Resolução de Conflitos e Mediação Social

Apresentação do Programa

O programa de Resolução de Conflitos e Mediação Social está orientado à capacitação de profissionais para a gestão de conflitos sociais de diversas índoles. Assim os profissionais poderão capacitar-se na resolução de conflitos familiares, escolares, comunitários, legais e da saúde.

A quem é dirigido

Este programa é dirigido a profissionais que informam e assessoram em relação às demandas sociais, que participam da concepção e desenvolvimento de projetos ou programas sociais, assim como aqueles profissionais que desejam trabalhar com grupos excluídos socialmente e/ou em risco de exclusão.

Titulação

Tal e como se viu, o Programa de Resolução de Conflitos e Mediação Social conta com distintos títulos em cada um dos países onde se ministra, de tal forma que cada uma delas possui umas características e requisitos acadêmicos particulares:

  • Os Diplomas serão expedidos pela universidade onde ocorreu a matrícula, com o patrocínio da Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER).
  • No Diploma será especificada a natureza do Programa (Capacitação, Especialização, Pós-graduação) em função da nomenclatura vigente em cada país.

Estrutura do Programa

O título e a duração estimada do Programa de Resolução de Conflitos e Mediação Social dependem do perfil acadêmico do aluno e dos requisitos da universidade correspondente:

A respeito da distribuição do tempo, estabelece-se que: 

PERFIL ACADÊMICO DO ALUNOa TÍTULO OUTORGADO DURAÇÃOb CRÉDITOSc
Pessoas sem titulação acadêmica prévia Capacitação Técnica 320 32
Licenciados Especialização, Pós-graduação 420 42

a.  Em alguns países, por exemplo, na Espanha, não se faz distinção alguma entre o perfil acadêmico do aluno, daí que o título expedido será sempre um diploma de capacitação ou especialização. Em todo caso, o aluno pode remeter-se à sede FUNIBER de seu país para esclarecer qualquer dúvida nesse sentido.
b. Duração em meses.
c. A equivalência em créditos pode variar de acordo com a universidade que titula

A respeito da distribuição do tempo, estabelece-se que:

  • Por ser um programa à distância e não estar sujeito a aulas presenciais, não se estabelece uma data específica de início, o que faz com que o aluno possa formalizar a matrícula a qualquer momento, sempre que haja vagas;
  • Por motivos acadêmicos e de aprendizagem, dispõe-se de uma duração mínima do Programa de três meses, contabilizados da data de entrega dos dois primeiros volumes até a data de recebimento do último exercício de avaliação;
  • O tempo máximo de que se dispõe para realizar o Programa é de um ano. Nesse período de tempo, o aluno deve ter entregado todas as avaliações correspondentes às disciplinas e, no caso da Especialização ou Pós-graduação, o Trabalho Final de Curso ou Dissertação.

A estrutura de créditos do Programa de Resolução de Conflitos e Mediação Social para o título de Capacitação Técnica está reunida na seguinte tabela:

  CRÉDITOSa DURAÇÃOb HORAS
Disciplinas 33 9 330

 

No caso da Especialização ou Pós-graduação, a estrutura de créditos fica como a seguinte: 

  CRÉDITOSa DURAÇÃOb HORAS
1ª Parte: Disciplina 32 9 320
2ª Parte: Trabalho Final de Curso ou Projeto 10 3 100
TOTAL 42 12 420

a. A equivalência em créditos pode variar de acordo com a universidade que titula
b. Duração em meses

Objetivos

Objetivo geral:

  • Formar profissionais que possuam um conhecimento geral da teoria do conflito, das habilidades e técnicas necessárias para enfrentar construtivamente os conflitos que têm lugar na nossa sociedade.

Objetivos específicos

  • Conhecer as técnicas mais adequadas para a resolução de conflitos sociais.
  • Desenvolver habilidades para a gestão de conflitos familiares, escolares, comunitários, de saúde e legais.
  • Oferecer formação nas técnicas e habilidades de mediação.
  • Habilitar para desenvolver e desenhar projetos e sistemas de resolução de conflitos para as organizações.

Saídas Profissionais

Algumas das saídas profissionais do Programa de Resolução de Conflitos e Mediação Social, entre outras, são:

  • Centros especializados de resolução de conflitos relacionados aos campos familiares, escolares, comunitários, penal ou sanitário;
  • Organizações ou instituições que projetam, desenvolvem e implementam programas ou projetos sociais;
  • Instituições que trabalham com grupos excluídos socialmente ou em risco de exclusão.

Plano de estudos

O programa de Resolução de Conflitos e Mediação Social compõe-se de 11 disciplinas; no caso da Especialização, de um Trabalho Final de Curso ou Projeto chamado Trabalho Final de Especialização.

  • 1ª PARTE: DISCIPLINAS

As disciplinas permitem a compreensão e o conhecimento da estrutura, da dinâmica e das consequências dos conflitos que têm lugar em diversos lugares de nossa sociedade.

O objetivo é conseguir uma visão global do tema, preparando adequadamente os especialistas para um melhor desempenho em seu campo de trabalho.

As disciplinas e as horas correspondentes que compõem o programa estão na seguinte tabela:

Essas disciplinas, apesar de serem independentes, estão estruturadas segundo uma ordem pedagógica coerente. Cada uma divide-se em unidades temáticas básicas ou capítulos, cujo conteúdo inclui material impresso que deve ser estudado para responder satisfatoriamente aos testes de avaliação.

  • 2ª PARTE: TRABALHO FINAL DE ESPECIALIZAÇÃO

No caso da Especialização, a última fase do Programa será destinada à elaboração do Trabalho Final de Especialização, que será uma monografia sobre um tema estudado no curso e aplicado ao ambiente do estudante.

# DISCIPLINAS
1 TRABALHO FINAL DE ESPECIALIZAÇÃO

Descrições dos Cursos

1ª PARTE: DISCIPLINAS

  1. TEORIA DO CONFLITO I

    Introduz os pilares teóricos básicos da disciplina de resolução de conflitos. Trata-se de fazer com que o estudante, desde o primeiro momento, adquira uma concepção diferente do conflito e de suas dinâmicas de escalada e descendência, e que desenvolva suas capacidades para analisar os conflitos em profundidade, previamente a qualquer intervenção.

    CONCEITO DE VIOLÊNCIA E PAZ
    CULTURA DE PAZ
    DEFINIÇÃO DE CONFLITO
    TEORÍA GENERAL DEL CONFLICTO
    NÍVEIS DE ANÁLISE DO CONFLITO
    O CÍRCULO DO CONFLITO
    O CICLO DO CONFLITO
    ESTRUTURA DO CONFLITO
    PARÂMETROS DOS CONFLITOS INTERPESSOAIS
    A DINÂMICA DO CONFLITO
    IDENTIDADE E CONFLITO
  2. TEORIA DO CONFLITO II

    Aprofunda os aspectos psicológicos do conflito e a negociação-mediação. O aluno adquirirá um conhecimento das teorias e mecanismos psicológicos que atuam por trás dos processos de negociação-mediação. Além disso, conhecerá o modelo da teoria de jogos sobre o conflito e a negociação-mediação.

    PSICOLOGIA DO CONFLITO
    A perspectiva psicodinâmica. A teoria de campo e o conceito de clima. Perspectiva apoiada nas relações humanas e os estilos de confronto do conflito. A pesquisa dos conflitos intergrupais. O enfoque cognitivo. A perspectiva psicológica do conflito.
    JOGOS, DILEMAS, CONFLITOS
    A teoria da utilidade esperada. A teoria de jogos.
    PSICOLOGIA DA NEGOCIAÇÃO-MEDIAÇÃO
    Paradigma comportamental tradicional. O estudo dos atributos individuais. O estudo das características situacionais. O estudo dos processos cognitivos.
  3. EMOÇÕES E CONFLITOS

    Transmitir conhecimentos que possam ser úteis para o uso diário da gestão das emoções nas relações interpessoais e conflitos de uma perspectiva que integre teoria e aprendizagem significativa através exercícios práticos.

    QUE SÃO AS EMOÇÕES
    Definição do conceito de "emoção". Componentes da emoção. Função das emoções. Tipos de emoções. Importância das emoções na vida cotidiana.
    EMOÇÕES PRINCIPAIS E SUAS ESTRATÉGIAS DE REGULAÇÃO
    Ira. Medo. Inveja. Culpa. Desgosto. Tristeza. Interesse. Surpresa. Admiração. Alegria.
    EMOÇÕES, CONFLITOS E RELAÇÕES INTERPESSOAIS
    Estilos afetivos. Estilos de comportamento ante o conflito. As relações interpessoais. Como interagem as emoções, conflitos e relações interpessoais.
    MODELOS DE GESTÃO DAS EMOÇÕES NAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS
    Aplicação à resolução de conflitos e mediação.
  4. TÉCNICAS DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS E NEGOCIAÇÃO

    Esta disciplina contém informação para ajudar a entender os aspectos teóricos e práticos relacionados com o conflito e as estratégias de resolução mais usuais: Negociação, Mediação e Arbitragem, entre outras.

    INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE CONFLITOS
    Conhecer as noções teóricas e os conceitos fundamentais que permitam identificar, descrever e analisar casos práticos relacionados ou vinculados a conflitos.
    ESTRATÉGIAS OU MÉTODOS PARA RESOLVER CONFLITOS
    Contribuir à compreensão de um conjunto de conceitos e técnicas relacionados com o processo de negociação, obtendo uma aprendizagem que propicie a realização de negociações efetivas. Conhecer as fases, curvas de resolução e estilos de enfrentamento para o manejo de conflitos. Conhecer estratégias e técnicas para a resolução de conflitos: negociação, mediação e arbitragem.
    COMPETÊNCIAS E HABILIDADES PARA RESOLVER CONFLITOS
    Dominar e desenvolver as competências e habilidades associadas à resolução de conflitos.
  5. A MEDIAÇÃO I: DEFINIÇÃO E PRINCÍPIOS, O MEDIADOR, PAPEL E FUNÇÕES

    A disciplina pretende esclarecer o conceito de mediação e o papel do mediador de uma perspectiva que permita diferenciar os de métodos próximos.

    DEFINIÇÃO E PRINCÍPIOS
    Conflito e Mediação. Conceitos de mediação. Princípios da mediação. Voluntariedade. Imparcialidade, Neutralidade, Confidencialidade. Profissionalismo.
    O MEDIADOR
    Papel e funções. O mediador como responsável pelo processo. O mediador como facilitador da comunicação. O mediador como promotor da negociação.
    O PROCESSO DA MEDIAÇÃO
    A pré-mediação. O enquadramento da mediação. Definição do conflito. Definição alternativa do conflito. Geração de opções. Negociação. Compromissos e acordos.
  6. A MEDIAÇÃO II: TÉCNICAS E ESTRATÉGIAS DA MEDIAÇÃO. COMEDIAÇÃO. ÉTICA DO MEDIADOR

    Apresenta a intervenção mediadora de uma perspectiva técnica que dá coerência a uma prática apoiada em um modelo e um método de ação.

    TÉCNICAS E ESTRATÉGIAS DA MEDIAÇÃO
    Modelo. Método e Técnicas. Construção de espaços de cooperação. Técnicas para facilitar a comunicação. Técnicas para diferentes tipos de conflitos. Técnicas para diferentes interações conflitivas. Técnicas para diferentes momentos do processo.
    A COMEDIAÇÃO
    Conceito de comediação. Modelos de comediação. Aplicação a diferentes contextos.
    RÉTICA DO MEDIADOR
    A ética do posicionamento mediador. A ética da neutralidade. Códigos deontológicos.
  7. RESOLUÇÃO/TRANSFORMAÇÃO DE CONFLITOS NO ÂMBITO FAMILIAR

    Descrição e análise de processos de resolução e transformação de conflitos no contexto familiar que requerem a intervenção de terceiros imparciais que facilitem o diálogo, a responsabilidade e a tira de decisões entre os protagonistas de cada situação. O material que se expõe é o resultado da experiência profissional na intervenção em conflitos, tanto relacionados com a ruptura do casal (separação / divórcio, custódia, relação com os filhos e filhas, necessidades econômicas) quanto aqueles conflitos de convivência entre as gerações, acolhimento ou de organização quanto às necessidades de alguma das pessoas que compõem a família (idosos, deficientes, com doença mental…).

    PRINCÍPIO E CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS NO ÂMBITO FAMILIAR.
    TIPOLOGIA DE CONFLITOS FAMILIARES EM FUNÇÃO DO CONTEXTO, CAUSAS E PESSOAS ENVOLVIDAS.
    PROTAGONISTAS DE CONFLITOS FAMILIARES VIÁVEIS PARA A INTERVENÇÃO EM PROCESSOS COLABORATIVOS DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS E MEDIAÇÃO.
    PROCESSO DE MEDIAÇÃO APLICADO A CONFLITOS NO ÂMBITO FAMILIAR.
    LIMITES E CONSEQUÊNCIAS DA INTERVENÇÃO NO ÂMBITO FAMILIAR.
    EVOLUÇÃO DA MEDIAÇÃO FAMILIAR.
  8. RESOLUÇÃO/TRANSFORMAÇÃO DE CONFLITOS NO ÂMBITO ESCOLAR

    Essa disciplina dá os conhecimentos e capacidades necessárias para intervir no processo de melhoria da convivência e transformação dos conflitos na esfera escolar.

    CONFLITO E CONVIVÊNCIA NA ESCOLA
    Tipos de conflitos e problemas de convivência na esfera escolar. Os conflitos interpessoais, a indisciplina, a disrupção nas salas de aula, o bullying e o vandalismo.
    A EDUCAÇÃO EM RESOLUÇÃO DE CONFLITOS
    Antecedentes e desafios futuros.
    O MODELO GLOBAL DE CONVIVÊNCIA ESCOLAR
    Fundamentos e objetivos. Componentes do modelo global, programas de intervenção. Currículo de resolução de conflitos: teoria e atividades. Os programas de Mediação Escolar e outros processos colaborativos de resolução de conflitos. O programa de Disciplina Positiva. Estratégias para o envolvimento de pais e mães.
    OUTRAS ESTRATÉGIAS DE INTERVENÇÃO PARA A ABORDAGEM DOS CONFLITOS ESCOLAR
    O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO DE MELHORIA DA CONVIVÊNCIA NA ESCOLA: FASES E RECURSOS NECESSÁRIOS
    A COMISSÃO DE CONVIVÊNCIA
    CENÁRIOS PARA A NEGOCIAÇÃO NA ESCOLA
    O PROCESSO DE MEDIAÇÃO APLICADO AOS CONFLITOS ESCOLARES
  9. RESOLUÇÃO/TRANSFORMAÇÃO DE CONFLITOS COMUNITÁRIOS

    Esta disciplina ajuda a compreender o quadro conceitual da Mediação Comunitária e desenvolvimento de habilidades, competências e atitudes para o exercício da mediação nesse âmbito.

    A CULTURA DE PAZ E A MEDIAÇÃO COMUNITÁRIA
    CONFLITO, COMUNICAÇÃO E CULTURA
    O MÉTODO SOCIAL DA MEDIAÇÃO COMUNITÁRIA
    O CENTRO DE MEDIAÇÃO COMUNITÁRIA
  10. RESOLUÇÃO/TRANSFORMAÇÃO DE CONFLITOS COMUNITÁRIOS

    Mostra a Justiça Restaurativa e Reparadora como paradigma transformador dos sistemas penais e penitenciários. Oferece, além disso, uma visão teórico-prática do âmbito comparado das diferentes ferramentas de Justiça Restaurativa: mediação, conferências, círculos, etc. A disciplina ensina também o desenvolvimento das experiências mais importantes de Justiça Restaurativa na União Europeia, Estados Unidos, Canadá e América Latina.

    JUSTICIA RESTAURATIVA
    Nuevo paradigma para la transformación social. Antecedentes. Principios inspiradores. Conceptualización. Justicia Retributiva vs Justicia Restaurativa. Legislación en el ámbito internacional.
    LAS HERRAMIENTAS DE LA JUSTICIA RESTAURATIVA
    Mediación Víctima-Ofensor. Mediación Penitenciaria. Conferencias Comunitarias-Grupos Familiares.
    VISIÓN COMPARADA DEL DESARROLLO DE LA JUSTICIA RESTAURATIVA
    Unión Europea. Estados Unidos. Canadá. América Latina.
    ALCANCE PRÁCTICO DE LAS HERRAMIENTAS RESTAURATIVAS ANTES O DESPUÉS DE LA EJECUCIÓN DE LA PENA: MENORES INFRACTORES, ADULTOS INFRACTORES.
  11. RESOLUÇÃO/TRANSFORMAÇÃO DE CONFLITOS NO ÂMBITO SANITÁRIO

    O propósito da disciplina é que os alunos consolidem uma formação conceitual e prática que lhes permita intervir como mediadores de conflitos em instituições de Saúde.

    SANÁLISE PSICOSSOCIAL DOS AGENTES SANITÁRIOS
    Pacientes, profissionais e instituições.
    A ATENÇÃO EM SAÚDE
    Multiplicidade de agentes.
    TEORIA E PRÁTICA DA MEDIAÇÃO E A NEGOCIAÇÃO NOS CONFLITOS QUE SE GERAM NA ÁREA DE SAÚDE

2ª PARTE: TRABALHO FINAL DE ESPECIALIZAÇÃO

A última fase do Programa será destinada à elaboração do Trabalho Final de Especialização, que será uma monografia sobre um tema estudado no curso e aplicado ao ambiente do estudante.

Nota: O conteúdo do programa acadêmico pode ser submetido a ligeiras modificações em função das atualizações ou das melhoras efetuadas.

Direção

  • Dra. Silvia Aparicio. Doctora en Ciencias Económicas por la Universidad Autónoma de Madrid y Licenciada en Administración y Dirección de Empresas por la Universidad de Cantabria. Directora Académica Internacional del Área de Desarrollo Directivo, Organización Empresarial y Recursos Humanos de la Fundación Universitaria Iberoamericana, FUNIBER.
  • Dr. Ramón Alzate Saez de Heredia. Doutor em Filosofia e Ciências da Educação pela Universidad del País Vasco. Catedrático de Psicologia da Universidad del País Vasco.
  • Dra. Cristina Hidalgo González. Doutora em Ciências Empresariais pela Universidad de León. Professora Titular do Departamento de Economia Aplicada da Universidad de León.
  • Dra (c). Carmen Lilí Rodríguez Velasco. Doutorado em Educação, pela Universidad Internacional Iberoamericana (em processo). Mestrado em Psicologia Laboral e Organizacional pela Universidad de La Habana, Cuba. Coordenadora Acadêmica Internacional da Área Desenvolvimento Diretivo, Organização Empresarial e Recursos Humanos, FUNIBER.
  • Dra (c). Ana Godoy Magdaleno. Doutorado em Psicologia pela Universidad del País Vasco (em processo de finalização). Diploma de Estudos Avançados pela Universidad del País Vasco. Especialista em Mediação: âmbitos de atuação e técnicas aplicadas à resolução de conflitos, pela Universidad Complutense de Madrid. Coordenadora Acadêmica do Programa Mestrado em Resolução de Conflitos e Medialção e suas Especializações.

Direção Acadêmica Internacional

  • Dr. Ramón Alzate Sáez de Heredia. Catedrático de Psicologia da Universidad del País Vasco
  • Dr. José Manuel Figueroa. Diretor do Departamento de Inovação, Negócios e Nuevas Tecnologias. Universidad Internacional Iberoamericana
  • Dr. David Barrera Gómez. Doutor pea Universidad Politécnica de Cataluña
  • Dra. Celia Regina Beiro. Sociedade Educacional de Santa Catarina, SC. Brasil
  • Dr. José Manuel Brotons. da Universidad Miguel Hernández de Elche. Espanha
  • Dra. Inmaculada Armadans. Prof. da Facultad de Psicología de la Universidad de Barcelona
  • Dr. Dorindo Cárdenas Prof. da Universidad Tecnológica de Panamá
  • Dr. José Antonio Cavero Prof. da Universidad Miguel Hernández de Elche. Espanha
  • Alina Celi Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
  • Dr. Miguel Ángel Coronado. Catedrático da Universidad de Valladolid. Diretor da Área de TIC da FUNIBER
  • Dr. Antoni Creus Prof. da Universidad Politécnica de Cataluña
  • Dr. Luis Dzul López Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
  • Dr. José Antonio Esquivel Prof. da Universidad de Granada
  • Dr. Javier Fernández Aguado. Professor da Universidad San Pablo-CEU
  • Dr. Fermín Ferriol Prof. da Universidad de La Habana
  • Dr. Eduardo García Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
  • Dra. Irene García Prof. da Universidad de La Habana
  • Dra. Leticia García. Professora Titular de direito civil da Universidad Complutense de Madrid.
  • Dra. Minerva García Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
  • Dra. Esther García Pedroche Prof. de Centrum Católica, Lima
  • Dra (c) Ana Godoy. Coordenadora de programas de Resolução de Conflitos e Mediação. FUNIBER
  • Dr. José Francisco González Carbonell Prof. da Universidad Miguel Hernández de Elche. Espanha
  • Dr. Fco. Javier Hidalgo Prof. do Centro Panamericano de Estudos Superiores, Michoacán. México
  • Dr. Agustín Iza Prof. da Universidad Científica del Sur
  • Dr. Francisco Jiménez Prof. da Universidad de Almería
  • Dr. Víctor Jiménez Arguelles Prof. da Universidad Autónoma Metropolitana. México
  • Dr. Francisco Jiménez Bautista Prof. da Universidad de Granada
  • Dr. Miguel Ángel López Prof. do Instituto Politécnico Nacional (CIEMAD-IPN), México
  • Dra. Miriam Loveiro Fialho Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
  • Dr. Manuel Maeda Takeuchi Prof. da Universidad de Piura
  • Dra. Izel Emilia Marez Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
  • Dr. Ernesto Negrín Prof. Universidad de Matanzas
  • Dr. Arturo Ortega. Diretor da Área de TIC. Universidad Internacional Iberoamericana
  • Dra. Yarissa Palma Prof. da Universidad Tecnológica de Panamá
  • Dr. Javier Reig Prof. da Universidad Miguel Hernández de Elche. Espanha
  • Dr. José Rodriguez Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
  • Dr. Francisco Sagués. Coordenador do Mestrado Internacional em Auditoria e Gestão Empresarial
  • Dr. Ramón San Martín Prof. da Universidad Politécnica de Cataluña
  • Dr. Manuel Enrique Sansalvador Prof. da Universidad Miguel Hernández de Elche. Espanha
  • Dr. Raúl Sardinha Prof. do Instituto Piaget, Portugal
  • Dr. Héctor Solano Prof.da Universidad Internacional Iberoamericana
  • Dr. José Antonio Trigueros Prof. da Universidad Miguel Hernández de Elche, Espanha
  • Dr. José Francisco Valencia. Professor da Universidad del País Vasco
  • Dr. José Valentín Mercado Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
  • Dr. Vladimir Vega Consultor CONAS
  • Dra. Martha Velasco Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
  • Dr. Luis Vivanco Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
  • Dr. Pedro Zayas Prof. da Universidad de Matanzas
  • Dr (c). Jon Arambarri Prof. da Área de TIC. FUNIBER
  • Dr (c). Ricardo Alberto Concha Prof. da Universidad de Chile
  • Dr (c). Pablo Eisendecher. Diretor da FUNIBER Chile
  • Dr (c). Diego Kurtz Prof. da Área de TIC. FUNIBER
  • Dra (c). Vivian Lipari Prof. da Área de Saúde. FUNIBER
  • Dr (c). René Morales. Universidad de Barcelona
  • Dra (c). Lina Pulgarin Prof. da Área de Empresas. FUNIBER
  • Dra (c). Carmen Lilí Rodríguez Prof. da Área de Empresas. FUNIBER
  • Dra (c). Daniela Torrico Villarroel Prof. da Área de Empresas. FUNIBER
  • Dr (c). Gregorio Urriola Prof. da Universidad de Las Américas
  • M.A. Edward Alegría Prof. da Área de Empresas. FUNIBER
  • Mg. Erick Arauco Prof. Universidad de Piura
  • M.A. Diana Patricia Cortés Prof. da Área de Empresas. FUNIBER
  • M.A. Andrea Gutiérrez Prof. da Área de Empresas. FUNIBER
  • Msc. Eduardo Silva Prof. da Área de Empresas. FUNIBER
  • Msc. Juanita Acevedo Segura. Advantatge Service
  • Msc. Carles Labraña. Idealive

Professores e Autores

  • Dra. Cristina Merino. Doutora em Cooperação, integração e conflito na Sociedade Internacional, pela Universidad del País Vasco. Mediadora em conflitos de caráter escolar, familiar, organizacional e comunitário. Sócia fundadora do Centro Universitario de Transformación de Conflictos de la Universidad del País Vasco. GEUZ-UPV/EHU para a docência, pesquisa e intervenção em conflitos.
  • Dr. Ignacio Bolaños. Doutor em Psicologia pela Universidad Autónoma de Barcelona. Expert em Mediação. Âmbitos de atuação e Técnicas aplicadas na Resolução de conflitos. Área de Mediação, Universidad Complutense de Madrid.
  • Dr. Jorge Bolaños Carmona. Doutor em Matemáticas. Professor Titular da Universidad de Granada. Instituto Universitario de la Paz y los Conflictos Universidad de Granada.
  • Dr. Ramón Alzate Saez de Heredia. Doutor em Filosofia e Ciências da Educação pela Universidad del País Vasco. Catedrático de Psicologia da Universidad del País Vasco.
  • Dra. Inmaculada Armadans Tremolosa. Doutora em Psicologia pela Universidad de Barcelona. Professora da Facultad de Psicología da Universidad de Barcelona. Directora de Pós-graduação de Il3 (UB). Intervenção em situações de conflito nas Instituições Educativas.
  • Dra. Leticia García Villaluenga. Professora Titular de Direito Civil da Universidad Complutense de Madrid. Diretora do Instituto de Pesquisa em Mediação da Universidad Complutense de Madrid.
  • Dr. José Antonio Esquivel. Professor Titular na Universidad de Granada. Instituto de la Paz y los Conflictos de la Universidad de Granada.
  • Dr. Francisco Jiménez. Pesquisador do Instituto de la Paz y los Conflictos de la Universidad de Granada.
  • Dra (c). Ana Godoy Magdaleno. Doutorado em Psicologia pela Universidad del País Vasco (em processo de finalização). Diploma de Estudos Avançados pela Universidad del País Vasco. Especialista em Mediação: âmbitos de atuação e técnicas aplicadas à resolução de conflitos, pela Universidad Complutense de Madrid. Coordenadora Acadêmica do Programa Mestrado em Resolução de Conflitos e Medialção e suas Especializações.
  • Dr (c). Ricardo Alberto Concha Machuca. Professor da Universidad de Chile.
  • Dr (c). Fernando Die Badolato. Licenciado enm Direito e Expert em Mediação: Âmbitos de Actuación e Técnicas Aplicadas na Resolução de Conflitos na Universidad Complutense de Madrid.
  • Dra (c). Carmen Lilí Rodríguez Velasco. Doutorado em Educação, pela Universidad Internacional Iberoamericana (em processo). Mestrado em Psicologia Laboral e Organizacional pela Universidad de La Habana, Cuba. Coordenadora Acadêmica Internacional da Área Desenvolvimento Diretivo, Organização Empresarial e Recursos Humanos, FUNIBER.
  • Dr (c). Diego J. Kurtz. Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento pelo PPGEGC – UFSC (em processo). Mestrado em International Business - Wiesbaden Business School, Alemanha. Pesquisador do Núcleo de Gestão para a Sustentabilidade (www.ngs.ufsc.br) e Pesquisador Junior do Projeto Dynamic SME (www.dynamic-sme.org). Coordenador de Programas e Professor da FUNIBER.
  • Dra (c). Julién Brito Ballester. Doutorado em Projetos, pela Universidad Internacional Iberoamericana (em processo). Mestrado em Psicologia Laboral e Organizacional pela Universidad de Habana, Cuba. Mestrado em Gestão de Recursos Humanos pela Universidad Autónoma de Barcelona. Mestrado em Coaching Sistêmico pela Universidad Autónoma de Barcelona. Consultora Internacional e Expert em Gestão de Recursos Humanos, Formação, Desenvolvimento e Competências Profissionais.
  • Ms. Sandra Sacristán Maza. Mestrado em Resolução de Conflitos Coordenadora de Equipe Centro Municipal de Mediación de Viladecans.
  • Ms. Carlos Romera. Mestrado em Criminologia. Centro Universitario de Transformación de Conflictos GEUZ.
  • Ms. Alejandro Marcelo Nató. Advogado. Mestrado em Programação Neurolingüística. Mestrado em Resolução de Conflitos e Mediação. Consultor do Centro Carter en Medios de Comunicación y Conflictos Sociales en Bolivia.
  • Ms. Antonio Vega. Diplomado em Administração e Direção de Empresas por ESADE. Mestrado em Direção de Recursos Humanos e Consultoria nas Organizações pela Universidad de Barcelona. Coach e Consultor em Planificação Estratégica, Liderança e Desenvolvimento Organizacional. Presidente na Fundación Humaniza.
  • Lic. Inmaculada Urruela. Diplomada em trabalho Social. Equipes Técnicas de Assessoramento em Justiça de Menores.
  • Lic. Lucía Gorbeña. Centro Universitário de Transformación de Conflictos (GEUZ).
  • Lic. Amaia Aguirre. Centro Universitário de Transformación de Conflictos (GEUZ).
  • Lic. María Gabriela Rodríguez. Pedagoga. Professora Titular na Universidad de Lomas de Zamora. Mestrado em Programação Neurolingüistica. Mediadora, Facilitadora e Especialista em gestão de conflitos comunitários, processos de diálogo e construçãon de consenso.
  • Lic. Diego Checa. Pesquisador do Instituto de la Paz y los Conflictos de la Universidad de Granada.

Bolsa de Trabalho

A Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) destina periodicamente uma partida econômica com caráter extraordinário para o oferecimento de Bolsas de estudo em Formação FUNIBER. 

Para solicitá-la, preencha o formulário de solicitação de informação que aparece no portal FUNIBER ou entre em contato diretamente com a sede da fundação em seu país para saber se é necessário proporcionar alguma informação adicional.

Uma vez finalizado o Programa Acadêmico, os alunos que assim o desejarpoderão ingressar na Bolsa de Trabalho Ambiental. Para isso, deverãoremeter currículum vitae, indicando dados pessoais, acadêmicose de experiência profissional. Assim, o aluno estará informado dasofertas de trabalho que venham a surgir e que se ajustem a seu perfil profissional.