  • Dr. Roberto M. Álvarez. Doutor em Engenharia de Projetos pela Universidad Politécnica de Cataluña, Espanha, Mestre em Gerenciamento de projeto e desenho pelo politécnico de Milán, Itália. Professor da Universidad de Buenos Aires, Argentina. Diretor da Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) Argentina.
  • Dr. David Barrera Gómez. Doutor Engenheiro e MBA. Consultor de negócios, tecnologia e soluções empresariais. Professor das áreas de organização de empresas e tecnologias TIC da Fundação Universitária Iberoamericana.
  • Dr. (c). Eduardo García Villena. Engenheiro Industrial. Área de Meio Ambiente da Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER).
  • Dra. (c). Olga Capó Iturrieta. Engenheira Industrial. Doutoranda da UPC.
  • Dr. (c). Kilian Tutusaus Pifarré. Licenciado em Ciências do Mar. Área de Meio Ambiente da Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER). Doutorando UPC.
  • Ms. Saúl Domingo Soriano.Mestre em Direção Geral de Empresas pelo Institut Català de Tecnologia de Barcelona. Mestre em Consultoria e Tecnologias da Informação e-business.
  • Ms. Lourdes Plaza. NG Chile. Mestre em Consultoria em Tecnologias da Informação e-business (Espanha). Mestre em Tecnologias da Informação (Chile).
  • Ms. Virginia Saman.Prof. Universidad Santa María de Chile Campus Guayaquil. M. em Logística (França).
  • Ms. Andrea Salem. Engenharia Informática de Gestão (Equador-Chile). Mestre em Consultoria em Tecnologias da Informação e-business (Espanha).
  • MBA Humberto Maydana. Universidad de Piura. Peru.
  • Ing. Gabriela Larrea. Engenheira Comercial (Equador-Chile). Diretora de Comunicações da Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) Equador.
  • Dr. Eduardo Silva. Doutor em Projetos pela Universidad Internacional Iberoamericana. Mestre em Direção e Gestão de Empresas Internacionais pela Universidad Autónoma de Barcelona. Advogado e Notário pela Universidad Rafael Landívar. Advogado do Departamento Jurídico-Legal da Fundação Universitária Iberoamericana. Diretor Executivo da Fundação Universitária Iberoamericana, sede Guatemala.

Bolsa de Trabalho

A Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) destina periodicamente uma partida econômica com caráter extraordinário para o oferecimento de Bolsas de estudo em Formação FUNIBER. 

Para solicitá-la, preencha o formulário de solicitação de informação que aparece no portal FUNIBER ou entre em contato diretamente com a sede da fundação em seu país para saber se é necessário proporcionar alguma informação adicional.

Uma vez finalizado o Programa Acadêmico, os alunos que assim o desejarpoderão ingressar na Bolsa de Trabalho Ambiental. Para isso, deverãoremeter currículum vitae, indicando dados pessoais, acadêmicose de experiência profissional. Assim, o aluno estará informado dasofertas de trabalho que venham a surgir e que se ajustem a seu perfilprofissional.